Nas Bancas

Ricardo Carriço: "Chegar aos 47 e dizer que já fiz tudo, não! Não sou capaz de ficar quieto"

Naturalmente confortável na sessão fotográfica, o ator e ex-manequim confessou ter um enorme prazer em trabalhar em televisão, apesar da sua paixão pelo teatro.

Joana Carreira
17 de setembro de 2011, 18:31

Foi na véspera de completar 47 anos que a CARAS reencontrou o ator Ricardo Carriço. A braços com o projeto social do Espaço-Teatro Confluência, em Cascais, o ator abriu o coração e fez o balanço sobre a vida profissional e pessoal.

- O Ricardo já trabalhou em diversas áreas, mas sente-se um carinho especial quando fala neste espaço. Este é o projeto da sua vida?
Ricardo Carriço - É um bocadinho o projeto da minha vida, é um facto. Foi um projeto pelo qual me apaixonei, estou aqui por amor. Visto a camisola! Todas as pessoas trabalham em regime de voluntariado, é muito bonito. Trabalhamos para que, no futuro, este seja um espaço aberto a todos, que possa ser transversal e onde se abarquem vários tipos de expressões artísticas: desde a música e da pintura ao teatro e à dança.

Ricardo Carriço
Ricardo Carriço
Nuno Miguel Sousa
- O seu trabalho aqui passa muito pela encenação. Gosta dessa vertente?

- Eu gosto da relação que construo enquanto encenador. Acho que consigo estabelecer laços. O nosso livro de estudos são os outros e isso é muito engraçado. Perceber o caminho que uma pessoa tem que fazer para chegar a um ponto e ajudar essa pessoa a chegar até lá é verdadeiramente fascinante.


- Já encontrou aqui verdadeiros talentos? Gente que poderá vingar no meio artístico nacional?

- Temos tido aqui grandes surpresas! O
Ruy de Carvalho
, presidente da mesa da Confluência, disse um dia que estava estupefacto. Há umas quantas pessoas daqui que eu sinto que, se um dia tiverem a oportunidade certa, vão brilhar.


- A sua mais recente participação na televisão foi na novela da SIC, Laços de Sangue. Como correu esse projeto?

- Eu fico muito feliz a fazer televisão. Fiquei muito contente com o convite para este trabalho. A equipa que a produtora SP escolheu em parceria com a SIC era ótima. O que encontrei foram pessoas com o mesmo espírito e a 'vestir a camisola'. Todos na mesma direção e disponíveis, e isso é muito bom.


Ricardo Carriço
Ricardo Carriço
Nuno Miguel Sousa
- O que sente ao ver talentos como, por exemplo, o da jovem atriz Joana Santos?

- Fico feliz por ver que em Portugal há gente com muito talento. Fico pouco feliz é quando vejo que há gente que tem talento mas que depois fica cheia dela própria. Obviamente que não estou a falar da Joana! Quando um ator quer crescer deve ser humilde, acima de tudo, e generoso naquilo que faz. Eu acho que há muito pouca gente com essas características. Ninguém sabe tudo, e muito menos um ator.


- Gostou de encarnar a personagem do cozinheiro Jaime?

- No início, o Jaime Vilar pareceu-me muito igual a mim, sobretudo porque gosto mesmo muito de cozinhar! Mas depois arranjei um ponto de distância do personagem noutros comportamentos. Sermos tão parecidos seria muito assustador [risos]!


Ricardo Carriço
Ricardo Carriço
Nuno Miguel Sousa
- E ao nível pessoal? O que sente ao chegar perto dos 50?

- Acho que estou no caminho certo. Aprendi imenso e quero continuar a aprender mais. Chegar aos 47 anos ou perto dos 50 e dizer que já fiz tudo, não! Não sou capaz de ficar quieto, não é meu feitio, não sou de ficar encostado. Sou um
workaholic
. Quando um projeto acaba, tenho necessidade de arranjar outro logo de seguida. E a Confluência dá-me isso. Posso dizer que estou a trabalhar na área que me preenche e que me realiza. É muito bom aos 47 anos dizer que estou a fazer aquilo que eu gosto verdadeiramente.


- O Ricardo já foi casado. É uma experiência que não pretende repetir?

- As experiências que as pessoas têm acontecem quando têm que acontecer. Não faço planos, deixo que as coisas rolem. Eu gosto de ver o que é que a vida tem reservado para mim [risos]! Acho que o casamento vem da necessidade que temos de partilhar a nossa vida com alguém, e eu neste momento partilho a minha vida diariamente com 30 pessoas, portanto, acho que não tenho tempo para ter mais ninguém na minha vida, não faz sentido. Não tenho tempo para constituir família. Já a tenho, é esta. As famílias não se escolhem, encontram-se. Eu encontrei a minha e preenche-me na totalidade.


- Tem aqui muitos amigos...

- Tenho muitos e bons amigos. Eles são meus irmãos, meus alunos e meus professores. São meus filhos.


Ricardo Carriço
Ricardo Carriço
Nuno Miguel Sousa
- Acha que os seus alunos o veem como um mestre?

- Às vezes os meus alunos pensam: "Ah, é o Ricardo Carriço", mas depois veem-me em cima de um escadote a pendurar uma cortina ou agarrar num balde com uma esfregona e limpar o chão e percebem imediatamente que sou uma pessoa normal.


- Mas nunca teve vontade de experimentar a paternidade?

- Sim, já tive vontade de ser pai, mas hoje em dia sinto-me completo. Acho que há coisas que não se procuram na vida e quanto mais as procuramos, pior. Deixo que a vida mostre aquilo que tem reservado para mim.


- É feliz?

- Sinto-me feliz, muito!


- Que projetos profissionais tem na manga?

- Já fui convidado pela produtora SP para um novo projeto na área da ficção televisiva, mas não estou autorizado a falar muito mais, terá que esperar! [risos]

E aqui na Confluência voltaremos brevemente a repor a peça
O Amor Intemporal
.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras