Nas Bancas

Apaixonada e feliz, Raquel Strada assume namoro com Miguel Costa

A apresentadora voltou a encontrar o amor, junto do jogador da seleção nacional de corfebol.

Andreia Cardinali
8 de setembro de 2012, 10:00

Dona de um olhar enigmático e simultaneamente terno, Raquel Strada, de 29 anos, vive uma das fases mais tranquilas e plenas da sua vida. Terminada a relação de dez anos com o gestor João Brilha, com quem mantém uma forte amizade, a apresentadora voltou a encontrar o amor junto do jogador da seleção nacional de corfebol Miguel Costa. Foi sobre a sua carreira, a forma como se sente cada vez mais madura e também sobre esta relação, que a CARAS conversou com Raquel num final de tarde passado em Vilamoura.
– Faz televisão há oito anos e o seu trabalho é reconhecido. Sente que atingiu a estabilidade?
Raquel Strada –
Sinto que estou no caminho certo. Sinto-me estável, tenho um contrato com a SIC, que me trata muito bem e que tem sempre apoiado os meus projetos, mas acho que ainda estou a aprender e a evoluir. O meu objetivo é trabalhar em programas de day time e ter a oportunidade de trabalhar nos bastidores, como estou a fazer no Querida Júlia, em que tenho de entrevistar pessoas por telefone, arranjar histórias, etc. Tudo isso é importantíssimo para depois ser melhor apresentadora. Este trabalho de repórter de pesquisa está a ser fundamental para o meu crescimento profissional.
– Quando começou na SIC Mulher, sentiu de imediato que esse era o seu caminho?
Nunca tinha sequer pensado fazer televisão. Quando comecei no Sixteen foi por brincadeira e não era bem o que queria. Queria era escrever, algo que faço agora no Destak, e ser advogada [risos]. A vida foi-me mostrando este caminho e fui percebendo que me sentia feliz. Não acredito no destino, mas também acredito que quando a vida nos dá tanto, não vale a pena lutar contra isso. Neste momento, a comunicação faz parte da minha vida, mas esta é uma profissão instável e não dou nada por garantido. Espero continuar a fazer aquilo de que gosto, mas também gostaria de fazer qualquer coisa diferente, em paralelo... Não sei muito bem o quê e para o ano quero tratar disso.
– Como lida com a exposição pública?
Faz parte. Eu sei que enquanto figura pública tenho de partilhar um pouco da minha vida, até porque eu também gosto de saber da das outras pessoas, mas acho que há coisas que são demais.
– Ter tido o mesmo namorado desde o início da sua carreira até muito recentemente também a ajudou a estar mais protegida...
Com certeza que sim, foi uma coisa que me salvaguardou. Quando não se tem namorado acaba-se por ser um alvo mais fácil, mas também me protejo e não tenho medo de dizer se estou bem ou não. Não comento muito a minha vida pessoal, mas se me perguntarem alguma coisa, prefiro responder e dizer a verdade para não criar confusão à minha volta.
– Aproveito então para perguntar se está novamente apaixonada...
Sim, estou. Conheci uma pessoa há um tempo que considero especial e estou a ver o que dá. Não falo muito sobre isso porque está muito no início e acho que, em especial nesta fase, as coisas devem ser vividas a dois. Mas não ando escondida nem tenho problema em assumir que é verdade.
– E como é que o Miguel lida com o facto de a Raquel ser uma figura pública?
Acho que lida bem. É uma situação também nova para ele e por isso é que também não quero falar muito sobre isso. Acho que devemos proteger as pessoas que estão connosco. Tem de haver alguns cuidados, que sempre tive e vou continuar a ter, com todas as pessoas de quem gosto. Uma coisa é o meu trabalho, outra a minha vida privada, embora ache que, naturalmente, tenha de dar um pouco de mim.
– Deve ser muito positivo voltar a encontrar o amor depois de ver acabar uma relação de dez anos...
Independentemente de tudo, o João é um dos meus melhores amigos. Tomámos uma decisão em conjunto, as coisas ficaram bem resolvidas e estávamos tranquilos. Tenho um lema na vida em que não digo ‘nunca’ a nada. Ainda por cima, às vezes temos a sorte de conhecer pessoas fantásticas, como os meus amigos, o João, a pessoa com quem estou agora, que acima de tudo me respeitam e são muito bem formados. Acho que as coisas acontecem quando tem de ser. No meu caso não estava à espera, aconteceu e não tive necessidade de me proteger.
– Que fase é esta que vive?
Muito tranquila e feliz. Sinto-me mais madura e mulher e encaro a vida com outra serenidade.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras