Nas Bancas

Emília Maria Agostinho recorda o pai

A filha de Artur Agostinho contou como lida com as saudades.

Joana Carreira
26 de abril de 2011, 10:28

Por ter perdido um filho, há 24 anos, e por ser presidente da Associação A Nossa Âncora, que apoia pais em luto, Emília Maria Agostinho tem aprendido a lidar com a dor da morte. Apesar disso, foi com inevitável dificuldade que encarou os dias que se seguiram à morte do seu pai, Artur Agostinho, que aconteceu a 22 de março.

Emília Maria Agostinho com os pais, Artur e Maria Teresa Agostinho
Emília Maria Agostinho com os pais, Artur e Maria Teresa Agostinho
João Lima
Foi no dia de entrega do Prémio Mulher Activa, numa gala que teve lugar na Culturgest, em Lisboa, que Emília Maria conversou com a CARAS e, com alguma emoção, mas também muita saudade, recordou o seu pai:
"É a primeira vez que saio após a morte do meu pai, pois tenho aprendido que o luto tem de ser vivido e é isso que tenho feito. Tenho-me recolhido muito em casa, tenho chorado, tenho lido cartas dele, visto fotografias e vídeos... Tenho vivido muito esta dor. Tem sido doloroso, mas claro que a morte do meu filho me faz sentir mais apta para viver este luto, embora seja uma dor diferente. A morte do meu pai é muito recente e ainda sinto muito a sua falta física."

*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras