Nas Bancas

Nadir Afonso homenageado no Porto

"Pergunto-me porque é que a minha pintura interessa às pessoas"

Joana Brandão
21 de janeiro de 2012, 15:00

Nadir Afonso viu a sua vida e obra revista em filme, em livro e numa exposição fotográfica, pelo realizador Jorge Campos, o escritor Agostinho Santos e a fotógrafa Olívia da Silva, respetivamente. Uma homenagem prestada pelo Teatro Nacional de São João e que contou com a presença do pintor, arquiteto e ensaísta nascido em Trás-os-Montes há 91 anos.
A viver durante o inverno em Cascais, para evitar o frio transmontano, o mestre deslocou-se ao Porto na companhia da sua terceira mulher, Laura Afonso, de 52 anos, e dos dois filhos do casal, Artur, de 29 anos, e Augusto, de 22. Na ocasião, a companheira do artista nos últimos 31 anos referiu à CARAS: “Ficámos muito satisfeitos com esta homenagem. É o reconhecimento de uma vida dedicada ao trabalho.
Autodescrevendo-se como “socialmente inadaptado”, Nadir Afonso referiu: “Tudo isto se passa num meio que não é o meu. Sou um atrasado mental nas relações sociais. Isto não faz parte das minhas competências, faz-me sentir estranho. Pergunto-me porque é que a minha pintura, que não tem nada a ver com isto, interessa às pessoas.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras