Nas Bancas

Ana Guiomar: "Um compromisso para toda a vida é assustador" (vídeo)

Aos 23 anos, Ana diz que a televisão lhe tem ensinado muito e explica que a experiência no teatro, com a peça 'Purga', tem feito com que se sinta mais completa e realizada enquanto atriz.

7 de setembro de 2011, 15:09

À primeira vista, Ana Guiomar, de 23 anos, é como qualquer jovem mulher, com as características e desejos típicos da sua idade. Mas depois, a forma tranquila com que encara a vida e as certezas daquilo que quer, demonstram uma maturidade atípica. A viver há dois anos e meio com Diogo Valsassina, de 24 anos, co-apresentador do Curto Circuito, com quem namora há cinco, a atriz tem nas palavras a certeza de quem sabe o que quer e, por isso, garante que planos de casamento e de maternidade não fazem para já parte da vida do casal.
Foi sobre o seu percurso profissional e pessoal e a forma como concilia na perfeição a representação com a vida a dois, que a CARAS conversou com Ana Guiomar.


- Sempre quis ser atriz?
Ana Guiomar-
Não, nunca tinha pensado nisso. Tudo começou em 2002 com um casting que fiz por graça para a série Uma Aventura, mas não fiquei por não ter formação, visto que isso era obrigatório. Depois disso, inscrevi-me nuns workshops de representação, fiz o casting para os Morangos com Açúcar e fiquei.
- E desde então nunca mais parou...
- Graças a Deus. Tem corrido muito bem e acho que o desempenho, a dedicação e a melhoria a cada projeto, assim como as personagens que me têm dado ajudam a que assim seja.
- Mudando um pouco de assunto. Há já alguns anos que vive uma relação estável junto do Diogo, referindo até em entrevistas anteriores que é a pessoa com quem quer passar o resto dos seus dias...
- Não disse isso [risos]. Disse que enquanto durar é bom, mas não sei se é a pessoa com quem quero passar o resto dos meus dias. Não sei se vai durar mais um mês, três meses, quatro anos, vinte anos, mas enquanto durar é muito bom. Temos, acima de tudo, uma relação de amizade e respeito.
- E depois, também compreendem bastante bem o trabalho um do outro...
- Sim, mas também nunca tive um relacionamento com uma pessoa, como tenho com o Diogo, que fosse fora do meio. Mas claro que ele, sendo figura pública, e tendo também já feito algum trabalho de representação, compreende melhor.
- E há algum tipo de ciúmes entre vocês devido ao trabalho?
- Não, nada, e por isso é que acho que também funciona tão bem.
- Casarem-se e ter filhos faz parte dos vossos planos?
- Claro que quero ter filhos, mas ainda sou nova e acho que é legítimo fazerem-me essa pergunta daqui a dez anos. Quanto a casar-me, ainda não senti necessidade. Um compromisso para toda a vida é assustador. Quero é viajar e fazer personagens giras e divertir-me. Somos muito novos.
- E o Diogo é da mesma opinião?
- Se falarem ao Diogo em casar e ter filhos, ele foge a correr e vai a nado até às Berlengas [risos].
- São, então, muito parecidos?
- Sim. Eu sou um bocadinho mais romântica, mas tenho-o educado para isso [risos].
- Já estão juntos há algum tempo e têm conseguido equilibrar o lado público com o pessoal...
- Como casal, temos de nos dar ao respeito e se fizéssemos tudo juntos provavelmente estaríamos a abrir uma porta futura... Somos um casal absolutamente normal e nada mediático. Não precisamos de estar sempre em casal. É importante apoiarmo-nos mutuamente, mas não andamos sempre atrás um do outro.
- Percebe-se que tem objetivos bastante concretos...
- Sim, quero trabalhar, viajar e investir na minha realização pessoal. Ter trabalho é muito bom para o meu ego e acho que se estiver bem nessa área é muito mais fácil sentir-me feliz nas restantes.
- Mas também aposta na vertente pessoal...
- Sim, tenho uma família muito estável e que me apoia em tudo. Quando falo em família incluo, naturalmente, o Diogo e a família dele, até porque já somos uma só família. A responsabilidade das pessoas também vem muito da estabilidade familiar.
- Além das gravações da novela Laços de Sangue, está ainda em cena com a peça Purga. Há tempo para programas a dois?
- Sim, arranja-se sempre tempo. Na novela não gravo muito, o que é ótimo, depois a personagem que faço é a de uma miúda que só quer viver o dia-a-dia e isso diverte-me muito, é uma lufada de ar fresco sempre que vou gravar. Com o teatro, durante os ensaios foi mais esgotante, mas agora que estreei está tudo bem.
- Esta é a sua primeira experiência em teatro. É uma nova paixão?
- Não sou daquelas atrizes que acham que as novelas são um trabalho menor, mas estou a gostar muito do teatro.
- E agora, ser atriz é aquilo que vai querer fazer para sempre?
- Sim, agora posso dizer que sim, porque me sinto completa.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras