Nas Bancas

Tragédia na família do fadista António Zambujo

As vítimas de Francisco Esperança – o ex-bancário que matou a família à catanada em Beja – são familiares do fadista.

Redação CARAS
15 de fevereiro de 2012, 13:55

Benvinda, de 52 anos, Cátia, de 28, e Maria, de quatro, respectivamente mulher, filha e neta de Francisco Esperança, o antigo bancário, de 60 anos, que matou a família à catanada, eram familiares do fadista António Zambujo.

Francisco Esperança matou e esquartejou a mulher, a filha e a neta e durante cerca de uma semana conviveu com os cadáveres. Nenhuma das vítimas era vista desde a passada quarta-feira, dia 8, quando o bancário reformado foi buscar a neta, Maria, à escola. E só esta segunda-feira, dia 13, quando este se barricou em casa e mais tarde foi detido pela PSP, é que o crime foi descoberto. De acordo com o Correio da Manhã, o homicida “estava sem roupa na parte superior do corpo e embriagado”, o seu discurso “não tinha qualquer coerência” e “a mulher, Benvinda, estava deitada na cama com o corpo coberto por um lençol. A filha, Cátia, e a neta, Maria, estavam abraçadas na cama da criança, cobertas por um pano”.
Para esconder o crime dos familiares e vizinhos, Francisco Esperança terá dito que as três vítimas se encontravam em Lisboa, a passear. Mas a persistência do namorado de Cátia, que suspeitava que algo pudesse ter acontecido, levou à intervenção da PSP.
Hoje surgiram novas notícias, baseadas em denúncias de amigos e familiares, que levantam suspeitas de uma relação incestuosa entre o homicida e a filha, da qual poderá ter nascido Maria. A paternidade da criança terá sido sempre um mistério e muitos colocam agora a hipótese de esta ser filha e não neta de Francisco Esperança. O Correio da Manhã adianta que Cátia estudava em Lisboa e nunca terá revelado a gravidez à família, que só soube da existência da criança depois de esta ter nascido.
O homicídio está a ser investigado pela Polícia Judiciária e o Ministério Público terá pedido testes de ADN para esclarecer todas as dúvidas relativas à paternidade de Maria. Para já, o crime continua sem explicação, embora sejam apontados como motivos o facto de Francisco Esperança alegadamente ter um cancro em fase terminal e estar endividado. A possibilidade de Cátia e o namorado estarem a planear casar-se também pode estar na origem do crime. Fonte médico-legal disse ainda à Lusa que as vítimas foram mortas “há vários dias, no máximo há uma semana” e que, segundo as autópsias, apresentavam “múltiplos golpes” no pescoço e “noutras partes do corpo”.
O funeral conjunto de Benvinda, Cátia e Maria realiza-se esta tarde, em Beja. É também esta tarde que Francisco Esperança vai ser ouvido por um juiz de instrução criminal no Tribunal de Beja. Dados os contornos do crime, mais de uma centena de pessoas reuniram-se no exterior do edifício, o que obrigou a PSP a montar um dispositivo de segurança.

António Zambujo participou no musical Amália, de Filipe La Féria, e já editou quatro discos: Guia, Outro Sentido, Por Meu Cante e O Mesmo Fado.
 

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras