Nas Bancas

Merche Romero: "Tenho um bebé fabuloso, acho que fui abençoada"

A apresentadora foi mãe de um rapaz, António, há cinco meses, e diz que é hoje uma mulher muito feliz ao lado do filho e do companheiro, Tó Pereira.

Inês Mestre
1 de dezembro de 2011, 16:18

– Como tem vivido a experiência da maternidade?
Merche –
Com muita intensidade e alegria! Acho que nasci para ser mãe. Não tive filhos mais cedo por opção, mas sabia que tinha um instinto maternal muito apurado e isso comprovou-se. Tenho uma relação fabulosa com o meu filho.
– Qual tem sido a parte mais difícil?
– Não vejo a parte difícil. Eu tento não ver o lado negativo das coisas. Mas é difícil largá-lo, deixá-lo para ir trabalhar ou para cuidar de mim! Essa é a parte difícil, porque me apetece tê-lo sempre colado a mim! Mas a minha mãe cuida muito bem dele e isso dá-me uma grande paz interior quando tenho de sair.
– Que tipo de bebé é o António?
– É superquerido! É um bebé muito tranquilo e simpático. Dá noites maravilhosas, é o meu bebé de sonho, o que eu sempre quis ter. Estava preparada para um bebé mais agitado, mas a agitação dele é felicidade.
– É uma mãe descontraída ou stressada?
– Sou mãe-galinha, babada, feliz. Considero-me uma boa mãe e quero continuar a ser uma boa mãe, mas não stresso com nada, acho que o stresse só traz complicações. Ser mãe é muito animal, temos um instinto protetor, basta segui-lo.
– A maternidade está a corresponder às suas expectativas?
– Assustaram-me tanto que eu achava que ia ser muito difícil! Mas dou graças a Deus, porque tenho um bebé fabuloso, acho que fui abençoada. O meu filho foi uma prenda que Deus me deu, porque não foi programado. E amo-o tanto! Agora percebo a dimensão do amor que sinto. É um amor eterno, incondicional. Com os filhos vemos que temos uma capacidade extraordinária de amar e isso é muito bom.
– Sente-se hoje uma mulher diferente?
– Não mudei a minha maneira de ser, sou a brincalhona que sempre fui e vou ser sempre. Gosto muito de ter este espírito jovem e feliz. Mas olho para a vida de outra forma. A vida tem outra intensidade e significado para mim. É difícil definir o que sentimos a partir do momento em que vemos aquele ser pequenino. Sou uma pessoa de emoções fortes e de viver as coisas com intensidade. A diferença é que antes eu vivia a correr e agora vivo um dia de cada vez com muito mais força.
– Que tipo de pai é o Tó?
– Eu prefiro que seja ele a falar sobre si próprio. Mas posso dizer que é um excelente pai e isso envolve tudo. Ser um bom pai também significa ser um bom companheiro, porque nesta fase em que somos mães também precisamos de ter um bom companheiro e de carinho. Só posso dizer que o Tó é um excelente companheiro e um excelente pai. E que sou feliz por isso.
– A sua relação com ele mudou?
– Sim, mas é uma fase e temos de aprender a viver essa fase. Tem que se ter muita calma e paciência, porque às vezes é uma pressão muito grande.
– Têm tido tempo um para o outro?
– Sim, temos feito algumas saídas a dois, porque achamos que isso é importante. O Tó viaja muito, apesar de estar bastante presente, e de vez em quando fujo com ele para namorar um bocadinho.
– Gostava de ter mais filhos?
– Gostava de ter mais um, mas não faço planos. Tenho vários irmãos e sempre gostei de famílias grandes. Mas ainda é cedo, quero continuar a viver plenamente este início com o meu bebé.
 

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras