Nas Bancas

Sónia Tavares: "Sou dedicada quando sinto que as relações têm futuro"

A vocalista dos The Gift, namorada de Fernando Ribeiro, dos Moonspell, fala da sua vida pessoal e profissional.

Joana Carreira
14 de abril de 2011, 10:22

Dona de uma voz inconfundível, Sónia Tavares, de 34 anos, vocalista dos The Gift, associa à imagem irreverente uma personalidade conversadora, romântica e sincera. Dezassete anos depois da formação da banda, a cantora continua a querer voar mais alto e a apostar no sucesso além-fronteiras dos The Gift.
Poucas horas antes da apresentação do novo álbum, Explode, no Teatro Tivoli, em Lisboa, a CARAS conversou com Sónia sobre o sucesso que tem alcançado a nível pessoal e profissional e os desejos que alimenta. Ficámos a saber que, a par da dedicação à música, espera casar-se e ter filhos. Namora há dois anos e meio com Fernando Ribeiro, de 36 anos, vocalista dos Moonspell.

Sónia Tavares
Sónia Tavares
Mike Sergeant
- Quando criaram a banda esperavam ter este sucesso?

Sónia Tavares -
Nem pensar, éramos adolescentes, não fazíamos ideia do que vinha por aí e nem nos juntámos com esse intuito. Só queríamos fazer música, compor e estarmos juntos. Hoje em dia chamam-nos por vezes megalómanos, mas sempre quisemos somente to-car, ser respeitados e levar a nossa música além-fronteiras.


- Em algum momento achou que, se tivesse enveredado por outro caminho, hoje teria uma vida diferente a nível pessoal?

-
Às vezes penso nisso. As pessoas julgam que este é um trabalho muito giro, mas esquecem-se da parte pessoal, que fica prejudicada. Estou longe de casa, não tenho horários, nunca sei onde estarei na semana seguinte, quantos hotéis vou visitar... No fundo, trabalhamos cada vez mais para não estar em casa, mas é muito duro. Claro que se tivesse seguido a carreira de antropóloga possivelmente trabalharia das 9h às 17h e estaria a sonhar com a carreira de cantora. Adoro a minha vida e não me sinto inconformada, aceito os prós e contras desta profissão.


Sónia Tavares
Sónia Tavares
Mike Sergeant
- O que a fez preferir a música à antropologia?

-
Em 98 os The Gift tomaram outras proporções e eu tinha de estar totalmente dedicada ao projeto. Pensei que o curso já estava feito, podia esperar e os The Gift passaram a fazer cem por cento parte da minha vida.


- E os seus pais nunca a dissuadiram de seguir o mundo da música?

-
Não, até porque em minha casa sempre se ouviu muita música através deles. Depois, sempre fui uma rapariga com boas notas, pouco rebelde, e como os meus pais achavam que tinha talento, nunca me puseram entraves em nada e sempre me apoiaram nas minhas decisões.


- Com uma vida tão ocupada, como gere a sua vida pessoal? Casar e ter filhos faz parte dos seus planos?

-
Claro que sim, até porque não vou para nova [risos]. Sempre fez... Não é porque ainda não tenha encontrado a melhor altura, até acho que, se pensarmos nisso, não será por aí.


Sónia Tavares
Sónia Tavares
Mike Sergeant
- E nessa altura a música passará para segundo plano?

-
Não. Vejo-me grávida a cantar, como tantas mulheres o fizeram.


- É algo de que fale habitualmente com o seu namorado?

-
Falamos sobre casar e ter filhos, como todos os casais o fazem. É algo normal.


- Trabalharem ambos no mesmo meio facilita a relação?

-
Obviamente, mas as pessoas, quando entram na nossa vida, sabem perfeitamente que trazemos este 'brinde' e se se apaixonam por nós assim, não nos vão querer mudar. Para nós pode também ser mais difícil, pois se um de nós tivesse horários fixos, alguém estaria sempre mais disponível. Às vezes andamos completamente trocados, pois temos calendários diferentes, mas já sabemos que é assim. Mas fazemos por ir ao encontro um do outro.


Sónia Tavares
Sónia Tavares
Mike Sergeant
- É uma mulher dedicada às relações, ou é individualista e despreocupada?

-
Sou filha única e, a partir daí, preciso do meu espaço, mas considero-me uma mulher normal. Sou dedicada, mas isso também depende das relações. Sou dedicada quando acho que as relações têm futuro e como sou do signo Peixes, sou uma romântica. [risos]


- Quando sobe ao palco, ainda sente o nervoso miudinho?

-
Sempre... Fico sempre ansiosa e tenho medo de imensas coisas que no fundo se tornam ridículas. É uma responsabilidade enfrentar plateias que podem ser de milhares de pessoas. O meu maior desejo é fazer com que todas gostem e isso cria uma certa ânsia.


- Fica afetada se percebe que alguém não está a gostar?

-
Muito. Não me desconcentra, mas o meu desafio é fazer com que aquela pessoa no final do concerto esteja a bater palmas. Já me aconteceu dezenas de vezes.


- Como lida com as críticas?

-
Quando se nota a maldade e são ataques pessoais, ignoro, quando são bem feitas, aceito e tento melhorar. Seja como for, não fico a matutar nisso, pois agarro-me ao facto de existirem milhares de pessoas que nos adoram.


*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras