Nas Bancas

Mariana Perestrelo conta como educa os filhos

“Apesar do mimo que lhes dou, sou obcecada com rotinas, que acho fundamentais no crescimento”

Andreia Cardinali
24 de dezembro de 2011, 12:47

Na adolescência, Mariana Perestrelo, agora com 32 anos, já ‘fantasiava’ a maternidade e há cinco anos o sonho tornou-se realidade. Os dois filhos, José Filipe, de cinco anos, e Mateus, de dois, fruto da sua relação com José Filipe Rebelo Pinto, deram realmente novo significado à sua vida. Atenta a todos os passos e necessidades dos filhos, Mariana tem conseguido conciliar o papel de mãe com a exigência do seu trabalho enquanto proprietária de duas empresas, a Marie Press & Pr. Consulting e a I Wish, esta última em parceria com a atriz e sua amiga de longa data Inês Castel-Branco.
Por ter um sentido de família bastante forte que acredita já ter transmitido aos seus filhos, a empresária é uma fã incondicional do Natal, que passa com o pai, irmãos e sobrinhos.
Avessa à exposição pública, esta foi a primeira vez que Mariana abriu as portas da sua casa, situada num terreno que partilha com os pais e irmãos no Estoril.
– Tem uma vida profissional bastante agitada. Como a concilia com a maternidade?
Mariana Perestrelo – Tenho a sorte de ter algum apoio, pois tenho uma pessoa em casa que nos ajuda. O facto de ser patroa de mim própria permite-me gerir os horários e por isso consigo, de vez em quando, ir buscá-los e levá-los à escola. Tenho o cuidado de passar com eles tempo de qualidade e de jantarmos sempre juntos para que contem como foi o dia na escola.
– Essa forma de estar com os seus filhos foi instintiva?
Sempre tive um instinto maternal muito forte, pois além de ter sido tia muito cedo –  tenho um irmão com 40 e tal anos e outro com 39 –, tive ainda um irmão tardio, hoje com 13 anos. Das minhas amigas fui das primeiras a ter filhos, fiquei felicíssima quando descobri que estava grávida. Como dizia a minha mãe, no momento que tive o Zé Filipe no colo, parecia que toda a vida tinha sido mãe.
– Sempre quis, então, ser mãe...
Sempre, e sempre quis que o primeiro filho fosse um rapaz, pois julgo que a cumplicidade entre uma mãe e um filho é completamente diferente e muito forte. Eles acabam por ter um instinto de proteção que eu acho muito engraçado e que exploramos muito os três. Claro que daqui a uns anos também gostaria de ter uma menina.
– Como é a relação entre eles?
Dão-se muito bem. O Zé Filipe ajuda-me imenso e é muito atencioso com o irmão. De feitio são muito parecidos, mas o pequenino tem uma personalidade muito forte e vincada. O mais velho tem sempre a sensibilidade à flor da pele. O Mateus está sempre a dizer que o irmão é o seu herói [risos].
– E eles são parecidos com os pais ou têm personalidades muito distintas?
São muito afetuosos e dengosos como nós e com personalidades muito vincadas também. Julgo que acabamos por ser os quatro muito parecidos.
– Sendo uma mãe tão próxima deles, como consegue impor autoridade?
Apesar do muito mimo que lhes dou, sou um pouco obcecada com rotinas, pois acho que são  fundamentais na evolução e autonomia de uma criança.
– Com a família a morar praticamente na porta ao lado, não há alturas em que isso se torna invasivo?
No início é sempre mais difícil para a pessoa que está a viver connosco, mas correu muito bem. É bom, porque sei que tenho um apoio sempre que possível, mas como cada um tem a sua porta para entrar em casa, não se torna desconfortável e respeitamos muito o espaço de cada um. Hoje em dia dou imenso valor ao facto de ter a família toda aqui à volta.
– Fortaleceu o sentido de família… – Dou imenso valor à família e já estou a transmitir isso aos meus filhos. Eles adoram a família.
– Também por essa razão, o Natal há de ser uma época especial...
Sim, mas claro que ganhou mais importância desde que fui mãe. No dia 24 preparamos a chegada do Pai Natal, deixamos as bolachas e o leite. No dia seguinte acordo mais cedo para fazer umas pegadas, para manter a crença dos meus filhos, e depois vamos de pijama para casa do meu pai, que mora aqui ao lado, juntamente com os meus irmãos e sobrinhos. Só então abrimos os presentes.
Agradecemos a colaboração de Horto do Campo Grande e Zara Home

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras