Nas Bancas

Ana Moreira: “Não me considero uma mulher frágil”

A atriz conversou com a CARAS e revelou o seu lado mais pessoal.

Marta Mesquita
2 de junho de 2012, 10:00

Ana Moreira, de 32 anos, é uma das atrizes mais requisitadas pelo cinema português e o seu talento já foi reconhecido tanto no nosso país – foi, por exemplo, a vencedora do Globo de Ouro para Melhor Atriz em 2006 – como em festivais inter­nacionais. Contudo, a atriz, que se estreou em 1997, nunca encarou o sucesso como garantido e revela que conseguir ter trabalho é uma batalha que lhe exige muito es­forço e dedicação.
Durante uma conversa intimista, Ana revelou como concilia a sua paixão pelo cinema com os sonhos que tem para a sua personagem de todos os dias.
– Estreou recentemente o filme Tabu, no qual interpreta a jovem Aurora. Foi um projeto aliciante?
– Foi uma experiência muito boa. Filmámos em Moçambique durante um mês, rodeados por montanhas e árvores gigantes. A história do filme já é uma aventura amorosa, mas toda a equipa acabou por viver a sua própria aventura.
– Este filme já foi premia­do no Festival de Cinema de Berlim e no Festival Inter­nacional de Cinema de Las Palmas. A Ana dá muita importância aos prémios?
– Não ligo a prémios. As distinções que temos lá fora parece que não têm importância no nosso país. Nunca me deixei deslumbrar com tudo o que acontece nos festivais, porque quando volto a Portugal parece que não se passou nada. Fico muito contente com o reconhecimento, mas por dentro não me sinto completamente satisfeita, porque esses prémios não têm consequências.
– Quem olha para o seu percurso facilmente a considera uma privilegiada, porque é uma das atrizes portuguesas que mais trabalham em cinema. Sente-se uma privilegiada?
– Por um lado, sinto-me privilegiada, porque há mais de dez anos que faço cinema e tenho tido a oportunidade de fazer trabalhos muito bons, não tenho pudor em assumi-lo. Por outro, é complicado, porque às vezes gostava de sentir mais reconhecimento pelo meu trabalho. Mas também não é bem disso que sinto falta, é outra coisa qualquer que nem sei explicar...
– É uma permanente insatisfeita?
– Acho que não.
– Apesar de já ter feito tele­visão e teatro, a sua carreira tem sido construída no cinema. Gostaria de trabalhar mais nos outros formatos?
– Se não faço mais televisão ou teatro é porque não sou contactada para isso. Fiz uma série para a RTP, uma novela para a TVI, mas foram coisas pontuais e não foi por eu assim o desejar. São os produtores de cinema que me chamam mais e uma pessoa faz o que pode.
– Gostava de ter uma carreira internacional?
– Não me faz sentido pensar nisso. A competição lá fora é feroz. Para investirmos numa carreira no estrangeiro temos de largar tudo o que temos cá e ir viver para lá, começar tudo de novo. E neste momento não tenho uma estrutura económica que me permita dar esse passo. E há tantas coisas que podemos fazer aqui! Temos tão bom cinema, tão boas histórias... Ir lá para fora implica fazer grandes sacrifícios e saber lidar com uma competitividade à qual não estamos habituados.
Não se considera uma pessoa competitiva? Prefere ter uma vida sem grandes desafios?
– A minha vida não tem sido muito fácil. Uma pessoa para viver só do cinema tem de lutar muito, aguentar muita coisa e ser emo­cionalmente forte. Temos de acreditar no que fazemos e quando caímos do cavalo, somos mesmo obrigados a levantar-nos e a continuar. Não me considero uma mulher frágil.
– A instabilidade que se vive no cinema tem-na obrigado a adiar alguns sonhos pessoais como ter uma família?
– Agora que já cheguei aos 32 anos, já não vivo tão bem com a instabilidade desta área. Queria ter uma certa tranquilidade de vida e não era preciso muito, mas sinto que tão cedo não vou conseguir isso. Eventualmente, [constituir família] é uma coisa em que poderia pensar num futuro não muito longínquo, mas quan­do começo a pensar nisso fico mesmo angustiada. Infelizmente, só se pode viver dia-a-dia e temo que cada vez mais seja assim. O que me faz continuar é a paixão que sinto pelo cinema. E já que investi tanto de mim, não vou desistir.

Palavras-chave

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras