Nas Bancas

Fernando Póvoas rendido ao neto: "Ser avô é uma experiência divina e mágica"

O médico nutricionista recebeu-nos em sua casa na Maia, ao lado da mulher, Ana Maria. Orgulhoso com o nascimento do primeiro neto, Diogo, Fernando Póvoas contou como tem vivido esta experiência.

Joana Carreira
5 de junho de 2011, 15:30

O ano ainda vai a meio e Fernando Póvoas já faz um balanço extremamente positivo de 2011. Profissionalmente bem sucedido, o médico nutricionista vive há dois meses a felicidade de ser avô. Rendido aos encantos de Diogo, o primeiro filho de Ana Cristina Póvoas e Pedro Costa, o vice-presidente do Futebol Clube do Porto conta que lhe vêm as lágrimas aos olhos quando pega no neto ao colo. A viver uma fase mais tranquila, se comparada com a época em que tinha as filhas pequenas, Fernando Póvoas sente que a vida lhe está a dar uma oportunidade de recuperar o tempo que não teve para Ana Cristina e Ana Rita. A juntar a essa alegria, há o facto de o neto ser um rapaz, o primeiro na família Póvoas.
Conversador e bem humorado, não poupa elogios à mulher, Ana Maria, com quem partilha a vida há 39 anos. Felizes e cúmplices, receberam-nos na espaçosa casa que têm na Maia, onde, sempre que podem, reúnem os amigos.

Fernando e Ana Maria Póvoas
Fernando e Ana Maria Póvoas
Joaquim Norte de Sousa

- O seu primeiro neto nasceu há dois meses. Como tem vivido esta experiência?

- Se antes do nascimento do Diogo estava ansioso, agora que ele está cá fora sinto-me pleno de felicidade. Ao longo destes dois meses percebi que ser avô é uma experiência divina e mágica. Quando ouvia os outros avós dizerem-me coisas do género sobre os netos, achava que era um exagero, mas dou por mim a fazer o mesmo. Tenho imensas fotografias no telemóvel e sempre que me perguntam pelo Diogo, mostro-as, tal como os meus pacientes me faziam. Além disto, sinto que o tempo que me faltou como pai me vai sobrar como avô. A vida está a dar-me essa compensação, a possibilidade de aperfeiçoar alguma coisa que me tenha escapado como pai.


-
Mas ser avô é diferente de ser pai. Costuma dizer-se que os avós não educam...

-
Já tirei o curso de como deseducar um neto [risos]. Aliás, passei com distinção, portanto, não contem comigo para ajudar a educar. O meu papel é outro.


-
Concorda que o amor de avô é diferente do amor de pai?

-
O amor que sinto pelas minhas filhas é incalculável, mas pelo Diogo é diferente. Veem-me as lágrimas aos olhos com facilidade quando pego nele...


-
Tem finalmente um rapaz na família!

- Essa é a maior compensação! Estava em falta um homem na família e a minha filha deu-me esse presente. Com o nascimento do meu neto, eu e a Ana Cristina ficámos ainda mais próximos.

Ana Maria e Fernando Póvoas
Ana Maria e Fernando Póvoas
Joaquim Norte de Sousa

-
É importante para a Ana Cristina e para o Pedro terem o apoio dos pais nesta fase...

- Nós e os pais do Pedro, que são um casal excelente, 'lutamos' para ver quem consegue ficar mais vezes com o Diogo.


-
O nascimento do Diogo mudou as vossas rotinas?

- É incrível, mas a verdade é que toda a família faz a sua vida em função do Diogo, que tem apenas dois meses. Os nossos horários são feitos em função dele e quando está cá em casa fazemos fila para pegar nele.


- É médico há 32 anos e um dos mais procurados por quem quer emagrecer. Entre os pacientes que trata estão muitas figuras públicas que assumem que estão nas suas mãos... Há alguma diferença no tratamento destas pacientes?

- É exatamente igual. Tenho muitos médicos nas clínicas do Porto e de Lisboa, e todos os pacientes, figuras públicas ou não, são tratados com o mesmo carinho e respeito. Mas há diferença entre os homens e as mulheres. As mulheres querem sempre mais do que necessitam. A sociedade é muito punitiva com as mulheres e a ditadura de beleza perseguidora. A imagem é extremamente importante nos dias de hoje, para tudo.


-
Em casa, não tem grandes preocupações: a sua mulher e as suas filhas estão em forma...

-
Elas cuidam-se mais que eu, mas fazem-no por iniciativa própria. Nunca precisei de lhes dizer nada.
Fernando e Ana Maria Póvoas
Fernando e Ana Maria Póvoas
Joaquim Norte de Sousa

-
Começou a pensar mais no futuro após o nascimento do seu neto?

- Sou otimista por natureza e acredito que, assim, a vida se torna mais fácil. Tenho uma visão positiva da vida e considero que tenho tido sorte. Tenho uma família estável e a minha mulher é a minha retaguarda. A vida corre-me bem porque tenho uma mulher forte. As minhas filhas são um doce e não me dão problemas. Os profissionais que trabalham comigo dão-me muita segurança e só posso agradecer, porque são inexcedíveis. Tenho tido sorte e não a tenho desperdiçado.


-
A Ana está sempre presente na sua vida...

- Estamos casados há 31 anos e namorámos oito anos. Tínhamos 17 anos quando nos conhecemos e criámos uma vida em comum. A Ana adivinha o que estou a pensar e tem a capacidade de perceber o que quero dizer mesmo antes de eu falar... estraga-me as piadas todas. Encontrar a nossa outra metade não é fácil e nos dias de hoje ainda menos. É preciso muita cedência de ambas as partes e respeito pelas opções de cada um. A Ana é o grande pilar desta família e teve um papel muito importante quando as nossas filhas nasceram, porque eu estava no início da minha carreira e fui um pai ausente. Jamais irei recuperar esse tempo que não tive para as minhas filhas. Mas agora vou ter tempo para o Diogo e para os outros netos que se sigam.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras