Nas Bancas

Miguel Câncio Martins: Um homem feliz a nível pessoal e profissional

Casado com Marie Charlotte Guichet desde o ano passado, o arquiteto de interiores é um homem realizado a todos os níveis. É junto da filha, Shanna, que passa parte do seu tempo livre.

Joana Carreira
30 de agosto de 2011, 15:33
Miguel Câncio Martins
, de 46 anos, é português, mas é mais reconhecido no estrangeiro. O seu nome é incontornável na arquitetura de interiores a nível internacional, pois é responsável pela decoração de alguns dos espaços públicos mais famosos e mais
in
do mundo, caso do Buddha Bar, em Paris.

A morar há vários anos na capital francesa, o arquiteto teve a possibilidade, através do seu trabalho, de conhecer as mais diversas pessoas e, por isso, o seu círculo de amizades inclui personalidades de todo o mundo, desde príncipes a alguns dos
designers
mais conhecidos, de
top-models
internacionais a atores de Hollywood.

Casado com
Marie Charlotte Guichet
, responsável pelas relações institucionais da cadeia de televisão francesa TF1, e pai de
Shanna
, de 13 anos, fruto de uma anterior relação, o arquiteto esteve no Algarve para a inauguração de um espaço que decorou, o Sete Deck Lounge, propriedade de
Luís Figo
e
Paulo China
, e conversou com a CARAS sobre o seu sucesso profissional e pessoal.


- Diz-se que namorou com Naomi Campbell...

Miguel Câncio Martins -
Infelizmente, não namorei com a Naomi [risos]. É muito minha amiga e não tivemos história nenhuma a dois, embora pudéssemos ter tido, pois passávamos muito tempo juntos.


- Entretanto, casou-se o ano passado. Como está a ser a vida a dois?

-
Muito boa, não mudou grande coisa, pois como já vivíamos juntos há quatro anos, já nos sentíamos casados. O casamento foi uma forma de partilharmos com os amigos aquilo que sentíamos. Foi cá em Portugal e ainda hoje os estrangeiros falam disso.


- Este foi o seu primeiro casamento. Decidiu casar-se porque acredita que encontrou a mulher certa?

-
Queria casar-me somente uma vez e a Marie foi a pessoa que encontrei e que achei ser a mulher da minha vida. Ela tem ascendência de Marselha e da Córsega e, por isso, é uma mulher de temperamento forte [risos]. É também um grande apoio, sinto que me saiu a sorte grande.

Miguel Câncio Martins
Miguel Câncio Martins
João Lima
- Como é que a conheceu?

-
Conhecíamos as mesmas pessoas, frequentávamos os mesmos lugares e cruzámo-nos várias vezes sem nos apercebermos. Uma vez, através de um dos melhores amigos dela, conhecemo-nos, e duas semanas depois eu recebi a Ordem do Mérito em França, das mãos do ministro dos Negócios Estrangeiros, com o qual ela trabalhava. Foi um encontro casual e muito engraçado, que deu alguma seriedade à minha pessoa [risos].


- Como é enquanto marido? Atencioso, preocupado?

-
Acho que é importante manter em permanência a chama da paixão acesa, embora cada um também tenha de ter o seu jardim privado. Casais muito ciumentos, possessivos, que vivam só em função um do outro, não me agradam. Realmente tenho muita sorte, pois eu e a minha mulher somos muito independentes, ela tem uma vida hiperativa. Às vezes até está mais ocupada do que eu [risos]!


- Com o tipo de trabalho que tem, que o obriga a viajar muito, tem de ter a seu lado alguém que entenda muito bem a sua profissão...

-
Exatamente, mas ela já trabalhou no Ministério dos Negócios Estrangeiros e, como tal, também viajava muito, sabe como é. E quando não me acompanha, entende que a minha vida tem de ser assim.


- É pai de uma rapariga de 13 anos. Como está a lidar com a adolescência?

-
Ela vive no Mónaco com a mãe, mas passa muito tempo comigo. Está a entrar na fase em que temos de medir um pouco as nossas forças e como sou um bocadinho mais forte, acabo por ganhar [risos]. Até aqui fui o 'papá cool', como ela diz, agora tenho de ser um pouco mais duro. Espero que daqui a uns anos ela perceba que houve uma fase em que tive de ser mais ríspido.

Miguel Câncio Martins
Miguel Câncio Martins
João Lima
- Parece ser um pai presente, apesar de trabalhar muito e viajar constantemente...

-
A minha filha e a minha mulher são as minhas prioridades, passam à frente de tudo e para elas arranjo sempre tempo.


- Mas não é um "workaholic"?

-
Sou, mas levanto-me as 6h da manhã para depois conseguir arranjar um bocadinho de tempo para a minha vida pessoal. Desde que a minha filha era pequenina que vamos de férias juntos, ela acompanha-me às obras todas e viaja muito comigo. Aí aproveitamos para passear, visitar museus, e gosto muito que ela me acompanhe.


- Ser pai novamente faz parte dos planos?

-
Andamos a estudar o assunto [risos]. Gostava muito de ter mais dois filhos, de preferência duas meninas. Adoro estar rodeado de mulheres [risos].


- Quando descobriu a sua paixão pela arquitetura?

-
Desde pequeno que desenhava casas, cidades... O meu pai é arquiteto e vivi sempre nesse mundo. Agora ele reformou-se e está a trabalhar comigo.


- E trabalham bem juntos ou por vezes a relação que vos une atrapalha?

-
Claro que quando se está descontente é muito mais difícil dizê-lo a um pai do que a um colaborador. Não se ralha com o pai [risos]! Às vezes é complicado gerir isso e separar o lado profissional do familiar, mas temos conseguido.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras