Nas Bancas

Margarida Rebelo Pinto evoca o maior amor da história lusa

A escritora apresentou o seu 18.º livro, ‘Minha Querida Inês’.

Redação CARAS
7 de dezembro de 2011, 17:31

Na sua escrita, Margarida Rebelo Pinto sempre privilegiou mulheres fortes, apaixonadas e decididas. E no seu 18.º livro, que é também o seu primeiro romance histórico, a escolha recaiu igualmente sobre uma figura a quem reconhece tais características: D. Inês de Castro. Minha Querida Inês, a obra que acaba de lançar, acontece porque, como a escritora nos explicou, esta figura da História de Portugal “é para mim a maior figura romântica de sempre. Como era  contra o sistema, gostei logo dela”.
Este projeto começou a germinar em 2005, quando foi convidada por Jorge Pereira de Sampaio, diretor do Museu de Santa Clara, para que fizesse uma peça de teatro inspirada em D. Inês, e foi crescendo “até que se tornou inevitável fazer o livro”.
Depois, na fase de investigação e escrita, Margarida dedicou três anos a Minha Querida Inês, em que se concentrou nos últimos dias de vida de Inês de Castro. Na apresentação deste trabalho, que decorreu no Grémio Literário, a escritora teve à sua volta, as pessoas mais importantes da sua vida, desde a família – a mãe, o filho, os irmãos e os sobrinhos –, e vários amigos.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras