Nas Bancas

Duarte Lima

Duarte Lima

Paulo Jorge Figueiredo

Duarte Lima não foi o único beneficiário das transferências de Rosalina Ribeiro

Interpol já tem mandado de captura. O ex-deputado continua em parte incerta.

Redação CARAS
31 de outubro de 2011, 12:13

Duarte Lima não foi o único beneficiário das transferências de Rosalina Ribeiro após a morte de Lúcio Tomé Feteira. De acordo com o jornal i, sabe-se agora que outra pessoa beneficiou das transferências milionárias realizadas pela ex-secretária do empresário, que, no total, transferiu nove milhões de euros das contas do Tomé Feteira na Suíça. Desse montante, Duarte Lima terá recebido mais de cinco milhões. O restante dinheiro terá sido dividido em duas transferências: a primeira a 11 de março de 2001 e a outra a 24 de abril, no valor de 1,1 milhões de euros.

A denúncia das movimentações nas contas foi feita pela filha de Feteira, Olímpia Feteira de Menezes, pois a distribuição da herança do empresário não estava resolvida. Olímpia remeteu-se a dizer que o segundo beneficiário tinha sido descoberto, recusando-se a revelar a sua identidade. “São assuntos relacionados com o Brasil e que a investigação das autoridades se encarregará de apurar”, afirmou. No entanto, o advogado português é o único arguido no processo cuja queixa foi feita por Olímpia.
De acordo com a acusação brasileira, os desvios de dinheiro terão estado na origem da morte de Rosalina, uma vez que Domingos Duarte Lima ter-lhe-á pedido que assinasse uma “declaração isentando-o de qualquer responsabilidade em relação aos valores transferidos para a sua conta bancária”.


O ex-deputado foi formalmente acusado do assassinato de Rosalina Ribeiro - em dezembro de 2009, no Rio de Janeiro, Brasil - na passada quinta-feira, dia 27. A acusação do Ministério Público brasileiro sustenta que Duarte Lima “de forma livre e consciente, com vontade de matar, desferiu disparos de arma de fogo”, contra Rosalina Ribeiro, causando-lhe a morte.
Recorde-se que, durante esta semana, um juiz da cidade de Saquarema, local onde se deu o crime, decidirá se Duarte Lima ficará em prisão preventiva, uma vez que as autoridades brasileiras apontam que este “nunca colaborou com as investigações penais e apresentou subterfúgios para se furtar à aplicação da lei penal”. O advogado poderá passar por um mandado de detenção internacional acionado pela Interpol, pois não se encontra no Brasil. No entanto, se for julgado à revelia no Brasil, não será preso em Portugal.


A Interpol já tem na sua posse o mandado internacional de captura emitido pelas autoridades brasileiras. O pedido está classificado como Alerta Vermelho, mas ainda não terá sido formalmente comunicado à Justiça portuguesa.
 

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras