João Lima Carminho e Pablo Alborán
1
/
3
João Lima Pablo Alborán e Carminho
2
/
3
João Lima Carminho e Pablo Alborán
3
/
3

Carminho e Pablo Alborán: "Entre nós tudo se complementa"

A fadista e o cantor espanhol lideram as tabelas de ‘singles’ em Espanha e Portugal, com ‘Perdóname'.

Andreia Cardinali
25 Dezembro 2011, 14:30

Assim que as suas vozes se encontraram, Carminho, de 27 anos, e Pablo Alborán, de 22, perceberam de imediato que o seu dueto tinha tudo para dar certo. Ainda assim, dificilmente a fadista e o cantor espanhol imaginariam que Perdóname entraria de imediato para a liderança do top de singles do iTunes em Espanha e chegaria ao mesmo lugar em Portugal em poucos dias. O tema faz parte de En Acústico, CD do artista malaguenho editado no país vizinho a 14 de novembro e de imediato transformado num êxito estrondoso. E em Portugal, onde foi posto à venda uma semana depois, também já está no terceiro lugar da tabela dos mais vendidos.
Foi no Terreiro do Paço, um dos vários locais lisboetas onde gravaram o videoclip de Perdóname, que a CARAS conversou com os dois cantores. Pelo meio, Carminho foi ensinando palavras de português a Pablo e até cantaram.
Como surgiu a ideia de trabalharem juntos?
Pablo Alborán –
Conheci o disco da Carminho através da nossa editora, a EMI, e fiquei apaixonado pela voz, música e interpretação. Depois, desde pequeno que sou um amante de fado e, como estava a tratar do meu disco, surgiu a bela oportunidade de trabalhar com a Carminho. Com muito respeito, ensinei-lhe a canção, perguntei-lhe se gostava e fizemos uma adaptação em português. Foi muito fácil. Encontrámo-nos em Madrid e em meia hora fizemos a canção. Foi tudo muito espontâneo e natural.
E a Carminho, como recebeu este convite?
Carminho –
Foi uma surpresa. Estava em Espanha e até foi o presidente da editora que me disse que havia um cantor que estava a começar agora, como eu, e já com um sucesso inacreditável, que ia fazer um disco ao vivo e que gostaria que eu participasse. Quando o ouvi, fiquei muito contente por poder participar, pois apesar de ele estar numa área que não é a minha, a pop, consegue manter no seu canto e na sua forma de compor as raízes da música tradicional do seu país. No fundo, é aqui que nos identificamos mais, no respeito pelas raízes. Esse é também o meu caminho. Assim que nos conhecemos, começámos a perceber que os nossos percursos são muito semelhantes, começámos da mesma maneira e tudo o que nos tem acontecido tem sido quase paralelo, ele em Espanha e eu em Portugal. Entre nós, tudo se complementa.
Alguma vez pensaram que a canção teria tanto sucesso?
Pablo –
Na verdade, não. Era um risco, pois era a primeira vez que uma artista portuguesa entrava na rádio comercial em Espanha, e não se sabia se funcionava ou não. Mas era-me
igual, pois eu queria trabalhar com Carminho. E quando estivemos em estúdio foi muito emocionante, tanto para nós como para quem nos rodeava, até houve quem chorasse. Mas jamais pensei que seria assim e fico muito feliz e agradecido, pois conseguimos que a camada jovem espanhola sinta a música de outra maneira. Muitas pessoas perguntam-me o que é o fado e alegra-me que se emocionem com a Carminho.
Carminho – Não estava nada à espera. A música é muito bonita, identifico-me muito com ela, mas nunca pensei que fosse ter esta dimensão. Em termos de popularidade, este rapaz é um descontrolo! As pessoas gostam tanto e manifestam-se de tal maneira... O meu Facebook começou a encher-se de mensagens em espanhol, a perguntarem-me se tenho disco, a dizerem-me que gostaram da minha voz... tem sido maravilhoso. É assim que o fado se vai expandido.
A verdade é que se tornou a primeira portuguesa a alcançar o ‘top’ espanhol...
– É verdade! Estou com o Pablo, a música é dele, o sucesso é todo dele, mas é um grande orgulho fazer parte desta viagem que está a ser a carreira dele. É uma pessoa encantadora.
Percebe-se que há um grande entendimento entre ambos, que construíram uma amizade...
– Sim, hoje somos amigos.
Pablo – Há muitas coincidências entre nós, ambos tirámos o curso de Publicidade, a Carminho gostava de ter estudado Filosofia, que eu estudei, e ambos cantamos. Tem sido tudo muito casual e bonito.
Como conseguiram unir o fado com a ‘pop’?
Carminho –
A música tem as portas abertas para tudo, o que importa é que as pessoas tenham empatia musical e artística. Além disso, sinto que o facto de o Pablo ter uma tradição muito genuína para com a sua música faz com que entenda também a minha. Já fomos a casas de fado e a forma como ele reage é a de uma pessoa que entende a música.
Como lhe surgiu essa paixão pelo fado?
Pablo –
Em pequeno, ouvi um concerto da Dulce Pontes e aquela paixão com que os fadistas cantam é a mesma com que se canta o flamenco. E isso deixou-me encantado. No fado sente-se o mesmo que no flamenco, uma pessoa emociona-se e sente a alma rasgar-se. A nostalgia e a melancolia atraem-me e no fado sente-se isso. Sobretudo neste disco, que é bastante íntimo, queria que o fado estivesse presente. Trabalhar com a Carminho era a peça que faltava para completar este disco.
Poderão voltar a trabalhar juntos?
Carminho –
Julgo que sim. Ainda não sabemos muito bem, mas gostava que o Pablo visitasse a nossa cultura, de que ele gosta tanto. E ainda por cima hoje começou a aprender português [risos]! Talvez possa cantar em português.
Pablo – Gostaria muito, mas há que saber e estudar para cantar fado.
O objetivo é que este vosso trabalho seja reconhecido além das vossas fronteiras?
Carminho –
Esta música é do Pablo e faz parte do seu repertório. Ele está com uma projeção incrível em Espanha, em França e na América Latina, e eu, sempre que o acompanhar, irei onde a carreira dele o levar.
Pablo – Estou convencido de que, nos países onde o dueto for ouvido, rapidamente vão querer a Carminho.
Carminho – Estou a construir a minha carreira paralelamente a este fenómeno do Pablo, o que também me faz estar surpreendida e agradecida. O fado, agora com toda esta promoção de Património Imaterial da Humanidade, está a ser mais reconhecido, e esse é também o meu papel.

Relacionados

Comentários

ATENÇÃO:ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras

SUBSCREVA AQUI

Caras nas redes

Mais na caras

X

Sabia que o seu Internet Explorer está desatualizado?

Para usufruir da melhor experiência de navegação na nossa página web recomendamos que atualize para uma nova versão. Por favor faça a atualização aqui .