Nas Bancas

Rita Calçada Bastos: "Sou demasiado exigente comigo própria"

A atriz partilhou com a CARAS quais são os seus sonhos. Ter uma família é, talvez, o maior de todos.

Joana Carreira
9 de maio de 2011, 10:20
Rita Calçada Bastos
, de 34 anos, estudava Gestão de Empresas quando descobriu que afinal a sua vocação era representar e contar a vida dos outros. Sem pressas, a atriz e encenadora foi apostando na sua formação e passo a passo acredita estar a construir uma carreira que pode durar para sempre.

Não é só na vida profissional que Rita não tem medo de sonhar e de querer mais: a viver um namoro estável ao lado do arquiteto
Miguel Durieu Avellar
, a atriz não esconde o seu desejo de formar uma família e de fazer
"outra pessoa feliz"
.

Foi sobre a sua 'personagem' da vida real e dos sonhos que ainda quer realizar que a CARAS falou com a atriz depois de uma sessão fotográfica num jardim lisboeta.


- Como descobriu que queria ser atriz e encenadora?

Rita Calçada Bastos
- Foi por acaso. Estava a estudar Gestão de Empresas, mas nunca tinha pensado no que realmente gostava de fazer. Entretanto, inscrevi-me num curso de interpretação da companhia Os Sátyros. Intuitivamente, encenei com um amigo uma apresentação e percebi que tinha jeito para alguma coisa. Às vezes escolhemos as nossas profissões tão cedo que nunca imaginamos o que é que poderemos ser o resto da vida.
Rita Calçada Bastos
Rita Calçada Bastos
Luís Coelho


- O que é que a atrai na representação?

- Gosto do exercício de vestir a pele de várias personagens, que nos leva a descobrir coisas sobre nós próprios. Sempre gostei muito de pessoas e de perceber quem elas eram através dos seus comportamentos. Sou muito observadora. Aliás, quando era mais nova gostava de estar no meio dos adultos para ouvir sobre o que conversavam e perceber como eram.


- Esse tipo de comportamento levou-a a ter uma personalidade mais séria ou adulta?

- Acho que sou uma pessoa exigente e isso às vezes vira-se

contra mim. Sou demasiado exigente comigo própria e, por consequência, com os outros. A exigência é uma coisa boa, não pode é condicionar a nossa felicidade. O facto de querermos que as coisas sejam perfeitas tira-nos o prazer do momento. Não sei muito bem definir-me... Acho que sou muito generosa, teimosa e devo ter também muitos defeitos, que quero sempre melhorar. Tento gostar da pessoa que vou sendo. Todos nós somos ambíguos.


- Mas acha que o facto de ser tão exigente torna difícil para os outros conviverem consigo?

- Acho que não. Uma coisa que salvaguardo nas experiências profissionais que tive é que fico sempre amiga de alguém. Há sempre pessoas que ficam e isso enriquece-nos.


Rita Calçada Bastos
Rita Calçada Bastos
Luís Coelho
- É uma pessoa ambiciosa?

- Acho que o sou q.b. A ambição só tem trazido confusão a este mundo. A minha ambição é viver do meu trabalho e fazê-lo da melhor maneira possível.


- A Rita tem apostado mais no teatro e não parece ser uma atriz que procure papéis com grande mediatismo. Mas gostava de ter, neste momento, uma oportunidade que lhe permitisse dar mais exposição ao seu trabalho?

- Eu não penso em mediatismo, penso em desafios. Se a personagem for fantástica, eu aceito, mas não pelo mediatismo. Demoramos muito a construir uma carreira. Durante bastante tempo não fiz televisão, porque quis apostar na minha formação e precisava de mais palco. No teatro temos uma profundidade que não temos em televisão, mas ambos são conciliáveis e não gosto de ter de dizer que sou mais do teatro ou da televisão. E claro que gosto que o meu trabalho chegue às pessoas.


- Sente que vive muito para o seu trabalho?

- Adoro o meu trabalho, porque não o dissocio da minha vida. Como diz a minha amiga
Ana Bustorff
,
"vivemos o dobro dos outros."
Temos de ter uma grande ginástica mental para tentar perceber como é que os outros pensam... Neste processo, ando sempre à procura de mim própria.


- O que quer alcançar na vida?

- Quero continuar a trabalhar, ter uma família e viver tranquila. Temos de cuidar mais uns dos outros, estar mais tempo com as pessoas.


- Gostaria de viver aquela ideia romântica do casamento?

- Como não sou católica, não me imagino a subir ao altar, mas os casamentos têm uma parte de encenação engraçada, como todos os rituais.


Rita Calçada Bastos
Rita Calçada Bastos
Luís Coelho
- Faz-lhe mais sentido ser mãe?

- Não me faz sentido ser mãe sem ter um projeto de família. Não gostava de ter filhos e separar-me depois. Mais do que ser mãe, gostava de ter uma família. Quero ter filhos, mas num ambiente familiar estável, no qual eu possa fazer outra pessoa feliz.


- E já encontrou a pessoa ao lado de quem pode realizar esse sonho?

- Neste momento tenho um namorado, uma relação estável. Vivo um dia de cada vez. As relações são muito difíceis, e se as temos é porque acreditamos nelas. Achamos sempre que o namorado com quem estamos é o homem da nossa vida. Só assim vale a pena.


- Recentemente, trabalhou numa peça com José Wallenstein, com quem já namorou. É uma situação difícil?

- Foi muito bom trabalhar com o Zé. Temos uma relação muito boa, somos amigos. O Zé dá-me sempre muito espaço para trabalhar, tem confiança. É sempre um prazer vê-lo. Não tenho pessoas descartáveis, pelo menos tento não ter. Se passam pela nossa vida é para nos ensinarem qualquer coisa e ajudarem-nos a ser pessoas melhores.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras