Nas Bancas

Processo Casa Pia: Acórdão será divulgado a 23 de fevereiro

O advogado Ricardo Sá Fernandespediu ao tribunal da Relação que considere nula a parte condenatória relativa aos abusos sexuais atribuídos a Carlos Cruz numa casa em Elvas.

Lusa
9 de fevereiro de 2012, 23:30

"Não foi exibida qualquer prova de que Carlos Cruz conhecia as vítimas", enfatizou o advogado Ricardo Sá Fernandes, dizendo que o apresentador, que esteve preso 15 meses, foi condenado no julgamento de primeira instância devido a depoimentos "contraditórios, malévolos e fantasiosos de meia dúzia de jovens". Ricardo Sá fernandes falou ainda do sucesso profissional de Carlos Cruz antes do escândalo e das dificuldades financeiras que atravessa atualmente, estando "psicologicamente destroçado".
O julgamento do recurso do processo Casa Pia pelo Tribunal da Relação de Lisboa começou cerca das 15h00, com o presidente do coletivo, Rui Rangel, a falar sobre a metodologia da audiência e a relatora do processo, a desembargadora Guilhermina de Freitas, a fazer uma breve síntese do acórdão recorrido.

Para o defensor de Carlos Cruz, o tribunal de primeira instância, presidido por Ana Peres, analisou os factos e os depoimentos em julgamento de "forma acrítica" e "emocional", tendo-se o tribunal "colocado numa posição de um polígrafo", tentando descobrir a verdade de forma pouco racional. "Há muito mais do que a dúvida razoável", disse Ricardo Sá Fernandes, que criticou não só o coletivo de primeira instância, mas também o procurador do Ministério Público João Aibéo, por insistirem numa acusação apesar de "não ter sido encontrada uma única prova que corroborasse as imputações das vítimas".

O causídico expôs as diversas incongruências do julgamento de primeira instância e o "discurso ilógico" das alegadas vítimas que incriminaram Carlos Cruz, dando como exemplo situações ocorridas numa casa situada na Avenida das Forças Armadas, em Lisboa. Perante estas e outras vicissitudes, Ricardo Sá Fernandes pediu também ao tribunal da Relação que declare "nula" a parte condenatória relativa aos abusos sexuais atribuídos a Carlos Cruz num casa em Elvas. O advogado do apresentador de televisão voltou a dizer que "a mentira tem pernas curtas", ao expor supostas contradições nos depoimentos dos jovens sobre a data e os locais exatos em que os crimes terão ocorrido. Criticou ainda a forma vaga como alguns dos crimes foram atribuídos a Carlos Cruz, com uma "inconsistência" que não é compatível com a realidade, observando que nas "imputações destes rapazes" que acusam o apresentador "nunca há detalhes".
O acordão do recurso do processo Casa Pia, que foi hoje julgado pelo Tribunal da Relação de Lisboa, será divulgado a 23 de fevereiro, revelou o juiz presidente do coletivo, Rui Rangel.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras