Nas Bancas

Filipe Homem Fonseca: “Há que criar conteúdos e formatos exportáveis”

Escreve, compõe, canta, interpreta e filma. Um criador genial à conversa com Rita Ferro.

Rita Ferro
11 de novembro de 2011, 11:22

É argumentista, realizador, músico e às vezes actor, e as pessoas rendem-se à sua criatividade vulcânica. Nasceu com o dom de imaginar produtos simultaneamente de qualidade e de sucesso e a virtude de levar até ao fim os seus projectos. Tem 36 anos e uma carreira de êxitos tão grande que seria impossível inventariá-los. Foi, entre mil coisas, autor e guionista dos mais hilariantes programas do Herman, Contra-Informação, Bocage, Conversas da Treta e Major Alvega, colaborador do suplemento O Inimigo Público e realizador premiado. O seu alter ego, Phil Stardust, tem uma banda chamada Cebola Mol, que editou cinco discos e realizou centenas de espectáculos por todo o país. Um dia, para fazer um documentário – Curiua Catu – passou mês e meio na floresta amazónica a viver no meio dos índios. Licenciado em Publicidade, frequentou cursos decisivos: Brandon Cole (Lisboa), Media Pilots (Sitges, Espanha), Story de Robert McKee (Lisboa) e o Acting 12 Week Program da New York Film Academy. É free-lancer e colabora com quem o estimular. Além de escrever, cantar, compor, interpretar e filmar, ainda arranja tempo para comer bem: é doido por empada de lebre. Recebeu-nos na discoteca Musicbox, ao Cais do Sodré, onde é anfitrião das já lendárias Poetry Slam Nights, agora chamadas Slam Lx, que se realizam mensalmente e recebem poetas de todo o mundo.
– Que bicho te mordeu em pequeno?
– Não chegou a morder. Tentou, mas eu desviei-me.
– Vives alucinadamente ou consegues ter rotinas?
– Ainda não consegui livrar-me de todas as rotinas, mas lá chegarei.
– Quantas horas dormes por noite?
– Raramente mais de cinco. A grande falha do homem é ter de dormir. Se assim não fosse, sonhávamos acordados e isto tinha tudo muito mais piada.
– Costumas dizer que o dom da ubiquidade representa ‘a nova exclusividade’ – que queres dizer com isso?
– Alguém que trabalha a recibos verdes não pode trabalhar em exclusivo com ninguém. Por isso, é bom que trabalhe com todos – todos os que valem a pena, aqueles com quem se está em sintonia. Tenho tido a sorte de colaborar directamente com algumas das pessoas que mais admiro. Aprendo com elas e elas comigo. É muito compensador e acho que essa boa onda se reflecte no nosso trabalho.
– Onde te visita a musa? No computador ou no banho?
– Visita-me no banho, mas aí raramente falamos de trabalho. Quando estou ao computador, chamo-a e, às vezes, ela vem.
– Fizeste quase tudo: cinema, animação, telefilmes e séries de TV, e abalanças-te agora a um filme de terror radical. O que terá alimentado em ti o imaginário macabro?
– Assistir, quando petiz, aos comunicados oficiais do na altura Presidente da República Ramalho Eanes. Foram experiências aterradoras. Na ordem do que penso sentirem hoje as crianças quando ouvem falar o ministro Vítor Gaspar, mesmo não percebendo tudo o que ele está a dizer.
– Fala-nos um pouco desse guião...
– É uma fábula cruel acerca dos limites do amor maternal. A minha história é sobre os extremos a que uma mãe pode chegar para proteger uma filha. Pretendo que seja também uma reflexão sobre o corpo, pelo que a evolução das personagens passará muito por transformações físicas dantescas.
– Que dificuldades experimentas sempre que te candidatas a um novo projecto?
– Tenho a sorte de ser muitas vezes convidado para projectos interessantes por pessoas que querem trabalhar comigo, e de ter sempre quem queira participar no desenvolvimento dos meus próprios projectos. Das vezes que me deparei com dificuldades na altura de candidatar um projecto meu, ou colectivo, o principal obstáculo foi a falta de visão dos decisores.
– Que portugueses te inspiraram?
– Já tive o gosto e o privilégio de trabalhar com alguns deles: Herman José, António Feio, José Pedro Gomes e Miguel Guilherme. Outros, quem sabe um dia venha ainda a fazê-lo: Miguel Esteves Cardoso, Mário Zambujal e Rogério Ceitil. Bocage, Luiz Pacheco, Diniz Machado e Roussado Pinto também constam desta lista, mas com eles será mais difícil vir um dia a colaborar, porque há aquele pequeno inconveniente de já não estarem entre nós.
– O que falha na cultura, em Portugal?
– Tudo o que não tenha a ver com foco, entusiasmo, uma aliança entre conhecimentos técnicos e objectivos artísticos, a criação de plataformas onde se dê espaço para o desenvolvimento de projectos fora da norma, e um investimento efectivo na divulgação de obras e artistas com o intuito de criar mercado em vez de apenas explorá-lo, é contraproducente a médio e longo prazo.
– E na TV?
– Faltam conteúdos de ficção com valores de produção à séria. As voltas que se tem de dar a uma narrativa por causa dos limites de produção acabam muitas vezes por prejudicar a história. Gostava de escrever uma série com o orçamento de um concurso do prime-time. O investimento poderá ser maior se o mercado destas séries não for, à partida, circunscrito ao público nacional. Há que criar conteúdos, conceitos e formatos exportáveis.
– Que título darias à nossa novela política?
– O nome perfeito já foi tomado, em 1986, pelo Sílvio de Abreu, numa novela que não vi mas sei que escreveu: Cambalacho.
– Que pensas dos reality shows?
– Conquistaram o mundo online. As redes sociais são reality shows, pessoas que expõem as suas vidas de forma voluntária, ansiando por reconhecimento e aprovação através dos comentários e dos likes do seu público.
No filme O Guardador de Rebanhos, inspirado em poemas de Alberto Caeiro, revelaste o teu lado poético: escreves ou lês poesia?
– Sim, estou agora a ler Lérias, a última obra do meu amigo Miguel Martins, provavelmente o poeta português mais visceral da actualidade. Quanto a mim, já publiquei um pequeno livro de haikai intitulado conta gotas, pela editora Tea for One.
– A um homem com tantos sonhos como tu apetece mesmo perguntar: a que projecto cultural te lançarias se tivesses dinheiro?
– Teatro. Já escrevi algumas peças e já estive envolvido na direcção artística de outras, mas gostava de fazê-lo mais vezes.
– E se alguém um dia te oferecesse um canal?
– Vou partir do princípio que não seria um canal falido, e que teria meios para proporcionar a quem lá trabalhasse as condições ideais para desenvolver os seus projectos. Convidava os meus amigos talentosos e outras pessoas que não são minhas amigas mas que também têm camadões de talento, para fazerem lá o que lhes apetecesse.
– E a música? Como apareceu na tua vida?
– Muito cedo. Lembro-me de, quando era criança, ouvir o Sinatra na rádio e de a minha avó me falar dele. Curiosamente, essa ligação com a música não se reflecte em nenhuma das minhas bandas: não se pode dizer que aquilo que fazemos seja música.
– O que jantavas hoje, se pudesses?
– Empada de lebre. E vou – temperei-a de véspera e assim que chegar a casa vou acabar de cozinhá-la. É servida?
 

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras