Nas Bancas

Luísa Cruz confidencia: "Felizmente, sou uma pessoa insegura"

A atriz, distinguida com o Globo de Ouro na categoria de Teatro, falou da sua personagem fora dos palcos.

Joana Carreira
23 de julho de 2011, 10:31
Luísa Cruz
, de 49 anos, assume que gosta de ser uma pessoa diferente, que se distingue pelo que faz. Não é por snobismo, mas pela necessidade categórica que sente de ser criativa e não fazer
"duas vezes a mesma coisa."
Descreve-se como
workaholic
, mais por necessidade do que por prazer, pois tem medo de vir a arrepender-se daquilo que não fez. Atriz, mulher e mãe de
Maria
, de 15 anos, Luísa convive bem com as suas inseguranças. Aliás, a perfeição, para si, é uma procura
"sem graça nenhuma"
.

Durante uma tarde passada no Tivoli Palácio de Seteais, a atriz, galardoada pela segunda vez com o Globo de Ouro para Melhor Atriz de Teatro, deixou-nos entrar no seu mundo interior e revelou a mulher que deixa do lado de fora dos palcos.



Luísa Cruz
Luísa Cruz
João Lima
- O sucesso e o reconhecimento, como a atribuição dos Globos de Ouro, são um peso, uma responsabilidade acrescida ou, de alguma maneira, são um alívio, uma segurança?

Luísa Cruz
- Não sinto como peso, mas também não sinto como alívio. Trabalho exatamente da mesma maneira. O que os prémios me dão é reconhecimento e é muito bom sermos amados e queridos pelos outros. Sentimos que não é em vão que trabalhamos tanto, que deixamos a família... Não trabalho para o reconhecimento, mas ele vem porque trabalho desta maneira. O palco é o sítio onde o ator está mais escondido de si próprio, porque temos sempre a desculpa da personagem. Mas, ao mesmo tempo, esta profissão também exige um trabalho pessoal muito grande, uma espécie de meditação, um encontro connosco mesmos para depois poder partilhar, que é uma ótima oportunidade para sermos felizes.


- E que Luísa é que tem encontrado no meio desse trabalho mais interior que faz?

- O que posso dizer em relação a isso é que posso ser muito mais do que aquilo que sou, a todos os níveis. Sou exigente, tento ser criativa. Vivo bem com as rotinas, mas não gosto de fazer duas vezes a mesma coisa.


- É uma pessoa irreverente, que gosta de ser original?

- Eu quero inovar e para isso é preciso ousar-se e fazer diferente. Podemos criar muitas coisas, mas se não for diferente não é interessante. O que é interessante é aquilo de que temos mais medo, que é o desconhecido.

Luísa Cruz
Luísa Cruz
João Lima
- Na sua vida pessoal também tem essa atitude de não fazer tudo como mandam as regras?

- Na minha vida pessoal sou mais conservadora. Não ouso tanto.


- E que tipo de mãe é?

- Comigo e com a minha filha vive a minha sobrinha, somos só mulheres. Assim, a Maria tem uma pessoa que em termos de idade está entre ela e eu. E é ótimo para fazer de ponte. Eu, como mãe, acho que sou muito democrática. Hoje em dia, as mulheres divorciadas, como é o meu caso, têm de ser mães, pais, polícias, excelentes profissionais, giras, sem celulite, sempre bem dispostas e maravilhosas. E se não formos isso todos os dias é mesmo um problema... A mim falta-me a autoridade, porque sou muito democrática. Às vezes é doloroso, porque tenho de fazer esse papel de polícia e de pai, que é uma chatice mas que tem de ser feito.


- Que relação que tem com o trabalho? É uma workaholic?

- Às vezes tenho de ser, mas faço-o contrariada. Mas penso que se não fizer determinado trabalho agora, posso nunca mais o fazer. Arrependo-me mais daquilo que não faço do que daquilo que faço e, portanto, vou fazendo.


- E quando faz uma pausa sabe desfrutar dela ou fica sempre a pensar no que poderia estar a fazer?

- Não, eu sei parar e desfruto disso. Não tenho medo dos tempos mortos, porque vivo muito o meu lado pessoal. Adoro a minha vida familiar, sou um bicho de casa. Não me veem em festas. É muito difícil sair. E por vezes é difícil estar com muitas pessoas. É uma questão de insegurança da minha parte.

Luísa Cruz
Luísa Cruz
João Lima
- É uma pessoa insegura?

- Felizmente, sou uma pessoa insegura! São as nossas inseguranças que nos fazem avançar. Senão, éramos perfeitos e não tinha graça nenhuma!


- É uma adepta da filosofia de vida oriental. Como é que surgiu esse interesse?

- Desde os 14 anos que tenho contacto com o macrobiótico, vegetarianismo, acupuntura, com medicinas alternativas... Isso fez-me pensar o estilo de vida que temos no ocidente e penso que temos muito a ganhar com as medicinas orientais e com os ensinamentos milenares que nos propõem. Quando tenho tempo, gosto de meditar e fiz um curso de
shiatsu
e reflexologia... Digamos que tenho outra carteira profissional.


- Gostava de um dia poder dedicar-se totalmente a estas práticas orientais?

- Gostava. Não me fazia confusão nenhuma mudar completamente de vida.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras