Nas Bancas

Cuca Roseta: "Ser mãe tornou-me uma mulher mais equilibrada"

A fadista fala das emoções que canta e das que vive todos os dias ao lado do filho, Lopo, de três anos.

Joana Carreira
23 de abril de 2011, 10:26

"Ela tem a voz, a presença e algo totalmente único, o tal fator que não se consegue explicar." É desta forma que Gustavo Santaolalla, produtor e músico argentino que já ganhou dois Óscares, descreve Cuca Roseta, de 29 anos. A música sempre fez parte da sua vida, mas foi já mulher que percebeu que o seu "destino" ia fazer-se ao ritmo do fado. Há quatro anos, Gustavo Santaolalla ouviu-a e manifestou vontade de trabalhar com ela. O tempo passou, Cuca continuou a cantar o fado, foi mãe de Lopo, de três anos, mas o músico argentino não perdeu o contacto nem a paixão pelo talento da fadista e fez questão de produzir o seu primeiro disco, editado recentemente.
Foi sobre a vida que canta no fado que falámos com Cuca Roseta depois de uma sessão fotográfica no Farol de Santa Marta, em Cascais.

- A Cuca já cantou vários géneros musicais, esteve durante algum tempo nos Toranja, mas acabou por dedicar-se em exclusivo ao fado. Porquê?
Cuca Roseta - O fado motiva-me mais do que qualquer outro género musical e foi por isso que achei que podia fazer dele vida. A busca pela verdade das emoções é uma coisa que me cativa imenso e é apaixonante. É um caminho, olho para frente e ainda tenho a minha vida toda para cantar o fado.

- Como é que se encontrou com o fado?
- A música encontro desde que nasci, porque em minha casa toda a gente canta, menos o meu pai. Agora o fado encontrei aos 19. Fui ao Clube de Fado, onde canto agora, e comecei a ouvir fado para minha inspiração. Depois, aos 21, é que começo a cantar fado, até lá só ouvia.

Cuca Roseta
Cuca Roseta
Nuno Miguel Sousa
- Nunca se imaginou a fazer outra coisa que não cantar?

- Eu nunca me imaginei foi a cantar. Adorava cantar, mas só como
hobby
. Queria ser psicóloga e licenciei-me em Psicologia, depois tirei uma pós-graduação em Marketing. Na altura já estava pronta para ir tirar o mestrado em Antropologia, mas foi aí que o Gustavo apareceu.


- E não se recusa um convite de Gustavo Santaolalla...

- Dá-me uma felicidade enorme ele gostar de mim, mas também é uma responsabilidade. E penso:
"O que é que ele vê em mim de tão especial?"
E tenho de corresponder a essas expectativas. Ter uma pessoa como ele a trabalhar comigo é extraordinário... Ele não quis mudar nada no fado. Apenas quis que as pessoas me ouvissem neste disco como se eu estivesse a cantar-lhes ao ouvido.


- O que é que este disco, e a sua música, podem dizer sobre si?

- Dizem tudo. A escolha de reportório de um fadista conta sempre um bocadinho a sua história. Eu escrevi três letras e é a minha vida que lá está. Todas as músicas que escolhi me dizem muito.


- Em cima do palco a Cuca entrega-se e canta de forma intensa. Na vida também é assim?

- Sou, sem dúvida. Como dizem os meus amigos, sou uma guerreira, mas também tenho o meu lado cor de rosa. Sou completamente apaixonada pela vida, pela natureza.


- Quais são os seus sonhos?

- Acredito que nós vivemos para descobrir o dom que temos, que tem de ser encarado como uma missão. Isso exige sacrifício, mas sem ele não vamos a lado nenhum. Os meus sonhos têm que ver com isso, explorar o meu dom ao máximo. Nunca penso no futuro e só quero que ao cantar seja o mais verdadeira possível. O nosso trabalho tem de fazer as pessoas felizes naquele momento em que nos ouvem cantar.


Cuca Roseta
Cuca Roseta
Nuno Miguel Sousa
- Tanto na psicologia como no fado há um interesse pelos sentimentos. Que peso têm as emoções na sua vida?

- Têm um peso muito grande. Sou uma mulher de detalhes e procuro a simplicidade das coisas. As pessoas complicam muito a felicidade.


- Há pessoas que associam o fado à tristeza e à saudade. A Cuca tem esse lado mais melancólico?

- Não gosto muito dessa descrição do fado. O fado é a canção dos sentimentos e fala de amor, saudade, tristeza, mas não acho que seja triste. O fado precisa é de experiência e de peso. Quem teve tudo de mão beijada, quem não teve de lutar, não chegou à essência das coisas. O sacrifício faz parte da vida. É através do sofrimento que a pessoa volta a nascer. O fado também precisa de uma paixão maluca, de um amor profundo...


- E já viveu tudo isso?

- Já. [risos] Ainda tenho 29 anos e vou viver muito mais.


- Ser mãe foi algo planeado na sua vida ou foi uma surpresa do destino?

- O meu filho foi planeado, na altura. Eu estava com o pai do Lopo, já tínhamos namorado em miúdos, dos 14 aos 16 anos, reencontrámo-nos dez anos depois e planeámos o nosso filho e até casarmo-nos. Mas depois não correu bem... Quando o Lopo apareceu na minha barriga foi uma felicidade enorme e tem sido todos os dias. Desde os 18 anos que dizia que queria ser mãe e ele chegou aos 26. Precisava dessa maturidade. Ser mãe foi uma experiência que me abanou, porque antes de termos filhos vivemos completamente para nós. E depois fazemos tudo por eles. Toda a luta gira à volta daquela criança. E isso dá-nos uma garra...


Cuca Roseta
Cuca Roseta
Nuno Miguel Sousa
- Mudou muito com a maternidade?

- Mudei, completamente. A maternidade trouxe-me regras, mais responsabilidade, garra e firmeza. Sou uma pessoa muito 'aluada', ligada ao lado espiritual e é preciso ter também os pés no chão. Ser mãe tornou-me uma mulher mais equilibrada. Precisava de viver todos os dias por uma coisa concreta, que é fazer uma criança feliz, dar-lhe o melhor. Também tenho momentos de paragem e de meditação, mas não me ocupam as 24 horas.


- Como vai conciliar os espetáculos com a maternidade?

- Os meus pais sempre disseram que eu queria fazer tudo ao mesmo tempo e faço. Vou gerindo as coisas... Sou muito mãe-galinha, mas também gosto da ideia de ir apresentar a nossa cultura pelo mundo.


- E apaixonar-se novamente, seria bom para cantar o fado?

- Não... Quando me apaixono vivo isso com muita intensidade e sou muito afetiva. Na vida é preciso estarmos realizados nas várias áreas e neste momento tenho de estar centrada na minha carreira. Mais tarde o amor aparecerá, na altura certa. Este é o meu destino e preciso de todas as forças canalizadas para a música.



*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras