Nas Bancas

Jani Gabriel: Um talento que já conquistou Nova Iorque

Em setembro passado, a manequim foi trabalhar para Nova Iorque, onde desfilou para grandes marcas como a Lacoste. Sem revelar se tem namorado, Jani diz estar feliz a todos os níveis.

29 de setembro de 2011, 15:25

Aos 20 anos, Jani Gabriel é um dos nomes mais conhecidos e importantes na área da moda em Portugal, tendo sido distinguida o ano passado com o Globo de Ouro para melhor modelo feminino. Ambiciosa mas com os pés bem assentes na terra, a manequim não tem pudor em assumir que gostava de chegar ao patamar das grandes manequins internacionais, apesar de acreditar que "a época das top-models já acabou." Sem medo de partir à aventura, Jani pegou no seu talento e na sua vontade e foi trabalhar para Nova Iorque durante um mês. Na "cidade que nunca dorme", a modelo desfilou para grandes marcas e conheceu um dos seus grandes ídolos, a top-model checa Karolina Kurkova. Foi sobre as aventuras da manequim que a CARAS falou com Jani durante uma tarde passada numa praia algarvia.
- Como é que foi passar uma temporada em Nova Iorque?
Jani Gabriel - Foi duro. Nova Iorque não pára e temos sempre muitos castings. Havia alturas em que os castings se sobrepunham às provas de roupa. E ainda tínhamos os desfiles. Estando lá sozinha tive mesmo de conhecer a cidade, perceber como funcionava... Estive lá durante um mês, fiz desfiles e fui uma das dez new faces nomeadas a nível internacional na Fashion Week.
- Como foi trabalhar com manequins reconhecidas internacionalmente?
- É uma coisa do outro mundo. Trabalhar em Nova Iorque foi das experiências mais marcantes que já vivi. Conhecer a Karolina Kurkova e receber conselhos dela, que é uma das manequins que mais admiro, foi muito importante. De repente, ali estou eu a falar com uma top-model.
- Que conselhos é que ela lhe deu?
- Disse-me que o início é sempre muito difícil, temos de ser persistentes. Fomos ao cabeleireiro e ela explicou-me como foi o seu percurso. Eles lá valorizam muito a abertura dos manequins para mudarem de imagem. E ela disse-me que esses sacrifícios depois podem compensar. Além disso, falou-me da importância de saber ouvir um não.
- Gostava de chegar ao patamar das top-models?
- Gostava de lá chegar, mas a época das top-models já acabou. Por isso, quero é dar sempre o meu máximo.
- O mundo da moda tem-na ajudado, ou forçado, a crescer mais depressa?
- Sem dúvida! Se não trabalhasse nesta área e se não tivesse viajado aos 14 anos para Paris e agora para Nova Iorque, não seria a pessoa que sou hoje. Tenho aprendido muito, sobretudo a estar sozinha e ao mesmo tempo a conviver com pessoas muito diferentes.
- No verão passado não tinha namorado. Entretanto,  apaixonou-se?
- Posso dizer que estou a viver uma fase muito feliz a todos os níveis. Estou tranquila e realizada.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras