Nas Bancas

Mário Pardo voa no ponto mais alto de Portugal

Mais uma grande aventura do conhecido 'Homem Pássaro' português.

Redação CARAS
28 de dezembro de 2011, 01:13

Apaixonado pela Natureza, Mário Pardo voou até aos Açores e escolheu mais um ponto de partida. Para o 'Homem Pássaro', como já é conhecido por todos, não há limites.

O Pico é a montanha mais alta de Portugal e os seus 2.351 metros de altitude fizeram com que Mário Pardo estudasse todas as formas possíveis de chegar ao topo e sentir a pura emoção da queda livre, sobre a força magnificente de um cenário que nehuma tela consegue representar. Mário Pardo desafiou-se a saltar de uma escarpa vertical com cerca de 65 metros de altitude e sobrevoar a imponente montanha.
Pura Emoção

Os acessos até ao cume são habitualmente realizados com os guias da montanha a pé. Excecionalmente para estes saltos, a equipa teve oportunidade de subir ao cume no helicóptero da Força Aérea Portuguesa, de forma a ser possível levar todos os equipamentos necessários para a realização deste projeto.
As Condições Climatéricas

O tempo nem sempre foi um aliado nesta jornada e foram várias as tentativas de subida ao Pico. Carregar todo o material de imagem era muito pesado, pois não se trata de uma subida convencional e mesmo para a realização dos voos até ao cume eram precisas boas condições.
O Tempo de Espera

Foram cerca de oito dias de espera até ao grande dia. Os planos tinham que se refazer a cada momento e os compromissos iam sendo adiados. Inesperadamente, o sol raiou e Mário Pardo estava preparado para cumprir a missão que o levou até aquele paraíso. Em menos de meia-hora estava tudo pronto para começar a ação.
1.º Salto

O 1.º salto em queda livre a partir do helicóptero da Força Aérea aconteceu sobre a paisagem da cultura da vinha da ilha do Pico, considerada pela UNESCO como Património da Humanidade: As vinhas do Verdelho.
2.º Salto

O 2.º salto em queda livre, também a partir do helicóptero, aconteceu em direção à montanha vulcânica do Pico, onde Mário Pardo rodeou o conhecido 'Pico Pequeno' ou 'Piquinho' (um pico pronunciado no cimo da montanha) e aterrou na cratera do vulcão.
3.º Salto

O 3.º salto foi o tão esperado BASE Jump, que aconteceu na montanha do Pico, a partir de uma parede vertical, conhecida como 'quebrada', que tem aproximadamente 65 metros até ao impacto.
"No momento do salto parece que tudo pára... o mundo à volta desaparece, é demasiado intenso... é único", descreve Mário Pardo.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras