Nas Bancas

Pedro Lima e Anna Westerlund: "A família é o nosso grande projeto de vida e o que isso implica é prioritário"

O ator e a ceramista passaram um fim de semana em Sagres, no Algarve, com os filhos de ambos, Emma, de seis anos, Mia, de quatro, e Max, de um.

Joana Carreira
6 de abril de 2011, 10:24

Dedicados à família, projeto que consideram o mais importante das suas vidas, Pedro Lima, de 39 anos, e Anna Westerlund, de 32, estiveram com os filhos de ambos, Emma, de seis anos, Mia, de quatro, e Max, de um, em Sagres para um fim de semana de descontração. Só faltou Francisco, de 12 anos, filho do anterior casamento do ator.
Pedro, que terminou agora as gravações da minissérie O Dom, e a ceramista, que se prepara para abrir, em finais de abril, o espaço Paris Sete Food & Craft, conversaram com a CARAS sobre a forma como fazem das suas diferenças semelhanças, mas também sobre como se imaginam a passar o resto da vida juntos e, por isso, aceitam com facilidade o facto de agora viverem mais focados no bem-estar familiar em detrimento dos momentos a dois.

- Acredito que aproveitem ao máximo estes dias em família, longe do trabalho...
Pedro Lima -
Sagres é sempre uma referência de férias e reforço dos laços familiares. Aqui fazemos tudo juntos, faça chuva ao sol... Normalmente, vêm sempre mais amigos e os respetivos filhos connosco, como foi o caso, e fazemos sempre imensos programas juntos.
Anna Westerlund - Aqui já temos determinados rituais, não é somente vir de férias. É um local onde nos sentimos bem, pois logo no primeiro ano em que começámos a namorar, há dez anos, foi para Sagres que viemos e desde então voltámos todos os anos.

Anna Westerlund e Pedro Lima
Anna Westerlund e Pedro Lima
João Lima
- A vossa vida profissional é totalmente o oposto uma da outra. Anna faz os seus horários e o Pedro raramente os tem. Como conseguem conciliar a vida a dois com a familiar?
Pedro -
Durante a semana organizamo-nos em função dos nossos compromissos para que consigamos dar a assistência absolutamente necessária às crianças. A organização, palavra de que gosto muito e que a Anna ainda está a interiorizar [risos], permite-nos fazer mais coisas num intervalo mais curto de tempo. Quando queremos ir os dois a algum lado, preparamos as coisas com antecedência, para que seja o mais fácil possível e que as crianças tenham um funcionamento normal daquilo que são as atividades do dia-a-dia.

Anna -
A minha vida profissional permite mais facilmente esta gestão enquanto eles são mais pequenos. Mas julgo que vá mudar, pois a ideia é que o meu trabalho se torne cada vez mais intenso, mas também isso será feito em função do crescimento deles. Para mim, isso é um luxo e muito importante para eles.


- Depreendo das palavras do Pedro que a Anna seja mais desorganizada...
Anna -
Pois, e assim é em quase tudo [risos]. Tenho aprendido a ser mais organizada e o Pedro mais relaxado.


- A rotina não fará parte da vossa vida...
Pedro -
Em relação às crianças sim, pois acho que é muito importante para eles terem referências, mas também para nós organizarmos o nosso tempo.

Anna -
Mas nós não temos um dia-a-dia repetitivo como se tivéssemos um emprego mais 'normal'.


- A dinâmica é sempre em família ou há tempo só para os dois?
Anna -
Desde que o Max nasceu, tem sido mais complicado, até porque é diferente deixar três ou duas crianças com alguém, mesmo com os avós.

Pedro -
Julgo que tem também a ver com este período em que ele é mais pequeno e tem menos autonomia, tanto a nível da locomoção como da alimentação. Mas também temos momentos a dois em casa, quando apressamos o jantar dos miúdos e depois estamos calmamente.


Anna Westerlund e Pedro Lima com os filhos, Emma, Max e Mia
Anna Westerlund e Pedro Lima com os filhos, Emma, Max e Mia
João Lima
- Mas é necessário haver alguma maturidade na relação para que se entenda que se agora têm menos tempo um para o outro, quando eles crescerem a dedicação será maior...
-
É uma questão de expectativas, não se pode ter tudo ao mesmo tempo. Se a família é o nosso grande projeto de vida, o que isso implica é prioritário.

Anna -
Também temos a imagem de nós mais velhos a viajar e os filhos mais crescidos. Temos vontade de estar juntos no futuro e, por isso, temos tempo de chegar a essa fase. Não há pressas e agora vivemos o momento de ter crianças pequenas.


- Em todas as ocasiões é visível a cumplicidade entre os dois, mas presumo que as vossas diferenças também se destaquem em outras coisas...
-
A cumplicidade não passa exatamente por duas pessoas iguais.

Pedro -
Temos valores iguais, a forma como os promovemos ou vivemos é que pode ser diferente.


Anna Westerlund e Pedro Lima
Anna Westerlund e Pedro Lima
João Lima
- Já referiram em entrevistas anteriores que se aceitam exatamente como são. Sempre foi assim ou resultou do crescimento enquanto casal?
Pedro -
Há uma maturidade individual e da relação. Com a idade que já temos, é natural que vejamos o mundo de uma forma mais calma e analítica.

Anna -
Acho que tem também a ver com uma vontade grande de querer estar junto, de apostar na relação, e isso faz-nos não desistir à primeira, ser mais tolerante e ver no outro o reflexo de nós próprios para que possamos melhorar.


- Essas características que já referiram são o essencial para uma relação saudável?
Pedro -
Não há fórmulas e cada casal tem de trabalhar naquelas duas individualidades.


- E o ciúme é prejudicial ou essencial?
Anna -
Se for um ciúme saudável, no sentido em que não se torna obsessivo nem tema comum de discussão, acho que até é saudável.

Pedro -
Concordo, mas digamos que com a idade o ciúme vai perdendo o seu peso na dinâmica da relação. Mesmo que sintamos ciúmes, muitas vezes não vamos aborrecer o outro por causa disso.


Max, Mia e Emma
Max, Mia e Emma
João Lima
- Também já referiram que não pretendem ter mais filhos. É porque sentem que alcançaram a família que idealizaram?
Pedro -
A gestão orçamental é um fator fundamental, depois, sentimo-nos bem com a família que temos.

Anna -
Esta é a primeira vez que, ao ver crescer um bebé, não me sinto a pensar já noutro. Sinto-me tranquila, por isso, da minha parte não vai haver pressão para que tenhamos mais filhos [risos].


- As condicionantes financeiras são uma preocupação na vossa vida?
Pedro -
Sim, mas profissionalmente a vida tem-me corrido bem. Já houve ocasiões em que tive de fazer alguns exercícios de elasticidade para que o dinheiro chegasse ao fim do mês. A minha profissão depende muito das solicitações que venham de fora e é claro que isso me faz pensar no futuro.


*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.


Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras