Nas Bancas

Maria de Medeiros: "Ser mãe ou pai é saber-se condenado a muitos erros"

A atriz esteve no Porto e ficou a conhecer as novas coleções de Gio Rodrigues, marca da qual é embaixadora. A CARAS acompanhou o momento e conversou com a artista.

Joana Carreira
7 de abril de 2011, 10:23

Talvez a melhor definição para Maria de Medeiros seja dizer que é uma apaixonada pelas artes. Atriz, cineasta e mais recentemente cantora, Maria gosta de criar, de emprestar o seu corpo, emoções e voz a histórias que não são suas. Cidadã do mundo, mulher "de várias pátrias", cedo percebeu que a Europa seria a sua casa. Lisboa, Viena de Áustria e, atualmente, Paris, a artista fez destas cidades o cenário da sua própria história, na qual o cenógrafo espanhol Agustí Camps e as duas filhas de ambos, Júlia, de 13 anos, e Leonor, de sete, fazem "de cada dia uma dádiva".

- Nesta visita ao ateliê de Gio Rodrigues ficou a conhecer as suas mais recentes coleções, entre elas a de joias. Para si, estas peças são mais do que acessórios?
Maria de Medeiros - Na verdade, não gosto muito de joias que só servem para ostentar riqueza. Gosto das joias que são peças de arte.

- As peças de arte são únicas. Na vida também procura a exclusividade?
- Sim, tenho consciência de que cada dia é uma dádiva. Especialmente quando se tem crianças e se vê como crescem depressa, uma pessoa dá-se conta do privilégio exclusivo que é compartilhar o seu quotidiano.

- É uma pessoa materialista?
- Sou materialista no sentido em que penso que a vida é aqui e agora. Mas creio que não podemos viver sem ideias e o desejo de melhorar, equilibrar e tornar mais justa a nossa sociedade.

- O seu percurso profissional e também de vida fizeram de si uma cidadã do mundo. Este rótulo fá-la, de alguma maneira, afastar-se das suas raízes, ou, pelo contrário, aproxima-a?
- As minhas raízes estão no mundo, assim como defendo a ideia de um Portugal plenamente integrado no mundo e não isolado num orgulho irrisório. Também creio, como Fernando Pessoa, que "a minha pátria é minha língua". Nesse sentido tenho várias pátrias, mas a portuguesa é certamente a que transporta mais afetos.

Maria de Medeiros
Maria de Medeiros
Joaquim Norte de Sousa
- Quem é a Maria de Medeiros de todos os dias?

- É uma Maria a fazer as malas, a parte desagradável das viagens, a brincar com as suas meninas durante o dia e a trabalhar no computador até às tantas da manhã. Isto quando não estou a filmar ou no palco, claro.


- Numa entrevista que deu à CARAS a Maria dizia que "tanto o meu marido como eu somos muito pouco conformistas e gostamos de transgredir normas". Posso deduzir que são um casal que não se acomodou às rotinas?

- Sim, na verdade acho que se pode dizer que não nos acomodamos às rotinas. A nossa vida mudou muitíssimo com o desenvolvimento da minha atividade musical. Somos mais nómadas do que nunca, tivemos de reorganizar muitas coisas no nosso quotidiano. É divertido e surpreendente.


- Falemos de outro papel muito importante na sua vida: é uma mãe-galinha ou é mais a mãe companheira, que é encarada como a amiga?

- Sou uma mãe apaixonada pelas suas filhas. Tento que possam contar com os conhecimentos que adquiri, com a autoridade quando é hora de estabelecer limites e com a minha cumplicidade indefetível. Também lhes digo o quanto aprendo com elas.


- Acredito que o facto de ser mãe de duas meninas cria uma cumplicidade e um mundo muito próprio entre as três...

- Certamente. Ser mãe ou pai é saber-se condenado a muitos erros. Vamos pela vida, uns com mais conhecimento, outros com mais intuição, mas juntos e com alegria.


Maria de Medeiros
Maria de Medeiros
Joaquim Norte de Sousa
- A Maria aventurou-se nos últimos anos na indústria musical. O que é que a sua música pode dizer sobre si?

- A música tem sido efetivamente de há uns anos para cá uma nova aventura. Estou a descobrir e desenvolver muitas coisas em várias direções. Comecei a compor e escrever letras. Talvez daqui a uns anos eu venha a saber qual é realmente a minha música. Em todo o caso, sempre foi um elemento essencial para mim.


- É pessoa de fazer planos, traçar metas, ou vive as oportunidades que a vida lhe dá?

- Sei o quanto pode ser inútil e ingénuo traçar metas. E adoro surpresas. Tento apenas entender o que a vida me oferece.


- Olhando para trás, sente que a sua vida tem sido bem vivida, ou pensa, em algumas situações, que gostaria de ter feito diferente?

- Para responder a essa pergunta, vou-me servir de três poetas:
"Erros meus, má fortuna, amor ardente"
...,
"Non, je ne regrette rien"
... e
"Tudo vale a pena, se a alma não é pequena"
...


*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras