Nas Bancas

José Pedro Gomes: "Sonho baixinho, para não me desiludir"

Atualmente, o ator encena a peça ‘As Mulheres não Percebem’, no Teatro Tivoli BBVA. Foi a propósito deste trabalho que José Pedro falou com a CARAS sobre os sonhos que se escondem por detrás da comédia.

Marta Mesquita
15 de maio de 2012, 19:47

José Pedro Gomes tem 60 anos e representa há mais de três décadas. É na comédia que tem construído uma carreira de sucesso e é sem falsas modéstias que assume o seu contributo para o reencontro do público com o teatro. A encenar a peça As Mulheres não Percebem, o ator garante que na vida de todos os dias a mulher, Cláudia Belchior, o ‘percebe’ muito bem e que tem um casamento feliz há 18 anos, do qual nasceu André, de 17 anos, que se veio juntar a Marta, de 38, fruto de uma anterior relação.

Foi durante uma conversa franca, com várias gargalhadas à mistura, que o ator e encenador revelou um pouco mais sobre si próprio.

– Como é que tem sido dirigir Aldo Lima, Rui Unas e André Nunes na peça As Mulheres não Percebem?

José Pedro Gomes – Tem sido ótimo. O que tenho estado a fazer é apenas passar-lhes um bocadinho da minha experiência. Há muitas peças de mulheres a falar sobre os homens, mas não há muitos textos em que os homens falem de si próprios. E faltava isso no teatro português. Tivemos um encontro com os autores, trocámos umas ideias e depois eles aparecem com um texto muito engraçado que aborda de forma muito verdadeira o mundo masculino.

– Encenar esta peça acabou também por ser uma experiência reveladora para si? Passou a conhecer-se melhor?

– Não, mas confirmei coisas que já sabia. Nem estamos à espera que as pessoas vejam o espetáculo para aprenderem alguma coisa. É mais para se divertirem. Mas tem sido interessante porque, para pormos a peça de pé, temos discutido entre nós estas coisas de homens. Confirma-se que uma grande parte dos pensamentos tem a ver com isso, mas não são todos! Depois, reconhece-se que há homens que têm dificuldade em falar sobre os seus sentimentos, porque, de alguma maneira, sentem que estão a expor as suas fragilidades.

– O segredo é vermo-nos muito pouco. Se eu e a minha mulher trabalhássemos juntos acredito que seria muito difícil. Há casais que fazem isso, mas acho que ficam sem espaço para respirar. Claro que o fundamental é haver amor e entre nós também há muito respeito, carinho e amizade.

– O público conhece o lado cómico do José Pedro. Em casa, com os seus filhos, também é o pai brincalhão que não leva as coisas muito a sério?

– Nem sempre. Contudo, agora sinto alguma dificuldade em ser um pai disciplinador, porque tenho um filho de 17 anos com um metro e 80. E nesta idade tem a ideia de que sabe tudo e é complicado fazer-lhe ver que isso não é verdade. A minha mulher é mais disciplinadora e melhor educadora do que eu.

– Estreou-se em 1976. Qual é o balanço que faz destas três décadas e meia em palco?

– Muito positivo. Faço o que gos­to, consigo viver disso e não me posso queixar. Se calhar gostaria de fazer outro ti­po de coisas que não comédia, mas é complicado, porque sei que teria muito menos público.

– Sente que já foi catalogado como ator de comédia?

– Sim, mas isso não me incomoda, tenho é pena de não ter possibilidade de fazer outro tipo de papéis. Não sou só um ator de comédia, sou ator.

– E há alguma peça que gostasse de fazer?

– Gostava muito de fazer um espetáculo de Shakespeare ou de Tchekhov. E estou à espera. Há muitos anos participei numa peça de Tchekhov e fiquei com esse gostinho. E depois gostava de fazer Shakespeare como vi feito pelos ingleses, que são peças acessíveis em que as pessoas se riem muito e não têm um prazer meramente intelectual.

– Costuma esperar que os seus sonhos se realizem ou vai à luta por aquilo que quer?

– Não desisto daquilo que quero, mas sonho baixinho, para não me desiludir com essa falta de concretização.

– Hoje há muitos mais atores a fazer comédia. Sente-se ameaçado por esta nova geração de humoristas ou acha que o seu lugar está conquistado?

– Sinto que há espaço para todos. Há uma competitividade saudável. Também há tricas, mas isso não fica para a história. Continuo a trabalhar e muitas vezes com pessoas mais novas do que eu, o que prova que ainda não estou fora de prazo. Ainda tenho muito para dar e para aprender.

– Sente que já deu um contributo relevante para a comédia em Portugal?

– Acho que contribuí para que houvesse um reencontro do público com o teatro, que estavam muito afastados. Não tive nenhuma ideia extraordinária, mas tive a vontade de chegar a um público cada vez mais vasto.

– Neste contributo que tem dado à comédia, teve um parceiro à altura, que foi António Feio. Sente que o público ainda não se esqueceu dele?

– Eu não o esqueço e há muita gente que também não. Quando vou na rua, as pessoas ainda me abordam para dizer que têm muita pena que ele tenha morrido. Eu estou constantemente a recordá-lo. Ainda nesta encenação recordei algumas coisas que eu e ele costumávamos fazer. Nos próximos anos o público não o esquecerá, porque o António foi uma pessoa muito importante para o teatro.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras