Nas Bancas

Manuel Maria Carrilho: Um homem ‘de olhos bem abertos’ para a família

O professor catedrático apresentou o seu mais recente livro, ‘De Olhos Bem Abertos’, no El Corte Inglés, e contou com o apoio da mulher, Bárbara Guimarães.

Marta Mesquita
19 de novembro de 2011, 11:49

Junto de familiares, amigos e admiradores, Manuel Maria Carrilho apresentou o seu mais recente livro, De Olhos Bem Abertos, no El Corte Inglés, em Lisboa. Esta obra é uma reunião de várias crónicas que o professor catedrático de Filosofia Contemporânea publicou na imprensa ao longo do último ano e meio. “São textos que me pareceram que tinham significado e pertinência para serem compilados neste momento. Penso que são um contributo útil para o debate que o país precisa de fazer. Esta crise nacional e internacional deixa-me preocupado como cidadão, professor e pai... É  nossa obrigação contribuir para que ultrapassemos esta crise. É a primeira vez, em 150 anos, que os jovens olham para o mundo e não têm a perspetiva de que vão viver melhor do que os seus pais”, explicou o escritor.
Tendo uma relação muito cúmplice e próxima com Bárbara Guimarães, sua mulher e mãe dos seus dois filhos mais novos, Dinis, de sete anos, e Carlota Maria, de um ano, Manuel Maria Carrilho fez questão de lhe dedicar este seu trabalho.  “Este livro é dedicado à Bárbara, evidentemente! Temos vidas muito ocupadas, mas conseguimos sempre ter tempo para tudo. A Bárbara é sempre a primeira leitora das minhas crónicas. É crítica, naturalmente, porque o interesse da leitura é mesmo ficar com outra perspetiva... É sempre importante ter a Bárbara e a família ao pé de mim.”Bárbara Guimarães retribuiu os elogios, partilhando: “Eviden­temente, vi esta dedicatória com muito orgulho! [risos] Estou sempre de olhos bem abertos para o que o meu marido faz e para o que tem escrito ao longo do tempo. São textos que devem ser lidos, porque são muito lúcidos e atuais. Às vezes, ele até é uma espécie de visionário, porque já tinha falado de coisas que agora nos estão a acontecer. Sou fã de tudo o que ele escreve, mas tenho a minha visão crítica. É um homem sério, com grandes ideias e que proporciona o debate das mesmas. É um homem inspirador.”
Apesar de o professor e escritor ser muito dedicado ao seu trabalho, Bárbara Guimarães defende que o marido é um pai muito presente e que tem a preocupação de passar a Dinis esta consciência social tão presente nas crónicas que escreve: “Somos pessoas interessadas e preocupadas. O Dinis vai descobrindo o pai, que é muito presente e tem a preocupação de o ir ensinando e ir abrindo os olhos para o mundo que o rodeia. Alerta-o e explica-lhe as coisas para que ele as entenda com os seus sete anos.” Divertida, a apresentadora do programa da SIC, Peso Pesado, acrescentou: “Nunca perdi o meu marido para a escrita. Nem perco! Ele tem sete olhos e tempo para tudo.”
Os filhos mais velhos do professor catedrático, José Maria e Maria, também marcaram presença nesta apresentação, onde deram os parabéns ao pai.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras