Nas Bancas

Miguel Pedrosa fala pela primeira vez do divórcio

O ex-jogador de futebol e agora agente FIFA falou pela primeira vez sobre o divórcio de Luísa Beirão. Na companhia dos filhos, Isabel e Frederico, fruto dos 11 anos de casamento, Miguel Pedrosa quebrou finalmente o silêncio.

Joana Carreira
19 de abril de 2011, 18:01

A dias de se completar um mês após o divórcio de Luísa Beirão, Miguel Pedrosa fala pela primeira vez e em exclusivo à CARAS sobre o fim do seu casamento de 11 anos; dos filhos, Isabel, de três anos, e Frederico, de oito meses; e os muitos desafios profissionais que o esperam agora que é agente FIFA.
Discreto na forma de estar e contido nas palavras, o ex-jogador do Sporting deixa evidente o entusiasmo quando se refere aos filhos. Como pudemos testemunhar neste final de tarde na Foz, no Porto, Isabel parece muito ligada ao pai, mostrando-se brincalhona e extrovertida. Frederico, por seu lado, é muito parecido com o ex-futebolista e um bebé muito simpático e tranquilo. Atento aos filhos, Miguel Pedrosa fez saber que a separação foi decidida de mútuo acordo e que desde esse momento ele e a manequim Luísa Beirão começaram a viver vidas independentes. O facto de se terem casado em regime de separação de bens terá facilitado a legalização da situação.
Indiferente a todos os rumores que viu publicados sobre o seu casamento, diz que não tem nada a esconder. Recorde-se que os boatos de separação do casal têm aproximadamente um ano, altura em que Luísa Beirão começou a aparecer em público sem aliança de casamento, então grávida do filho Frederico. Com os olhares da imprensa sobre si, o casal continuou a fazer a sua vida em separado, sem alimentar a polémica. Miguel Pedrosa manteve-se à margem e longe das objetivas, Luísa Beirão foi comparecendo a alguns eventos, muitas vezes na companhia da filha, mas nunca comentou o assunto. Só em março, quando formalizaram o divórcio, é que a manequim assumiu o fim do casamento, adiantando que ficara com a guarda dos filhos.
Aos 39 anos, o agora agente FIFA elege como prioridade na sua vida a educação dos filhos e a sua valorização profissional. Depois de ter jogado futebol durante 14 anos no Sporting, Salgueiros e Boavista, Miguel Pedrosa, que se despediu dos relvados em 2004, fez, entretanto, os cursos de Treinador e Diretor Desportivo da Quest e uma Pós-Graduação em Gestão Desportiva na Universidade Católica.

Luísa Beirão e Miguel Pedrosa
Luísa Beirão e Miguel Pedrosa
Mike Sergeant
- Depois de muito se especular sobre a vossa separação, após 11 anos de vida em comum, a sua ex-mulher comunicou oficialmente que se tinham divorciado. Foi uma decisão de ambos?

- Sim, foi uma decisão dos dois. Separámo-nos há alguns meses e o divórcio oficializou-se dia 24 de março. Foi uma decisão tomada por mútuo acordo e ficou tudo regularizado, inclusivamente o que diz respeito às responsabilidades parentais. Todas as questões tiveram acordo pleno.


-
E como ficou a vossa relação? Falam-se?

- Comunicamos o necessário porque temos dois filhos e o bem-estar deles está acima de tudo.


Miguel Pedrosa com os filhos, Frederico e Isabel
Miguel Pedrosa com os filhos, Frederico e Isabel
Joaquim Norte de Sousa
-
A Isabel está mais parecida com a Luísa, mas o Frederico tem os seus olhos. É um pai orgulhoso?

- Tenho dois filhos maravilhosos. A Isabel está crescida e surpreende-me sempre com coisas novas. Está desenvolvida e é uma criança muito alegre. O Frederico, com os seus oito meses, é muito sorridente e simpático. Fazem-me feliz pela saúde que têm e deixam-me, naturalmente, orgulhoso.


Miguel Pedrosa com os filhos, Isabel e Frederico
Miguel Pedrosa com os filhos, Isabel e Frederico
Joaquim Norte de Sousa
-
Já se adaptou a estar sozinho com a Isabel e o Frederico nos dias em que eles estão consigo, como é o caso deste fim de semana em que nos encontramos?

- Em tudo na vida temos de nos adaptar e o prazer de ser pai é muito grande. Nos dias em que eles estão comigo, faço por aproveitar ao máximo o tempo para conviver e descontrair com eles. Temos muita afinidade. Quero acompanhar o crescimento dos meus filhos e contribuir para a sua formação e educação.


Miguel Pedrosa com os filhos, Isabel e Frederico
Miguel Pedrosa com os filhos, Isabel e Frederico
Joaquim Norte de Sousa
-
Como reage a tudo o que se escreveu sobre o seu casamento ao longo dos meses em que estiveram separados?

-
Com total indiferença, uma vez que já estávamos separados. Gosto muito da verdade. Cada um fazia a sua vida, mas sempre com atenção total sobre os filhos. Não faz parte da minha personalidade, nem da minha forma de estar, expor a minha vida. Vivo de forma natural e equilibrada. Infelizmente, quando uma relação deixa de ter os valores essenciais para que se mantenha, e se quer mais algum interesse dessa relação, as coisas deixam de fazer sentido.


- O que quer dizer com "mais algum interesse"?

- Prefiro não entrar em pormenores.


Miguel Pedrosa com a filha Isabel
Miguel Pedrosa com a filha Isabel
Joaquim Norte de Sousa
-
E o Miguel, como vê o seu futuro pessoal?

- Estou concentrado nas decisões que tenho de tomar a nível profissional e, naturalmente, tenho a minha vida a rolar. As coisas acontecem de forma natural e progressiva.


-
E profissionalmente? Depois da carreira como jogador e experiência como treinador de futebol e mais recentemente de comentador desportivo, tornou-se agente FIFA. Que desafios tem pela frente?

- Estou preparado para colocar em prática o que tenho vindo a aprender. Nos últimos anos apostei na minha valorização e depois dos cursos de Treinador e Diretor Desportivo, este na Quest, e a pós-graduação em Gestão Desportiva na Católica, fiz o exame agente FIFA que me permite gerir a carreira de desportistas. No futuro, além disto poderei fazer a ligação a outras áreas porque é possível e é algo que me interessa. Estou numa fase de decisões. Nas minhas viagens profissionais ao estrangeiro tenho feito muitos contactos que, a juntar aos que já tenho cá, serão uma mais-valia, quer na área desportiva quer noutras.


Miguel Pedrosa com os filhos, Isabel e Frederico
Miguel Pedrosa com os filhos, Isabel e Frederico
Joaquim Norte de Sousa
-
O desporto continua a ter um papel relevante na sua vida, 21 anos depois de se ter tornado jogador profissional...

- Tornei-me profissional praticamente aos 18 anos, mas nunca foi uma obsessão na minha vida. Surgiu de forma natural e era assim que o via, como uma oportunidade. Tinha acabado de entrar na faculdade, mas a minha evolução no futebol levou-me a ter mais exigências profissionais. E porque foi assim na altura, talvez seja por isso que tenho apostado, nos últimos anos, na continuidade da minha valorização pessoal.


*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras