Nas Bancas

Diogo Infante: “Estou muito feliz e quero ser o melhor pai possível”

De regresso aos palcos com o espetáculo ‘Preocupo-me, Logo Existo!’ e muito realizado com a paternidade, pois adotou um menino, o ator partilhou as emoções que pautam esta nova etapa da sua vida.

Marta Mesquita
1 de setembro de 2012, 14:00

Diogo Infante, de 45 anos, é um homem realizado com a vida que tem, pessoal e profissionalmente. Em abril, numa entrevista que deu ao jornal Expresso, o ator revelou que tinha adotado “há um ano e pouco” um menino, que se chama Filipe e tem nove anos. A par desta experiência “absolutamente reveladora”, como conta à CARAS, o ator regressa agora aos palcos com o espetáculo Preocupo-me, Logo Existo!, em cena no Cinema São Jorge, em Lisboa.
Depois de ter sido afastado da direção artística do Teatro Nacional D. Maria II, no final do ano passado, o ator e encenador garante que “é agradável poder concentrar-me agora apenas na minha condição de ator” e assegura que não sente nenhum arrependimento em relação ao passado.
Dias antes da estreia deste monólogo, conversou com a CARAS sobre esta nova etapa.
– É incontornável perguntar como é que está a viver a experiência da paternidade depois de ter adotado um menino...
Diogo Infante
– É algo absolutamente revelador. A forma como olhamos o mundo muda, as nossas prioridades alteram-se. Uma criança devolve-nos uma nova medida para a nossa própria existência e obriga-nos a repensar uma série de coisas, para depois podermos passar-lhe todos os ensinamentos que queremos. É evidente que estou feliz e a viver uma fase muito saudável da minha vida, o que também me ajuda a relativizar tudo o resto. Este nova disponibilidade que adquiri [após deixar a direção do D. Maria II, em novembro de 2011] veio na altura justa, porque estou a compensar todo o tempo que não tive para estar com ele e está a ser fantástico. Estou muito feliz e quero ser o melhor pai possível.
– Tem muitos sonhos para ele?
– Não. Tentarei fazer com ele aquilo que fizeram comigo, que é respeitá-lo. Tenho de o ajudar a moldar-se, mas percebendo quem é esta pessoa e o que quer da vida. Tentarei ajudá-lo ao máximo. Os sonhos serão os dele e eu estarei lá.
Partindo do título deste espetáculo, Preocupo-me, Logo Existo!, agora que é pai tornou-se uma pes­soa mais preo­cupada?
– As minhas inquietações não vêm de agora. Claro que o facto de ter um filho faz com que esteja com uma inquietação redobrada, porque tenho uma responsabilidade acrescida e não me posso preocupar só comigo. Mas isso não muda a minha maneira de estar no mundo. Pelo contrário, torna-me ainda mais convicto daquilo em que acredito. É fundamental sen­tir-me eu, porque ser coerente é o melhor exemplo que posso dar a alguém.
– Como está a correr a experiência de dar corpo a oito personagens diferentes neste monólogo?
– Está a ser uma aventura cansativa, mas muito divertida. É muito agradável poder concentrar-me agora apenas na minha condição de ator e ser mimado e cuidado por outras pessoas. É uma viagem divertida, mas em que se fala de assuntos sérios. É um pretexto para nos podermos rir de nós próprios, questionar alguns paradigmas das sociedades modernas e, quem sabe, podermos pensar um bocadinho naquilo que fazemos.
– Acredito que este reencontro com a sua ‘condição de ator’ pareça um recomeço…
– É sempre um recomeço. Por mais experiência que tenhamos, nunca perdemos as angústias e ansiedades, porque cada processo é novo e obriga-nos a recomeçar,  a ensaiar, a errar e a fazer figuras tristes até ganharmos alguma confiança. É um processo que já percorri muitas vezes, mas do qual nunca me canso nem me habituo, porque é sempre novo.
É fácil para si não se acomodar quando já é um ator consagrado?
– Nunca é fácil. É evidente que a experiência dá-nos instrumentos para lidar com algumas situações e poder resolvê-las. Quero sempre fazer coisas diferentes, ir mais à frente, surpreender-me. A necessidade de nos provocarmos é vital para mim. É isso que me mantém vivo enquanto artista. É a capacidade de nos deslumbrarmos, quer com a vida, quer com a arte, que nos mantém atentos e interessados. Enquanto ator e cidadão, não concebo não estar implicado do ponto de vista social e político. Estar adormecido e passar pela vida num estado de apatia não faz o meu género. Os tempos que vivemos são muito preocupantes. O que importa aqui saber é quanto nos preocupamos. Estamos suficientemente implicados para fazermos qualquer coisa ou vamos aguardar pacientemente que alguém resolva o problema por nós?
– Neste espetáculo, acaba por haver muito do Diogo cidadão…
– Absolutamente. Este espetáculo corresponde à minha vontade de falar de determinados assuntos enquanto pessoa. Não é só para entreter. Apetece-me abordar questões que são pertinentes e atuais. Este acaba por ser o meu pequeno contributo como pessoa implicada.
– Falando de outros projetos, vai agora coordenador o curso de formação de atores da ETIC. Está entusiasmado?
– Esta é a fase em que estou a desfrutar dessa ausência da responsabilidade, o que me permite estar só preocupado com a minha pequena existência enquanto ator. A coordenação do curso de formação de atores é um desafio que nunca tive e é algo que me apetece imenso fazer nesta altura. Acho que já atingi um patamar profissional que me permite partilhar com outros essa experiência. E quero fazê-lo de uma forma envolvente e estruturada.
– Esteve cinco anos como diretor artístico, primeiro do Teatro Maria Matos, depois do D. Maria II, de onde acabou por ser despedido. Gostava de voltar a repetir a experiência?
– Foram duas experiências fantásticas, que me permitiram aprender e crescer muito. Vivi intensamente cada momento, e não me arrependo de nada. Agora, estou noutra fase e sinto-me muito apaziguado com as decisões que tomei. Não gosto de alimentar rancores, porque isso consome-nos. É evidente que tenho mágoas, que sinto que fui maltratado, mas não olho para o passado. Acho que fiz um trabalho sério, digno, com qualidade e resultados muito expressivos. Portanto, não devo nada a ninguém e estou muito tranquilo. Agora vou gerindo esta nova etapa consoante a minha realidade.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras