Nas Bancas

David Carreira: "Não vivo na fantasia de que tudo é bonito"

Aos 20 anos, o filho de Tony Carreira tem feito sucesso na representação e agora também na música.

Andreia Cardinali
4 de março de 2012, 17:00

Somente pelo seu apelido, David Carreira, de 20 anos, já dispensaria apresentações. Filho do cantor Tony Carreira e irmão de Mickael Carreira, também ele cantor, David estreou-se na moda aos 15 anos e começa a conquistar o mundo da representação e da música. O primeiro álbum, que batizou com o seu próprio nome, tem dado que falar, sobretudo por causa dos videoclips – que interpreta, produz e realiza –, para os quais convidou figuras como Paulo Futre e Zezé Camarinha.
– O seu sonho era ser jogador de futebol profissional, mas a vida traçou-lhe outro caminho...
David Carreira –
Sim, lesionei-me e foi quando isso aconteceu que surgiu o convite para os Morangos com Açúcar. Nunca tinha pensado em representar e as coisas foram realmente acontecendo. Da representação vou para a música, da música volto à representação e vou sempre conciliando as duas vertentes.
– Pretende continuar a conciliar as duas?
Por enquanto, sim, pois não consigo decidir qual das duas gosto mais de fazer.
– A música surgiu naturalmente ou é quase uma ‘obrigação’ familiar?
A música surgiu sobretudo devido aos Morangos. Venho de uma família de cantores, sempre gostei de música e sempre gostei de dar os meus palpites em produção, mas nunca pensei cantar... Achava que não sabia cantar, que não tinha jeito... Quando comecei a cantar, por causa da minha personagem, tomei-lhe o gosto [risos].

– Os seus videoclips têm todos uma dinâmica muito própria, com narrativa e humor. Foram inteiramente pensados por si?
Sim... É uma história que se irá desenrolar ao longo das músicas. Ainda estou a pensar como irei pegar no terceiro, mas acho que ainda vai ser melhor do que o segundo...
– Tanto o seu pai como o seu irmão são cantores românticos, o que não é o seu caso...
Nada de romantismos! [risos] É uma onda mais eletrónica, para uma camada mais jovem. Sou bastante eclético, mas há uma grande diferença entre o estilo de música de que gosto e aquilo com que me identifico a cantar.
– A par da música e dos concertos que já tem agendados, em especial no estrangeiro, está ainda a gravar a novela Destino, da TVI. Tem tempo para tudo?
Gosto muito de estar ocupado. Gosto cada vez mais de representar e gosto muito de cantar. Com um bocadinho de dedicação, tudo se faz. Este álbum surgiu numa altura em que estive parado uma semana, após o fim dos Morangos. Decidi compor para mim, fui fazendo algumas músicas e quando terminei tinha material para fazer um álbum. Não sou capaz de estar parado e gosto de agarrar todas as oportunidades... Fui também convidado para participar num filme francês, que será gravado em Lisboa, o Odisseia, e estou a gostar muito desta fase por que estou a passar.
– E o seu apelido tem sido uma rampa de lançamento para todo este sucesso?
Não faço ideia, mas julgo que não. Não penso muito nisso. Faço o que faço para me divertir e se o meu apelido fizer com que tenha de me esforçar mais, isso é, a meu ver, totalmente positivo. Quando as pessoas esperam algo de mim, acabo por ter sempre vontade de superar as expectativas.
– Não receia que atribuam o seu sucesso musical ao facto de ser filho de quem é e contar com o apoio do seu pai?
Não. Quem canta sou eu, também produzo e faço os videoclips... Não penso em nada disso, não me preocupo com coisas que não valem a pena. Se as pessoas acharem que o meu trabalho é bem feito, vão reconhecê-lo por aquilo que faço e não por ser ajudado desta ou daquela maneira. Se tenho o pai que tenho, que para mim é o melhor do mundo, tenho de aproveitar os conselhos que ele me pode dar.
– Com tanto trabalho, onde fica a parte pessoal? Há tempo para namorar?
Haver, há, mas por enquanto não tenho namorada. Há tempo para tudo, desde que se façam escolhas e sacrifícios.
– E sair de casa dos seus pais, faz parte dos planos?
Não, nem pensar. Dos três sou o mais rebelde, mais introspetivo, mas adoro estar em casa. Sou muito próximo da minha família, damo-nos todos lindamente. Somos uma família normal. Passo o dia todo a trabalhar e adoro chegar a casa e estar com os meus pais e irmãos. Quero aproveitar agora ao máximo para estar com eles, pois é muito bom. Não me vejo a separar-me deles e quero-os sempre a meu lado [risos].
– Parece-me que mantém os pés assentes na terra...
Sim, julgo que isso tem a ver com a educação. Nasci em França e não tinha as possibilidades que tenho hoje, isso fez-me ter conhecimento das duas realidades. Não vivo na fantasia de que tudo é bonito e o meu objetivo é trabalhar sempre mais e mais. Quero é continuar a sentir que estou no bom caminho.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras