Nas Bancas

Ana Leal com Letícia

Ana Leal com Letícia

Victor Freitas

Ana Leal decidiu que Letícia, jovem que acolheu durante 13 anos, deveria sair de casa e seguir a sua vida

Apesar de não especificar as razões, a jornalista afirma, através de um comunicado, que a convivência com Letícia se tornou insustentável.

Redação CARAS
2 de setembro de 2011, 12:19

Ana Leal conheceuPatrícia e Letícia em 1998, quando as duas irmãs viviam na Santa Casa daMisericórdia de Reguengos de Monsaraz. Tornou-se família de acolhimento dasjovens e, anos mais tarde, em 2007, pediu a guarda das duas. Aos18 anos, Patrícia decidiu sair de casa.
Desde então, seguiram-se tempos complicados com Letícia, que, agora, por opçãode Ana Leal, também saiu de casa.
A jornalista enviou-nos um comunicado sobre o assunto que transcrevemos naíntegra:

"Conhecia Patrícia e a Letícia em 1998 durante as filmagens de uma reportagem sobrecrianças vítimas de maus tratos. Seguiram-se 9 anos em que, como família deacolhimento, tudo fiz para lhes proporcionar um futuro melhor.

 

O que me moveufoi tão somente acreditar que seria possível dar-lhes a família que nuncativeram, embora tenham mãe biológica, tias e avós. Viviam na Santa Casa daMisericórdia de Reguengos de Monsaraz.

 

Nessa altura,como qualquer mulher, sonhava em ter filhos biológicos e sabia, com a Graça deDeus, que os podia ter. Mesmo assim, segui em frente com o projecto em queacreditei. Dei-lhes mais tarde um irmão, o meu filho Afonso, hoje com seteanos.

 

Em 2007,decidi pedir a guarda da Patrícia e da Letícia, já que a adopção não erapossível. Fiz o que ninguém iria fazer por elas. A Patrícia tinha 17 anos e aLetícia 13 anos. Nesse ano vieram viver comigo para Cascais. Tinha acabado deme divorciar e recomecei sózinha, com os três, uma nova fase da minha vida, semnunca questionar a opção que fizera e sem nunca lhes ter dado a entender queaqueles eram momentos muito difíceis do ponto de vista pessoal.

 

Pouco tempodepois, por opção própria e sem aviso, a Patrícia decidiu sair de casa,abandonando uma família que a amava e aqui incluo também os meus 5 irmãos, osmeus pais e sobrinhas que sempre a trataram como sendo família de sangue.

 

Seguiram-seanos muito complicados com a Letícia. Procurei várias vezes a ajuda dostribunais, Segurança Social, Comissão de Protecção de Menores e psicólogos. Ainsustentabilidade da situação levou-me a comunicar à Letícia, agora maior deidade, que teria de começar a percorrer a sua própria estrada, sem que talsignificasse um corte com a família e, obviamente, contando com o meu apoio nonatural processo que se seguiría. Repito, tal não implicaría um corte com afamília.

 

Não vourelatar as situações graves que aconteceram e que fariam, ano após ano,qualquer pessoa desistir. Eu não desisti, mesmo quando todos me aconselhavam afazê-lo. Está tudo comprovado em tribunal e admitido pela própria Leticia. Nãofalarei sobre isso porque não quero expôr a Letícia, o meu filho Afonso e aminha família. O meu silêncio é a melhor forma de os proteger.

 

Sei que deitudo de mim e independentemente da amargura que a ingratidão sempre deixa,desejo-lhe as maiores felicidades. Procurarei guardar apenas as boasrecordações com a tranquilidade de consciência de alguém que se entregou dealma e coração ao bem estar de duas crianças que me comoveram e a quem quisajudar a encontrar um rumo na vida. É pensando nelas e no meu filho Afonso de 7anos, que apelo a todos os colegas e meios de comunicação social a tratar esteassunto com a reserva que o bom senso aconselha.

 

Caso venham aser excedidos estes limites, reservo-me o direito de recorrer a todas as viaslegais ao meu dispôr, para defesa do meu bom nome e da minha família."

 

Ana Leal

Palavras-chave

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras