Nas Bancas

Cláudia Vieira: "Sinto-me plenamente realizada"

A atriz e apresentadora está de bem com a vida, agora que vai regressar à representação e que a filha faz um ano. Feliz ao lado de Pedro Teixeira, não esconde que pretende voltar a ser mãe.

Joana Carreira
27 de abril de 2011, 10:23

Um ano depois de ter sido mãe, Cláudia Vieira tem muito o que comemorar: já perdeu todos os quilos extra que ganhou com a gravidez e está em plena forma; a filha, Maria, cresce saudável e feliz; e a relação de seis anos com o ator Pedro Teixeira ganhou ainda mais sentido e fortaleceu a vontade de se casarem. Em breve, Cláudia regressará à atividade de que mais gosta, representar. Um desafio exigente que obriga a atriz, de 31 anos, a fazer algumas mudanças na sua vida.

- Ter um filho muda a vida. E na sua carreira, o que mudou com o nascimento da Maria?
Cláudia Vieira - Muda a nossa vida de uma forma natural, as nossas prioridades alteram-se de um momento para o outro de forma automática. É uma dedicação sem limites a um novo ser que depende de nós. Em relação à minha carreira, não sinto que tenha mudado muito, continuo a querer fazer trabalhos novos que representem um bom desafio e me ponham à prova.

- Mas está feliz por voltar à representação?
- Sim, muito. É um regresso às origens. Tenho sede de representar, tenho saudades de estar em contacto com o público de uma forma diferente. Preciso de deixar a Cláudia descansar um pouco e dar vida a outras vidas, a outras histórias e emoções... Sinto que a representação é a minha casa, o meu habitat natural.

Cláudia Vieira
Cláudia Vieira
Miguel Ângelo para LAgence Talents-Publicists
- Já começou a preparar-se?

- Para já, estou a organizar a minha vida familiar para poder focar-me plenamente no novo projeto.


- Fazer ficção em televisão é muito exigente. Tem uma estrutura de apoios preparada para que esse impacto não afete a sua vida familiar?

- Sim, sem dúvida! Conto com a ajuda preciosa do Pedro, sem ele não conseguiria de maneira nenhuma estar com projetos tão absorventes. Somos uma grande equipa! Depois, vem a restante família. São incansáveis e estão sempre prontos e disponíveis para estar com a Maria e para fazerem viagens de trabalho comigo, o que tem sido fundamental. Além disso, há a equipa com quem trabalho, que me permite gerir os horários. Acho que a Maria ganhou muitos 'tios' e 'tias', o que é maravilhoso.


- Tende a selecionar as hipóteses de trabalho de forma a estar mais perto da Maria?

- É obvio que neste momento analiso muito melhor todas as propostas de trabalho. Contudo, creio que tudo na vida é conciliável e com esforço conseguimos estar presentes para as pessoas mais importantes das nossas vidas.


- A sua vida gira agora mais em torno da sua filha?

- Sinto que o conceito de família tem um novo significado para mim e que adoro passar todo o tempo livre que tenho com a Maria. Sou viciada nela.


- De que forma o papel de mãe a alterou como mulher?

- Neste momento, sinto-me plenamente realizada enquanto mulher. É muito complicado explicar o que se sente, só mesmo passando por todo este maravilhoso processo.


Cláudia Vieira
Cláudia Vieira
Miguel Ângelo para LAgence Talents-Publicists
- Já está cansada de tanto lhe perguntarem quando é que se casa?

- Não. Acho natural que as pessoas estejam à espera que isso aconteça, uma vez que namoramos há muito tempo e temos uma filha.


- E não sente necessidade de formalizar a vossa união?

- Como qualquer mulher, é óbvio que gostaria de me casar um dia, mas não me sinto nada pressionada para que isso aconteça. A formalização tem de acontecer naturalmente, quando tivermos disponibilidade para dizer o 'sim' na presença dos que são mais importantes para nós. Esse momento há de chegar.


- Que stresse impõe à vossa relação o facto de terem uma criança para cuidar?

- Não impõe stresse algum. O nascimento da Maria só veio unir-nos ainda mais e mostrou-nos que nos complementamos em mais aspetos dos que imaginávamos. Somos pais muito práticos e queremos incutir essa característica na nossa filha. Tem sido maravilhoso!


- Quem viu a Cláudia na edição de aniversário da revista GQ dificilmente diria que foi mãe há menos de um ano. Qual é o seu segredo para uma recuperação tão rápida?

- A recuperação está muito relacionada com o estilo de vida que sempre levei. Adoro atividades ao ar livre: corro com o meu cão, faço ginástica, tento fazer uma alimentação equilibrada... Tudo isto advém do estilo de vida que levei enquanto criança. Como cresci numa quinta, sempre fui habituada a atividades ao ar livre e a vê-las como lazer e não como exercício físico.


- Não acredito que não tenha um segredo de beleza...

- O meu segredo de beleza é ser feliz. É engraçado que as pessoas que me são mais próximas me gabam esse facto: eu sou uma pessoa genuinamente feliz e positiva e sabe-me bem ouvir isso.


- E também é vaidosa? Gosta de moda, de se produzir?

- Gosto de roupa, mas não condiciono a minha forma de vestir em função das tendências. No dia-a-dia calço ténis, mas se tenho uma festa também adoro maquilhar-me e pôr saltos altos.


Cláudia Vieira
Cláudia Vieira
Miguel Ângelo para LAgence Talents-Publicists
- O facto de ser vista como uma mulher bonita alguma vez lhe dificultou a tarefa de acreditar no seu talento?

- Sempre tive noção do meu valor, sempre me senti uma lutadora. Trabalho desde muito nova, sou ambiciosa, mas não a qualquer custo. É claro que é muito bom para o ego sentir que as pessoas nos acham bonitas, contudo, sempre concentrei a minha energia em tentar ser a melhor profissional possível a nível de representação e, mais recentemente, enquanto apresentadora.


- Ainda não apresentou a sua filha publicamente. Isso irá acontecer um dia?

- Acho que não tenho o direito de tornar a Maria uma figura pública. Preciso que seja a minha filha a dizer-me, um dia, se se incomoda com a exposição pública ou não. Quero, acima de tudo, respeitar as suas escolhas na vida e procurar que seja o mais feliz possível. No entanto, tenho sempre muito gosto em apresentá-la às pessoas que se vão cruzando connosco na rua.


- A Cláudia cresceu numa quinta. Como é que gostava que a Maria crescesse?

- Adorava que a Maria tivesse esse tipo de experiência. Adoro passear com ela em jardins e na praia... E também quero passar momentos com ela no campo. Não quero criar a Maria entre apartamentos e centros comerciais.


- A Cláudia tem um irmão e uma irmã. Também gostava que a sua filha tivesse irmãos?

- Sim, quero voltar a ser mãe, gostava que a Maria tivesse pelo menos um irmão.


- Quais são as suas preocupações?

- Perder algum dos meus.


- E os seus objetivos de vida?

- Continuar a ser feliz com a minha família e voltar a representar, que é, sem dúvida, a minha grande paixão a nível profissional. E nunca perder, em fase alguma, esses mesmos objetivos de vida, mesmo aos 80 anos.


- Quais foram as lições mais importantes que a vida lhe ensinou nos últimos tempos?

- Aprendi que conseguimos concretizar os nossos sonhos e desejos e que isso exige muita dedicação, alegrias e dissabores.


*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras