Nas Bancas

144933790.jpg

Getty Images

Dominique Strauss-Kahn pede: "Deixem-me em paz"

O ex-diretor do FMI deu uma entrevista à revista 'Le Point' na qual fala dos escândalos sexuais em que esteve envolvido e do atual caso em que é acusado de proxenetismo.

Redação CARAS
11 de outubro de 2012, 15:55

"Não posso tolerar mais que se abuse da minha situação - e das investigações judiciais que erradamente me têm como alvo - para remexerem na minha privacidade. Deixem-me em paz." As declarações são de Dominique Strauss-Kahn, em entrevista à revista francesa Le Point.
O ex-diretor do FMI, que está a ser investigado pelo alegado envolvimento numa rede de prostituição que é conhecida em França como o “caso Carlton”, revela que não entende o interesse da comunicação social na sua vida. "Nunca fui acusado de nada, nem em França nem noutro país. Por isso, nada justifica o facto de eu ser objeto de uma perseguição pelos media que mais parece uma caça ao homem", diz o político francês.
Acerca do caso Carlton, DSK, como é conhecido, explica: “A verdade é que os meus amigos organizavam as festas que eu frequentava. Como havia prostitutas lá, claro que sou logo acusado de criar uma rede de prostituição e de ser proxeneta - é tão falso como absurdo."
O político admite ainda ter sido um pouco ingénuo ao achar que a sua vida privada não se misturaria com a pública: "Eu achava que podia levar a minha vida privada como bem me apetecia, sem que isso tivesse algum impacto no exercício das minhas responsabilidades, incluindo comportamentos libertários entre adultos e com o consentimento das pessoas envolvidas. (...) Mas fui ingénuo. O que é aceitável para um empresário, um atleta ou um artista não o é para um político e nesse aspeto eu estava demasiado alheado da sociedade francesa. Enganei-me."

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras