Nas Bancas

Diana Chaves: “Eu e o César temos uma família muito unida”

A menos de três meses de ser mãe de Pilar, a atriz está feliz e evita sentir-se ansiosa em relação ao parto.

Rodrigo Freixo
23 de novembro de 2011, 00:56

Grávida de pouco mais de seis meses, Diana Chaves assume que vive uma das melhores fases da sua vida. Com uma gravidez muito tranquila, a atriz começa agora a sentir-se um pouco ansiosa com o parto. A seu lado está sempre o namorado, César Peixoto, cuja experiência, pelo facto de já ser pai de um rapaz, Rodrigo, de cinco anos, tem ajudado a tornar o momento mais fácil, afirma Diana, “mas não menos especial”. Descontraída, a atriz desdramatizou ainda a possibilidade de o marido ir jogar para o estrangeiro, afirmando que o que mais quer é a sua felicidade, mas fez um largo sorriso quando lhe perguntámos se não se sentia feliz por ter César mais perto.
O novo elemento da família, cujo nascimento está previsto para o início de fevereiro, vai chamar-se Pilar.
– É inevitável começarmos esta entrevista pela sua gravidez. Como está a correr?
Diana Chaves – Tem corrido muito bem, muito tranquila. Não tenho tido muitos enjoos, nem cansaço... Ajuda não estar a trabalhar, é certo, mas tenho passado muito bem. Nem sequer senti muito os habituais desejos das grávidas.
– Mas mudou muito os seus hábitos?
– Não mudei hábitos, já os tinha muitos saudáveis. O que mais mudou foi mesmo a barriga.
– Numa entrevista anterior, confessou-me que adorava comer batatas fritas...
– [risos] Tenho que ter alguns cuidados, mas esta não é de todo a altura para fazer dietas. Como de tudo um pouco, mas com intervalos curtos e em quantidades reduzidas. Mas não me privo de nada, nem se deve fazê-lo, acho eu.
– Se assim é, como consegue essa boa forma aos seis meses de gravidez?
– Tenho tido os cuidados essenciais e necessários. Tenho uma personal trainer especializada em pré e pós-parto e sigo à risca as instruções dela. Não é nada de complicado e é muito bom para manter o exercício.
– Apesar dessa boa forma invejável, o seu corpo mudou, a barriga cresceu... Como lidou com tudo isso?
– Nunca é só a barriga... [risos] Mas é tudo normal, são coisas que já sabemos que vão acontecer e é por uma ótima causa.
– Mas tendo em conta que uma atriz também vive da imagem, não ficou preocupada com essas transformações do seu corpo?
– Não. Há coisas óbvias que mudam e como todas as mudanças é preciso tempo para nos adaptarmos. Por isso é que uma gravidez dura nove meses, dá-nos tempo para nos habituarmos a tudo.
– Preparou-se para esta gravidez de alguma forma especial, aconselhou-se com alguém?
– A minha irmã foi mãe há quatro anos, e eu acompanhei tudo de perto, e entretanto algumas amigas próximas foram mães, portanto, não estava às escuras. Além disso, informei-me, li muito, tentei aprofundar algumas questões, nomeadamente com a minha médica, mas penso que ser mãe é, acima de tudo, um processo que evolui de forma muito natural.
– E aquela ideia de que uma grávida sofre de frequentes alterações de humor?
– Sou caranguejo e já tenho mudanças drásticas de humor, por isso, não notei grande diferença [risos].
– E o César, que é quem está mais próximo, notou algumas diferenças?
– [risos] Não. Queixa-se do meu dramatismo, mas não é de agora. Estou a brincar! Não notei grande diferença e acho que ele também não.
– Qual é a sensação de ter um bebé a crescer dentro de si?
– Não dá para explicar, só  mesmo sentindo. Não sou apologista de que só a mãe é que sente, acho que o pai vive o momento com grande intensidade, mas para a mãe é, de facto, uma experiência incrível. São muitos meses de expectativa, a ansiedade cresce e com a proximidade do parto tudo fica mais intenso.
– E faltam menos de três meses. Já está a ultimar os preparativos?
– Bom, acho que desde o início que penso no momento do nascimento. Com o passar do tempo vou pensando cada vez mais, claro. Mas sou uma pessoa calma e é dessa forma que estou a viver esta gravidez.
– Começa a ficar ansiosa ou receosa com o parto?
– Sinceramente, não tenho muito medo, acho que é algo muito natural. Não sei se na altura terei medo, mas como não sou muito de antecipar as coisas, para já estou tranquila.
– O César tem acompanhado a gravidez, as consultas?
– Tem, claro. Está sempre comigo. Como disse, e o César partilha a minha opinião, a gravidez não é da mulher, é do casal, dos pais. O César vive esta gravidez tanto quanto eu.
– E ele consegue gerir o tempo, com treinos e jogos, de forma a dar-lhe toda a atenção?
– É preciso alguma ginástica, mas não é assim tão complicado.
– Foi importante ele ter ficado em Portugal...
– Para mim, o importante é ele estar feliz, em Portugal ou no outro lado do mundo. Se ele estiver feliz, eu estou feliz. O resto acaba por se conciliar sempre.
– Assume-se como uma mulher prática que se adapta às circunstâncias da vida, é isso?
– Acredito, acima de tudo, que só vivemos uma vez e as oportunidades são para ser aproveitadas. Tudo se adapta e as distâncias hoje são diferentes, é mais fácil. E depois, nada é para sempre.
– O César já foi pai uma vez. A experiência tem sido útil?
– Cada caso é um caso, mas a experiência que o César tem é uma mais-valia. E saber que ele é um pai fantástico deixa-me bastante tranquila. Tenho a certeza do que quero, sempre soube, e não tenho dúvidas em afirmar que o César é o melhor pai do mundo.
– O que é, imagino, determinante quando se decide ter um filho com alguém...
– Sim. Eu não gosto de fazer planos, mas gosto de garantir alguma estabilidade, saber que as coisas vão correr bem, e nesse aspeto estou completamente descansada e feliz.
– Como é que o Rodrigo reagiu ao saber que iria ter uma irmã?
– Muito bem, o Rodrigo sabe da gravidez desde o início e está felicíssimo, como qualquer criança que vai ter um irmão.
– O trabalho é que ficou para segundo plano nesta fase.
– Sim, parei, mas estive a gravar Laços de Sangue durante um ano seguido e foi ‘colado’ ao concurso Salve-se Quem Puder, pelo que não tinha férias há muito tempo. Mesmo que não estivesse grávida tinha que descansar um pouco depois de um ano e meio de trabalho intenso, e tudo correu bem. É uma paragem por uma causa muito boa e assim aproveito o momento com maior intensidade.
– Até quando pensa prolongar essa paragem?
– O tempo estritamente necessário, depois quero voltar ao trabalho.
– Como pensa fazer depois? Levar o bebé consigo para o estúdio, por exemplo?
– Há de ir, sim [risos]. Vou fazer a minha vida normal como qualquer pessoa, pelo que algumas vezes irá comigo, outras não poderá. Mas isso são coisas que só na altura saberei como fazer.
– Este era o elo que faltava para completar a sua relação com o César?
– Não vejo as coisas assim, mas se calhar agora é perfeito. É só uma questão de perspetiva, não nos faltava nada, mas agora que temos algo mais, é bom.
– Acentua-se o conceito de família?
– Não é que já não tivesse, porque de facto somos uma família muito unida. Sempre senti isso. Mas acredito que é a sequência natural das coisas. Tenho 30 anos, é natural que assim seja.
– E pensam continuar a aumentar a família?

– [risos] Não sei. Logo se verá.

– Até porque tem outras ambições profissionais, não é?
– Depois desta gravidez vou estar louca para voltar ao trabalho. Tenho saudades de apresentar um programa, por exemplo, mas também adorei fazer a novela Laços de Sangue. Acredito que, com a SIC, será seguramente encontrado um excelente projeto.
– E ver a novela em que participou ser nomeada para um Emmy é um momento especial?
– É um orgulho enorme, é ver o nosso trabalho reconhecido. Achámos, desde o início, que era um projeto de qualidade e é muito bom ver esse esforço recompensado com uma nomeação.
– Tudo tem acontecido no momento certo na sua carreira e na sua vida...
– Sim. Costumo dizer que não tenho pressa. Quando falha um trabalho, por exemplo, não fico triste, é porque não tinha de ser. Acredito que cada um tem o seu momento e eu vou tendo os meus, que vou aproveitando da melhor forma. Mas também trabalho muito para isso.
– Ser mãe é uma realização pessoal?
– Acho que é o sonho de qualquer mulher. Ou melhor, do ser humano. A vida muda para os dois, não é só para a mulher. As prioridades, as responsabilidades... tudo.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras