Nas Bancas

Liberdade do assassino de John Lennon foi negada pela sétima vez

A petição realizada por Mark David Chapman foi novamente negada após 31 anos de prisão.

Redação CARAS
24 de agosto de 2012, 14:53

O pedido de liberdade condicional apresentado por Mark David Chapman, assassino de John Lennon, foi negado pela sétima vez, após 31 anos de prisão. A informação foi confirmada pelo Departamento de Liberdade Condicional de Nova Iorque esta quinta-feira, dia 23. “Apesar dos seus esforços positivos na prisão, a sua liberdade neste momento prejudicaria consideravelmente o respeito pela lei e banalizaria a trágica perda de uma vida como resultado de um crime atroz, violento, frio e calculado”, afirmou o departamento, justificando a sua decisão.
Mark David Chapman, de 57 anos, deverá agora esperar mais dois anos, até agosto de 2014, para voltar a pedir a liberdade condicional. Antes de fazer o último pedido, Chapman mostrou-se arrependido por ter assassinado John Lennon. “Não estava a pensar com clareza. Tomei uma decisão horrível quando tirei a vida a outra pessoa. Achei que me tornaria alguém famoso por matar John Lennon, mas só me tornei num assassino e os assassinos não são ninguém”, afirmou.
À semelhança do que aconteceu nos seis pedidos anteriores, a viúva de Lennon, Yoko Ono, expressou a sua oposição relativamente à liberdade de Chapman, afirmando que teme pela sua própria segurança e da sua família.
O assassino do membro dos Beatles encontra-se a cumprir pena na prisão de Wende, em Nova Iorque, para onde foi transferido no passado mês de maio.
Recorde-se que John Lennon foi assassinado com vários tiros nas costas quando saía da casa do onde residia, junto ao Central Park, em Nova Iorque, no dia 8 de dezembro de 1980. Na altura do crime, Chapman foi considerado mentalmente instável e no ano seguinte foi condenado a uma pena que oscilava entre os 20 anos e a prisão perpétua.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras