Nas Bancas

Filipe La Féria: Um homem que dá o melhor de si aos palcos

Com uma carreira de quase cinco décadas, La Féria é uma figura incontornável no teatro português. E apesar de estar numa assumida fase de retrospetiva, ainda tem sonhos por realizar.

Joana Carreira
21 de agosto de 2011, 10:27
Filipe La Féria
é um homem de lutas e de sonhos. Entregou toda a sua vida à cultura e o contributo que tem dado ao teatro português é reconhecido tanto pelos seus pares como pelo público. Com
A Flor do Cacto
em cartaz, o encenador já está a preparar
O Melhor de La Féria
, um espetáculo que faz uma retrospetiva daquilo que já levou até aos palcos.Numa conversa intimista com a CARAS, La Féria falou de assuntos como as suas conquistas, as desilusões, a saúde e o seu lado mais pessoal.

Filipe La Féria
Filipe La Féria
Mike Sergeant
- 'A Flor do Cacto' vem acrescentar o quê à sua carreira?

Filipe La Féria
- É uma peça diferente das que tenho feito. É uma comédia, que é o género mais difícil de ser feito. Está a correr muito bem, temos tido casa cheia, e o público vai ao delírio com os atores. É o riso total e feliz, que nos faz falta nesta época em que estamos todos mais depressivos. Adaptei esta comédia para a nossa sociedade. Temos acrescentado ao texto muitas das coisas que vamos sabendo no dia-a-dia.


- Sentiu a necessidade de fazer algo diferente dos musicais, que é o género que mais tem encenado nos últimos anos?

- Já fiz muitos géneros, desde o teatro clássico, ao contemporâneo, ao de vanguarda... Gosto muito do teatro musical e houve um fenómeno com os meus espetáculos. A seguir a esta comédia, espero fazer a
Evita
, que é uma ópera
rock
. E o próximo espetáculo que vou levar até ao Casino Estoril já está praticamente escrito. Depois de
Fado -
História de um Povo
, vou fazer
O Melhor de La Féria
, que, no fundo, é a minha vida. São todas as grandes cenas que já fiz e as que gostava de ter feito. O público vai ser surpreendido, não só com o recordar de algumas cenas da
Maldita Cocaína
,
Jesus Cristo Superstar
, como com cenas de algumas peças que nunca fiz.


- Falando agora do palco da vida real, o que é que tem sido o melhor da vida de La Féria?

- O melhor da minha vida tem sido o concretizar dos sonhos. Há sonhos possíveis e impossíveis. Há sonhos que não concretizei... Agora estou com um grande problema com o Olímpia... Quis modificá-lo, mas devido a esta crise e a outras contingências tenho medo de não conseguir transformá-lo noutro teatro e numa escola de atores.


- Foi publicado que as empresas Bastidores e Todos ao Palco, que estavam associadas a si, entraram em insolvência...

- Eu trabalho para empresas, que são como as pessoas: nascem, vivem e morrem. E o seu fim teve a ver com a minha retirada do Porto. Tentei fazer lá grandes espetáculos, mas foi impossível, porque o norte sofre mais com a crise e as pessoas não vão tanto ao teatro.


- Com 'O Melhor de La Féria' pode-se dizer que entra numa fase de balanço?

- Gostava de continuar por muitos anos, mas ninguém é eterno. Já sou um homem de meia-idade e começo a olhar para a vida de outra maneira. O tempo passa. Damos tudo por uma peça, mas o pano acaba por cair.

Filipe La Féria
Filipe La Féria
Mike Sergeant
- A peça da sua vida tem sido uma encenação feliz?

- Há momentos muito felizes, há grandes lutas... Vivemos num país em que é muito difícil fazer teatro. A cultura foi sempre um parente pobre. É raro ouvir um político falar de cultura. Nunca tive subsídios e a pátria para mim, mais do que mãe, foi madrasta. A minha força tem sido o público, que nunca me abandonou, mas compreendo que agora seja mais difícil trazer as pessoas ao teatro... Eu vendo bilhetes, não vendo pão, e tenho essa consciência.


- Mas sonhos não lhe faltam...

- Isso não! Mas não sei se vou conseguir recuperar o Olímpia! De dia para dia as coisas tornam-se mais difíceis. Vivemos numa época em que temos de dar as mãos uns aos outros para levarmos isto para a frente. É o momento de acreditarmos mais em nós próprios. Mais do que em Portugal, acredito nos portugueses e nas gerações mais jovens. Os mais novos são cidadãos do mundo, o que é um enorme avanço.


- Para um lutador e um impulsionador da cultura, como é lidar com os fracassos?

- Já falhei muitas vezes! Tento sempre lutar e esgotar todas as possibilidades e só depois disso é que desisto. Arrisquei tudo o que tinha e o que não tinha, a minha saúde, o meu pouco dinheiro. Foi uma dádiva total. Dei tudo a esta arte pela qual me apaixonei.


- Falou agora da sua saúde. Como é que se sente?

- Temos de viver de acordo com as nossas possibilidades físicas... O ano passado foi muito difícil, porque tive de ser operado aos olhos várias vezes. Agora estou muito melhor. Sou um lutador, temos de lutar para superar as nossas fraquezas e fragilidades. Este ano não vou ser operado. As coisas agora estão equilibradas.

Filipe La Féria
Filipe La Féria
Mike Sergeant
- Entretanto, a sua filha, Catarina, casou-se. Como viveu esse momento tão importante na vida dela?

- Foi um grande momento de felicidade. A vida dá-nos coisas inesquecíveis! Ela tem a sua vida e não gosta que eu fale dela... Eu também não gosto muito de falar da minha vida privada...


- E, de alguma maneira, o teatro é que tem sido a sua vida privada...

- O teatro é a minha única vida, a privada e a pública... Até fico com a sensação de que trabalho mais do que as 24 horas por dia!


- Não sente que o Filipe privado se perde um bocadinho no La Féria público?

- O Filipe realiza-se no La Féria. Não tenho nada daquelas frustrações dos artistas que dizem que se dedicaram tanto ao trabalho que se esqueceram de si próprios. Eu não me esqueci de mim próprio, mas o que eu amo é a minha profissão. Gosto muito de trabalhar e acho que sou um bom trabalhador. Gosto de fazer coisas difíceis e tenho de estar sempre envolvido em novos desafios. Nunca fiz as coisas sozinho e tenho pessoas maravilhosas a trabalhar comigo.


- O Filipe é descrito como alguém muito exigente com as pessoas que trabalham consigo, podendo algumas vezes ser um encenador duro. Continua assim ou a idade tem-no mudado?

- Acho que é uma fusão entre as duas atitudes. Por um lado, a idade dá-nos compreensão e sabedoria, mas, por outro, queremos ser perfeitos. A perfeição é muito difícil e só com muita exigência conseguimos fazer bem as coisas. Antes, tínhamos de ir a Londres para ver grandes musicais. Agora, é o público de lá que vem ver os nossos espetáculos e diz que são melhores. E para conseguirmos isso temos de trabalhar muito.


- Não sente necessidade de parar um bocadinho, de tirar umas férias para pensar em outras coisas que não o teatro?

- Só sou La Féria de nome. Já não tenho férias há muitos anos. Nestes últimos verões tenho apresentado espetáculos em Portimão, mas este ano também não vamos para o Algarve, por causa da contenção. Para o turismo não haveria melhor cartão de visita que
Fado - História de um Povo
... Mas às vezes há sonhos impossíveis!

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras