Nas Bancas

Rui Esteves: "Falta-me entender Mahler e Pessoa"

Programador cultural, produtor, realizador, tradutor, crítico, a este homem de vasta erudição e muitos prémios devemos a excelência e o prestígio da RTP2.

Joana Carreira
18 de setembro de 2011, 10:25

É a quem devemos, só e mais nada, a excelência de um serviço público de televisão durante 21 anos consecutivos, na RTP2, e o prestígio que este canal adquiriu no país e no estrangeiro, de forma irreversível. Quem não se lembra, por exemplo, dos Artes & Letras dedicados às figuras de maior relevo das artes, da sociedade e da política, graças aos quais ficámos a conhecer todos os grandes vultos do século XX? Quem esqueceu as lendárias transmissões de peças, concertos e bailados que contemplavam todos os que não tinham possibilidades de os apreciar de outro modo? Num mundo de memória curta, como o nosso, convém não deslembrar os que, pouco vocacionados para o mediatismo e para o estrelato, nos asseguraram décadas de qualidade redentora e resistência estóica à ameaça do lixo televisivo que haveria de se instalar para sempre na nossa TV, a reboque da poluição americana. Tudo isto tem um nome e uma assinatura: Rui Esteves.Nascido no Porto, Rui Esteves faz os estudos primários em Angola, frequenta o Helderberg College (Cape Town, África do Sul) e tira o Curso do Instituto de Alta Cultura, em Lisboa. Diplomado pelo Place Rotham (Londres), em Música e Drama, e licenciado em Linguística e Literaturas Ocidentais pela Rupin University (Israel), é admitido na RTP em 1979, como produtor executivo, para, logo em 1981, ficar responsável pelo departamento de Música e Eruditos.

Rita Ferro e Rui Esteves
Rita Ferro e Rui Esteves
João Lima
Em 1990 passa a dirigir o Departamento de Artes e Documentais, assumindo estas funções até final de 2002. Foi crítico no
Jornal de Letras
e colaborador do
Expresso
. É detentor de inúmeros prémios internacionais, incluindo um Emmy pela sua produção criativa em
September Songs
, com
Teresa Stratas
,
Lou Reed
e
Elvis Costello
. Foi membro de vários júris internacionais e eleito três vezes presidente do júri do Prix Itália. Foi distinguido com o Hoechestkunstpreis da cidade de Berlim, bem como o Grand Prix da Ópera de Lyon, em 1997. É co-fundador do Conselho Português da Música. Em 1994, estreia-se como realizador, e, com o documentário sobre o compositor
Vasco Martins
(
Danças de Câncer
), ganha o Prémio do Festival de Valladolid e a nomeação para os Globos de Ouro da CARAS e da SIC. Em 2006, realiza para a RTP2
O Ouro do Reno
e, em 2008,
Todi: A Segunda Morte de Luísa Aguiar
. Em 2010, completa o documentário
O Crepúsculo dos Deuses
. Como se não bastasse, foi administrador do Teatro Nacional de São Carlos e ainda hoje a casa lhe faz justiça. É tradutor de várias obras literárias, colaborador regular do São Carlos e, recentemente, do Centro de Arte Moderna.Privou com
Maria Callas
, entre outras vedetas de que também nos falou. Recebeu-nos na sua magnífica casa das Amoreiras, onde, aqui e ali, se podem ver provas do seu talento oculto: a pintura.

Rita Ferro e Rui Esteves
Rita Ferro e Rui Esteves
João Lima
- Comece por nos falar da Callas. Onde a conheceu? Qual a memória mais forte que guarda dela?

Rui Esteves -
Conheci-a em Paris, no Outono de 1968. Bati à porta e a empregada pediu-me para esperar no patamar. Encharcado e com um modesto ramo de rosas, esperei sem convicção. Mas acabei por ser recebido e falar com ela quase uma hora. Falámos do São Carlos e da Primavera que fazia quando cá cantou, em 1958. A memória mais presente, mesmo quando ouço a sua voz no apogeu, é a de um par de olhos negros, enormes e tristíssimos como os de um pássaro sem canto e sem amor.


- A televisão está hoje muito diferente: algumas comparações inevitáveis?

- Pertenci a uma forma de estar e de trabalhar numa televisão que já não existe. Durante três anos, o Canal 2 foi eleito pela BBC World o primeiro canal cultural europeu. Éramos respeitados pelas cadeias estrangeiras congéneres. Não estamos a falar de cultura pura e dura, pois essa pode ser chata e inútil. Variedades, concursos ou futebol podem tornar-se grandes veículos culturais se tiverem oportunidade e bom gosto. Éramos uma equipa coesa, "comandada" pelo único director de programas a quem presto total homenagem:
José Eduardo Moniz
. Homem de visão, rigor e entusiasmo contagiantes. '
Après Moniz, le déluge'
: só directores de programas politizados, jornalistas arrogantes e alfabetizados com cuspo, sem educação ou gosto. Em 2002, assinei a rescisão e parti sem azedumes ou conflitos interiores. Quando, anos mais tarde, regressei à RTP, a convite do realizador independente
Fernando Ávila
, deparei-me com uma espécie de central nuclear desactivada, sem criativos, e habitada por uma multidão que parecia ter saído dos gavetões de um cemitério para ir trabalhar nessa profissão assassina mas fascinante que é a televisão.


- Conheceu gente lendária, sobretudo no mundo das Artes. Quem, além da Callas, lhe ficou na memória. E porquê?

- Trabalhei com todo o tipo de pessoas e, curiosamente, as que pensavam ser génios foram as que mais dores de cabeça me deram. Lembro-me de uma noite, num pequeno restaurante nos arredores de Cardiff, estar a jantar com
Joan Sutherland
,
Alfredo Kraus
,
Rita Gorr
,
Marylin Horne
,
Nicolai Gedda
e
Renata Tebaldi
. Feitas as contas, e ressalvando uma ou outra ausência, estava cercado pela nata do canto lírico da segunda metade do século XX. E como é que essa gente verdadeiramente "lendária" se portou? Entre copos e gargalhadas, riram-se perdidamente dos seus maiores fracassos. E quando
Paul Tortelier
, depois de tocar à porta fechada uma suite para violoncelo de
Bach
, veio ter comigo e me perguntou se eu queria que repetisse? Ou quando
Gore Vidal
, após uma brilhante entrevista, me confidenciou que só dissera banalidades? E o canto e eloquência de
Teresa Stratas
, a Salomé do século XX, que, soube há dias, é agora freira clarissa em clausura? Esses, sim, são os génios...

Rui Esteves
Rui Esteves
João Lima
- O que o motivou ser realizador de documentários? Que dificuldades e alegrias sentiu?

- Tive um mestre na RTP chamado
Oliveira e Costa
, um genuíno esteta. A RTP deve-lhe muitíssimo, mas hoje ninguém o recorda. Trabalhámos anos a fio, e um dia disse-me que deveria tentar a realização. Respondi-lhe que não me sentia motivado, mas intimamente não me sabia pronto. Até que parti para a China e realizei dois documentários; caloiro na matéria, tive a ajuda silenciosa de
Jorge Meireles
, um grande
cameraman
! Repetimos mais tarde a proeza com
Danças de Câncer
; porém, a maior alegria foi ter a coragem de mostrar as
Danças
a Oliveira e Costa, que me felicitou, comovido. Seguiram-se outros, e a última aventura - sim, porque é sempre uma aventura - foi
Todi
, com
Laura Soveral
, com belíssima imagem de
Albano Espírito Santo
e texto sublime de
Maria João Seixas
.


- É uma relação de poder?

- Será antes uma relação de aceitação. Longe vão os tempos dos artífices medievais que esperavam apenas a aceitação de Deus. Hoje criamos à espera da aprovação do outro, que nos é tangível ou mesmo distante. E se nos baterem palmas, tanto melhor!


- Quais as suas referências no cinema? Realizadores e actores?

- Realizadores:
Rossellini
,
De Sica
e
Visconti
a qualquer hora do dia;
Cuckor
a filmar mulheres e
Scorsese
a filmar homens;
Almodóvar
é uma aquisição tardia. Actores:
Brando
,
Johnny Depp
. Actrizes:
Meryl Streep
e quase todas as saxónicas.


- Que filme faria?

- Gostaria de divagar, mas, sinceramente, nenhum. Falta-me o engenho e a arte.


- Que documentário está por fazer, sobre figuras portuguesas?

- Hoje o documental preferido pelos encomendadores tem que lidar com um certo esquerdismo já estafado, com uma miséria e marginalidade que pouco mais têm a acrescentar. E, enquanto produto final, dificilmente encontrará lugar nas estantes da memória futura. Mesmo assim, propus recentemente um documentário sobre a passagem por Lisboa de judeus ilustres durante a Segunda Guerra Mundial. De
Alma Mahler
, de
Franz Werfel
- que
Thomas Mann
dizia ser o maior escritor alemão de sempre -, de
Heinrich Mann
, de
Stephan Zweig
e de tanta outra gente. A banda sonora seria
Quarteto para o Fim dos Tempos
, obra maior de
Messiaen
composta num campo de concentração e gravada por músicos portugueses. Olharam para mim e ficaram de pensar. Até hoje.

Rui Esteves
Rui Esteves
João Lima
- Tinha com São Carlos um amor recíproco. Gostaria de voltar?

- Tinha e terei. Antes da RTP, foi a minha primeira casa. Entrei pela porta da Serpa Pinto quando tinha 17 anos. Ali estudei, fui assistente de cena, co-fundador de uma revista, vogal durante cinco anos e produtor para televisão nacional e estrangeira de mais de 30 óperas. Regressei a S. Carlos pela mão de
Paula Vilafanha
, desta vez como colaborador nos programas de sala. É naquela casa que tenho o orgulho de conviver com alguns dos meus amigos mais indefectíveis. Só que aquela casa centenária tem sido sistematicamente mutilada pelo poder político. Quem vai para lá mandar, usa-a como trampolim para melhores cargos futuros e dirige-a sem conhecimento, com desamor, desrespeita e deita à rua carreiras de gente talentosíssima. Só recentemente
Paolo Pinamonti
, com o seu profundo conhecimento de "teatro de ópera", soube trazer a São Carlos o lustro perdido, porém, acabou maltratado pela intriga política e pela pacovice nacional.


- Que lhe falta fazer?

- Hoje dou-me ao luxo de não precisar de trabalhar para viver, mas sim para sobreviver como entidade que gosta de pensar e agir, que tem de dar um propósito ao seu duche matinal. Falta-me compreender de uma vez por todas a teologia de
Moby Dick
, o cripto-judaísmo de
Dom Quixote
, nadar com golfinhos, convencer alguém de S. Carlos, da RTP ou da SEC a editar em DVD
O Anel do Nibelungo
, visitar Santiago de Compostela, fazer uma derradeira tentativa para entender
Mahler
e
Pessoa
, convencer uma amiga querida de que
Senso
, de Visconti, é obra-prima, coragem para escrever uma ficção e, sobretudo, para voltar a olhar para um certo sexto andar na Piazza Navona. Falta-me tudo! Como dizem hoje os políticos a torto e a direito,
"está tudo em cima da mesa".
..


- Para quando uma exposição de pintura?

- Voltamos ao filme que nunca farei. Quanto mais olho os mestres, mais me considero um
sunday painter
. Fico-me pela pintureca que ofereço aos amigos e todos ficamos felizes...

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras