Nas Bancas

Ao lado de Gerry, Kate McCann conta como é a vida sem Maddie

"Sabemos que há casamentos que não sobrevivem a este tipo de experiências e o nosso sobreviveu." (Kate McCann)

Joana Carreira
1 de junho de 2011, 10:19

A 3 de Maio de 2007, Madeleine McCann, com quase quatro anos, desapareceu na Praia da Luz, no Algarve. Depois de meses de investigações inconclusivas, Kate e Gerry McCann continuam empenhados em encontrar a filha, que defendem ter sido raptada. O casal inglês que criou o Fundo de Madeleine - Não Deixar Nenhuma Pedra por Revirar acredita que a filha está viva e é com uma esperança renovada que vê a reavaliação do processo, agora com a colaboração da polícia inglesa.
Foi a propósito da promoção do livro Madeleine, no qual Kate conta todos os factos que envolvem o desaparecimento da filha e como é que têm vivido desde então, que a CARAS falou com o cardiologista e a antiga médica anestesista.

- A Kate escreveu este livro para contar a verdade sobre o desaparecimento de Madeleine e os vossos esforços para a encontrarem. Qual é, então, a vossa verdade?
Kate McCann - Sempre quis escrever a verdade, dizer o que aconteceu. Claro que é sempre difícil partilhar todos os detalhes privados com as outras pessoas, mas fazemo-lo para nos ajudar financeiramente nas diligências para procurar Madeleine. Espero que as pessoas que têm dúvidas de que ela continua viva leiam o livro. Não vamos desistir da nossa filha.

- Ainda acreditam que Madeleine poderá ser encontrada. É uma esperança emocional ou também racional?
- São as duas. No meu coração acredito que ela está viva e a minha razão também me diz isso. Há boas hipóteses de a encontrarmos e sabemos que há crianças que aparecem anos depois de terem sido raptadas. Portanto, não é apenas um pensamento esperançoso. Acreditamos que a Madeleine poderá ser encontrada.

Gerry e Kate McCann
Gerry e Kate McCann
Natacha Brigham

- Seria melhor saberem alguma coisa sobre ela, mesmo que fosse a confirmação de que morreu, ou preferem não receber essa notícia e continuarem sem saber nada?

Gerry McCann
- Nós queremos saber. Continuar a viver assim não é bom.

Kate
- Não saber nada é muito difícil. Pensamos constantemente nisso. De uma maneira ou de outra, queremos saber.


- Como é que é a vossa rotina com os vossos filhos gémeos, Sean e Amelie, agora com seis anos? Tentam ter uma vida normal?

- Obviamente que não é a vida normal que tínhamos antes. É um novo normal. Estes meses têm sido muito atarefados, porque tenho estado mais ocupada com o livro. O Gerry continua a trabalhar no hospital e estamos empenhados na campanha para encontrar a nossa filha. As crianças estão a tempo inteiro na escola, têm as festas de aniversário, as aulas de natação e estão com outras crianças. Tivemos de nos adaptar.

Gerry
- Uma pessoa que esteja de fora vê-nos como uma família normal, com as rotinas iguais às de tantas outras famílias. É quando as crianças estão na escola ou já a dormir que temos as reuniões e apoio familiar. A Madeleine continua desaparecida e isso é algo que está sempre presente.

Kate
- Não estamos completos sem ela. A sua ausência é sempre palpável.


- Os vossos filhos entendem o que aconteceu à irmã?

- Tivemos aconselhamento infantil e sabemos que sempre que eles fazem perguntas, temos de tentar responder dentro dos possíveis. Eles sabem que a irmã está desaparecida e que não está correto alguém levar uma pessoa que não lhe pertence. Mas as crianças são muito resistentes. Ficam tristes, mas não choram.

Gerry
- Eles sabem o que aconteceu, querem encontrar os culpados e salvá-la. Eles tornam as coisas muito práticas - a Madeleine está desaparecida, temos de encontrá-la e descobrir quem são os culpados.


- Voltar à sua vida profissional está fora de questão?

Kate
- Tenho estado tão ocupada nos últimos quatro anos que o meu trabalho tem sido empenhar-me na campanha e nas investigações para encontrarmos a Madeleine. Não sei se vou voltar ao meu trabalho... Não é que não queira voltar a trabalhar, mas talvez não volte ao meio hospital e me dedique a um trabalho com crianças desaparecidas.


- Como é que estão a encarar a reavaliação do caso, desta vez com a colaboração da polícia inglesa?

Gerry
- Já era um desejo que tínhamos há dois anos e meio. É um grande processo. A polícia inglesa tem muita experiência nestes casos e reavaliar o processo vai ajudar na procura de Madeleine.

Kate
- Estamos a reunir toda a informação, rever os factos, explorar mais algumas pistas e acreditamos que aumente as hipóteses de a encontrarmos.

Gerry e Kate McCann
Gerry e Kate McCann
Natacha Brigham

- No livro, Kate conta como a força do seu marido tem sido um pilar. O Gerry tem sido mesmo uma pessoa forte ou é apenas uma aparência?

Gerry
- A Kate também é forte, mas é impossível descrever aquilo pelo que temos passado. Estamos muito desgastados e aquilo que se vê publicamente não é muitas vezes aquilo que se passa no nosso coração. Pensámos que a nossa vida tinha acabado e que a nossa família tinha sido destruída. Estivemos em sítios muito negros. Parece um filme de terror, mas é a nossa vida.


- E como estão enquanto casal?

Kate
- Penso que sempre fomos um casal forte e sabemos que há muitos casamentos que não sobrevivem a este tipo de experiências e o nosso sobreviveu.

Gerry
- Tem sido muito difícil a muitos níveis, mas sempre comunicámos, o que nos ajudou a manter a união.


- Como é que continuam a lidar com as pessoas que acreditam que estão envolvidos no desaparecimento da vossa filha?

- É triste, mas na Grã-Bretanha essas pessoas são uma minoria. E o livro não foi escrito para elas e sim para as pessoas que acreditam ou querem acreditar que a nossa filha está viva.


- Depois do que têm passado, acreditam que ainda podem ser felizes?

Kate
- Conseguimos sentir alguma felicidade... No livro escrevo que durante muito tempo foi-me difícil desfrutar das coisas. Tudo era triste... Não me permitia ser feliz... E será sempre um bocadinho assim, porque nunca seremos a família que deveríamos ser.

Gerry
- A nossa felicidade terá sempre um freio. Nunca seremos tão felizes como se a Madeleine estivesse aqui. Mas temos de estar gratos pelas outras coisas que temos na vida, como os filhos e o apoio que temos recebido.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras