Nas Bancas

Paco Bandeira com a namorada

Paco Bandeira com a namorada

Marisa de Almeida termina relação com Paco Bandeira

"O Paco é a minha grande desilusão" escreve a professora primária na sua página de Facebook.

23 de janeiro de 2012, 16:15

Marisa de Almeida e Paco Bandeira namoravam há cerca de um ano. E, mesmo depois do cantor ter sido acusado de violência doméstica contra a ex-mulher, Maria Roseta, e maus tratos contra a filha menor, Constança, de 12 anos, a professora primária saiu em sua defesa. No passado dia 10, inclusivamente, depois da segunda sessão de julgamento que decorreu no tribunal de Oeiras, em declarações à imprensa, Marisa agradeceu o facto de Paco Bandeira ter sido sempre honesto com ela em tudo o que dizia respeito ao processo e disse que iria estar a seu lado. Aliás considerou-o uma "pessoa normal. É atencioso, carinhoso e afetuoso. Ele está sempre disponível para mim e eu estarei também. Honestamente acredito na inocência dele. Se tivesse havido algum comportamento anormal em relação a mim eu poderia até ter dúvidas mas tal não aconteceu."
Hoje Marisa de Almeida já não tem, no entanto, tanta certeza. Pelo menos, a avaliar pelo que deixou escrito na sua página de Facebook, em que revela que a sua relação com o cantor terminou.
"Vou sair do grupo, mas não sem antes explicar o porquê. Nunca pensei que isto me fosse acontecer a mim, que tenho estado ao lado do Paco desde o primeiro minuto que soube deste processo e desde que muito mais coisas se disse sobre ele, quando o processo se tornou público. Nunca duvidei do Paco. Nunca o questionei sobre tudo aquilo de que era acusado. Acreditei nele. Confiei nele. Defendi-o com unhas e dentes, de corpo e alma, como todos puderam constatar. Era uma batalha que não era minha, mas passou a ser, a partir do momento em que o meu companheiro estava a ser vítima de tanta agressão. Achei injusto. Criei de imediato este grupo, recebi alguns comentários menos positivos sobre a minha participação aqui, mas continuei, porque acreditei na causa e o que me importava era a defesa do Paco. A partir do momento em que deixei de acreditar, não faz sentido continuar aqui. Eu tenho vivido única e exlusivamente para o Paco, de tal forma, que acabei por me afastar dos meus amigos. Passei a fazer parte do seu mundo: dos seus amigos, das suas filhas mais velhas, dos seus espetáculos, dos seus "statements" - que tantas vezes o ajudei com ideias, porque era assim que nós funcionávamos, éramos uma equipa. Os seus amigos/conhecidos, passaram a ser também os meus. Socialmente, sou uma pessoa extrovertida, divertida. Dava-me bem com todos e pensei que ele ficaria feliz com tal situação. Pelos vistos, não!
Na noite de sábado íamos jantar fora com mais pessoas. Digo íamos, porque assim que o Paco me viu sozinha a falar com um dos seus amigos/conhecidos (que tem uma companheira com quem vive), pensou que nós estávamos envolvidos e que tinhamos combinado aquilo tudo só para nos encontrarmos. Acabámos por não jantar. O Paco fez apenas o que ainda tinha a fazer lá no restaurante e fomos embora. Pelo caminho, tentei dender-me das acusações que me fazia, mas em vão. O Paco não me deixava falar, contudo, ele falava. Disse que estava tudo acabado, que cada um seguiria o seu caminho e que a situação já se tinha repetido noutras ocasiões, umas 3 ou 4 vezes e que me tinha tentado avisar "ao de leve"...Lamento, não ter sido suficientemente inteligente para ter percebido os seus “avisos”, de não poder falar com amigos/conhecidos do sexo masculino ou com aquele em particular. O Paco fez questão de sublinhar que não se trata de ciúme, mas sim, de humilhação!
Eu poderia ter-me remetido ao silêncio e não publicar nada disto, só que mais tarde ou mais cedo iria saber-se do final da relação e especular-se muita coisa. Para além de que aprendi com o Paco a nunca me calar perante uma injustiça e já que não me deixou falar no momento em que me acusou, falo agora.
Retirei do seu artigo “A carapuça” o seguinte excerto: “O resultado indesmentível do vosso empoladíssimo ofício, é que hoje ninguém acaricía uma criança, com medo de ser considerado pedófilo - poucos homens se arriscam a conviver naturalmente, uns com os outros, para lá do regular trato, com medo de serem considerados homossexuais ou pior - muita gente vive só, para não ser confrontada com acusações/chantagem de violência doméstica, por dá cá aquela treta;” e eu acrescento o seguinte: já uma mulher comprometida não pode conviver com amigos do sexo masculino, por medo de ser considerada uma traidora e infiel ao seu companheiro.  Pergunto-me agora: e se fosse o inverso? Se fosse eu a acusada neste processo? Será que o Paco se manteria do meu lado? Será que confiaria em mim ao ponto de nunca pôr a hipótese de todas as acusações feitas serem verdade? Não sei o que pensar, mas sei o que sinto. Sinto uma revolta muito grande por ter sido tratada desta forma, quando tanto de mim lhe dei.
O Paco é a minha grande desilusão..."

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras