Nas Bancas

Hugo Sequeira: "Ter um filho resolveu a minha vida. Era muito desprendido"

O ator, que faz de Bernardo Coutinho na novela da SIC 'Laços de Sangue', revela como é ser pai solteiro e como se tornou o melhor amigo do filho, Xavier, de dois anos.

Joana Carreira
15 de abril de 2011, 10:23
Hugo Sequeira
tem 34 anos e uma vida dedicada à representação. Em 15 anos fez 27 peças de teatro e admite que possa ter esquecido um pouco a sua vida pessoal. Hoje, com o sonho de se estrear como encenador no horizonte, confessa ser mais seletivo e ponderado. Ser pai pode ter ajudado. O ator vive sozinho com o filho,
Xavier
, de dois anos, fruto da relação com a atriz
Dina Félix da Costa
, que terminou no verão passado.

Desde então, e até que estejam resolvidas as questões legais da separação, o filho está aos cuidados do pai.


- É difícil passar muito tempo sozinho com uma criança de dois anos?

Hugo Sequeira -
É uma experiência de vida. É uma situação que não está completamente estabelecida, porque está a ser resolvida com a mãe em relação à guarda do Xavier, mas na prática eu passo quase todo o tempo com ele e é muito bom. Faz tudo comigo e tenho um grande apoio dos meus pais.


- Não deve ser fácil conciliar a paternidade com a profissão que tem...

- É das profissões mais fáceis para o fazer. O Xavier vai muitas vezes comigo para o estúdio e lá é um verdadeiro ídolo. Só não sai comigo à noite, como é óbvio. Ter um filho resolveu a minha vida. Eu era uma pessoa muito desprendida das coisas, das relações, e cometi um erro na minha vida, que foi não cultivar muito as amizades. As minhas maiores amizades foram sempre pessoas com quem me relacionei emocionalmente. O Xavier é o meu melhor amigo, somos inseparáveis. Às vezes brincam comigo com esta coisa de fazer de pai e mãe, mas acho que isso nasceu comigo, só que nunca tinha era percebido.


Hugo Sequeira
Hugo Sequeira
Mário Galiano
- Foi descobrindo?

- Descobri no dia em que ele nasceu. A única vez que senti uma coisa assim, de começar a chorar sem explicação, foi quando me puseram o Xavier nos braços. Somos inseparáveis.


- Fala-se muito da questão das mães solteiras, mas não tanto sobre os pais...

- Penso que as pessoas não estão preparadas para ver um pai solteiro. É importante que se perceba que, hoje em dia, a mãe não tem necessariamente de ser a base principal de uma criança.


- Mas é importante manter o contacto?

- É fundamental. Tal como é fundamental que, quando nascem, estejam com a mãe, mais do que com o pai.


- Esta é uma pergunta inevitável: fala-se muito de uma relação amorosa entre si e a Rita Mendes...

- Eu e a Rita somos amigos há 12 anos. Tenho três grandes amigas na minha vida: a
Paula Neves
, a
Mafalda Vilhena
e a Rita Mendes. Durante a gravidez, a Rita viveu um período muito parecido com o que eu vivi e fui o amigo que mais se aproximou dela. Acho-a uma pessoa extraordinária e não desminto nem deixo de desmentir por querer fugir de alguma coisa. Se algum dia eu quiser assumir uma coisa dessas, assumo. Agora, a verdade é que tenho sabido, através das revistas, que tenho uma namorada. Até acho normal, temos estado muito juntos, é natural que se pense isso. É um risco que assumimos sem problema nenhum.


Hugo Sequeira
Hugo Sequeira
Mário Galiano
- Em 'Laços de Sangue' faz uma personagem com um registo cómico. Recebe boas reações do público?

- É um dos personagens que mais gozo me deu fazer até agora, porque tem um cariz muito cómico e um núcleo fantástico que é a
Custódia Gallego
e o
João Ricardo
.


- Na sua vida mais pessoal é também uma pessoa com bom humor, que gosta de se rir?

- Não consigo dar-me com pessoas que não têm sentido de humor. Quem não tem sentido de humor não pode ser feliz. Até porque, num país como o nosso, se não tivermos bom humor, vivemos numa angústia profunda.


- Acha que isso é importante numa relação, por exemplo?

- Completamente. Muitas vezes as pessoas estão mais preocupadas em procurar o sentido do amor, e deviam procurar mais era o sentido do humor. Uma relação baseia-se principalmente nisso. No lado agradável e divertido das coisas. Claro que todos temos momentos menos bons, mas nessas alturas fico em casa e ninguém me vê.


*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras