Nas Bancas

Maria João Bahia: “Ponho a minha vida familiar acima de tudo o resto”

A joalheira posou ao lado do seu filho mais novo, Martim, de 16 anos, e partilhou com a CARAS os valores que têm pautado a sua vida familiar e profissional.

Marta Mesquita
6 de dezembro de 2011, 16:40

Maria João Bahia é uma das mais conceituadas joalheiras portuguesas, tendo já assinado peças tão importantes como o relicário que o Patriarcado de Lisboa ofereceu o ano passado ao Papa Bento XVI durante a sua visita a Lisboa. Contudo, o sucesso profissional nunca deslumbrou Maria João, que afirma com plena convicção que o marido, o engenheiro António Maria de Mello, com quem está casada há 24 anos, e os filhos, Martim, de 16, João, de 21, e António, de 22, são a grande prioridade da sua vida.

Foi no Hotel Tivoli Lisboa, a apenas alguns metros da sua loja, em plena Avenida da Liberdade, que a joalheira falou com a CARAS depois de uma sessão fotográfica ao lado do seu filho mais novo.

– Como vive o Natal?

Maria João Bahia – Adoro o Natal e vivo esta época com imensa alegria, porque estamos todos juntos, com saúde, e podemos usufruir de tantos privilégios que temos. É um momento de paz, de calma e de harmonia que partilhamos e que faz bem a todos. Devíamos parar mais vezes, porque nos ajuda a perceber o que é que realmente tem valor na nossa vida, qual o nosso papel neste mundo, qual é a nossa missão e quais são os valores importantes para a nossa sociedade.

– Teve sempre essa postura perante a vida ou tem sido uma aprendizagem?

– Fui aprendendo, sem dúvida, com a experiência. Ao longo da vida mudei imenso. Todos os momentos, os bons e os menos bons, são alturas de grande aprendizagem.

– Em que é que mudou?

– Hoje, dou muito mais valor à vida, aos pequenos prazeres do dia-a-dia. Também ponho a minha vida familiar acima de tudo o resto. Claro que o trabalho também é importante, faz parte da nossa realização, porque todos nos devemos sentir úteis na sociedade. Tornei-me muito mais condescendente, calma e compreensiva. Estou mais atenta aos outros.

– Acredito que essa a atitude de estar atenta aos outros se note especialmente em sua casa. Tem uma relação particular com cada um dos seus filhos?

– Não acho que tenha uma atitude diferente com cada um. Tenho a mesma relação com todos. Sou mãe deles, mas sou igualmente a amiga cúmplice. Sinto que os meus filhos dão também muito valor à família. Gostamos de estar os cinco juntos e isso basta para sermos felizes.

– Gosta de ser a única mulher lá em casa? Sente que é mais mimada por isso?

– Não me sinto muito mimada. Eles são muito atenciosos e têm gestos que são muito agradáveis. Não tenho uma filha para ir comigo ao cabeleireiro, mas os meus filhos fazem-me muita companhia. Se tenho de ir a um evento qualquer, há sempre um que se oferece para ir comigo.

– Lida bem com o facto de ver os seus filhos ficarem cada vez mais independentes?

– Às vezes olho para trás e penso que tudo passou depressa demais. Mas sinto que aproveitei bem cada momento da vida deles e tenho feito tudo aquilo que quis com eles. Tirei partido do seu crescimento. Fico muito contente por vê-los completamente independentes e por cada um ir estudar para sítios diferentes Aliás, sou a primeira a incenti­vá-los a isso.

– Quais têm sido os segredos para manter um casamento de 24 anos feliz?

– Não há segredos para garantir o sucesso de um casamento. Temos é de lutar pelos nossos objetivos, valorizar o que é importante, não olhar só para os nossos interesses... É muito importante dar espaço aos outros. Às vezes não é preciso ir muito longe para podermos ajudar alguém, porque basta olhar para a nossa casa.  Temos de estar atentos e não deixar problemas por resolver.

– A Maria João trabalha com produtos de luxo e, como disse, tem alguns privilégios. Sente que vive numa redoma?

– Não. É um privilégio ter trabalho, saúde, família, uma casa, viver bem, tenho consciência de que isso pode ser uma redoma, mas tenho os pés bem assentes no chão e não vivo de sonhos. Tento tirar partido dos obstáculos e das circunstâncias.

– Sente que o seu trabalho tem contribuído para a inovação e excelência na área da joalharia nacional?

– Não sei e não me compete a mim falar sobre isso, o mercado fala por si. Tento ser uma boa profissional na minha área, esforço-me por aprender cada vez mais e tento ser o mais correta possível. Não tenho um trabalho de produção industrial, porque optei pelo atendimento personalizado. Identifico-me mais com essa atitude, porque gosto de conhecer as pessoas.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras