Nas Bancas

Diretor do FMI acusado de agressão sexual

Dominique Strauss-Kahn foi detido este sábado, depois de ter sido acusado de tentativa de violação, sequestro e agressão sexual contra a empregada de um hotel de Nova Iorque. O diretor-geral do FMI é hoje ouvido no tribunal criminal da cidade e deverá declarar-se inocente.

Andreia Guerreiro
16 de maio de 2011, 11:35

O diretor geral do FMI e líder do Partido Socialista francês, Dominique Strauss-Kahn, foi detido na madrugada de sábado num avião da Air France, quando se preparava para deixar Nova Iorque rumo a Paris. Na origem da detenção está uma acusação de agressão sexual, sequestro e tentativa de violação de uma mulher de 32 anos no hotel onde se encontrava hospedado, em Manhattan.

As autoridades policiais norte-americanas afirmam que Dominique Strauss-Kahn tentou agredir a empregada do hotel Sofitel. "Tentou fechá-la dentro do quarto", confirmam fontes policiais.

O político é hoje ouvido no tribunal criminal de Nova Iorque para a conhecer a acusação. Nesta altura, o juiz deverá decidir se Strauss-Kahn fica em prisão preventiva ou se poderá pagar uma caução para sair em liberdade enquanto aguarda julgamento. O seu advogado em Washington, William Taylor, confirmou que o seu cliente se vai declarar inocente.

Dominique Strauss-Khan
Dominique Strauss-Khan
Reuters
Este escândalo vai certamente afetar a vida política de Strauss-Kahn que deveria candidatar-se às eleições presidências em França já no próximo ano, como principal opositor de
Nicolas Sarkozy
.


De referir também que não é a primeira vez que o diretor do FMI enfrenta acusações de assédio sexual. A jornalista francesa
Tristane Banon
contou em 2007 que cinco anos antes tinha sido vítima de agressão sexual durante uma entrevista, mas nunca revelou o nome do autor. Depois da detenção em Nova Iorque, Banon disse confirmou que o homem que lhe
"rompeu o sutiã e baixou as calças"
é Dominique Strauss-Kahn. Em 2008 foi ainda acusado de manter uma relação com uma subordinada, que entretanto deixou a organização.


Dominique Strauss-Khan deixou o comissariado de Nova Iorque algemado
Dominique Strauss-Khan deixou o comissariado de Nova Iorque algemado
Reuters
Dominique Strauss-Kahn é casado com uma conhecida jornalista francesa,
Anne Sinclair
, colaboradora do
Canal Plus
e do
Journal du Dimanche
, e tem quatro filhos. A jornalista reagiu às recentes notícias em comunicado:
"Não acredito sequer por um segundo nas acusações levantadas contra o meu marido. Não duvido de que a sua inocência será provada"
.




Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras