Nas Bancas

Cândida Pinto

Cândida Pinto

Paulo Jorge Figueiredo

Cândida Pinto recorda momentos de perigo que viveu em Tripoli

No lançamento do livro "Eu Mileurista me Confesso", a jornalista falou-nos do momento em que fazia um direto para a SIC e foi surpreendida por um tiroteio.

Redação CARAS
23 de setembro de 2011, 18:32

Regressada de Tripoli, na Líbia, onde fez a cobertura das revoltas contra Khadafi e enfrentou alguns momentos de perigo - estalou um tiroteio quando fazia um direto para a SIC -, Cândida Pinto garante que não são estes sustos que a farão deixar o chamado jornalismo de guerra "Não ando a correr atrás de incidentes destes, mas não é algo que me faça parar", contou-nos a jornalista, que encontrámos no lançamento do livro Eu Mileurista me Confesso, da amiga Filipa Guimarães. "Não estávamos nada à espera. Havia tiroteio na cidade, mas mais de celebração do que outra coisa qualquer e quando chegámos ao hotel estava tudo calmíssimo. À uma da tarde avançámos, calmamente, para fazer os diretos e fomos mesmo surpreendidos. Estava sempre à espera que acabasse, mas acabou por demorar um bocado demais [risos]." Sabendo que família e amigos estariam a acompanhar tudo em direto, Cândida Pinto preocupou-se em tranquilizá-los: "Telefonei logo a seguir à família a dizer que estava tudo bem."
O grande problema em Tripoli foi a existência de atiradores furtivos, como nos explicou, o que obrigou a equipa a cuidados extra: "Sempre que circulávamos pela cidade usávamos o equipamento. Sabíamos quais eram as zonas de guerra, mas quanto aos snipers... é sempre difícil saber onde estão."

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras