Nas Bancas

Mariana Alves do Rio e David Botelho de Barros 'pintam' o retrato das suas vidas

Casados há dois anos, a pintora retratista e o empresário foram pais de Luísa a 31 de agosto. Agora, o objetivo de Mariana é poder conciliar o seu papel de mãe e de mulher com o de artista.

Joana Carreira
3 de abril de 2011, 10:29

Durante ano e meio, Mariana Alves do Rio, de 30 anos, e David Botelho de Barros, de 35, namoraram à distância, pois a pintora retratista estava a estudar na Florence Academy of Art, em Itália, e o sócio da Mobilera Blueharbor, uma empresa de marketing digital, estava em Portugal. Contudo, a perseverança e o amor do casal falou mais alto que as dificuldades que a distância impôs e em agosto de 2008 a artista e o empresário subiram ao altar para dizerem o 'sim', que, acreditam, vai durar para sempre. Dois anos depois, nasceu a primeira filha, Luísa, que tem agora seis meses.
Foi em sua casa, em Lisboa, que a pintora e o marido falaram com a CARAS sobre as pinceladas de cor que têm dado a este retrato de família.

David Botelho de Barros e Mariana Alves do Rio e com a filha, Luísa
David Botelho de Barros e Mariana Alves do Rio e com a filha, Luísa
João Lima
- A Mariana sempre gostou de desenhar e todo o seu percurso académico esteve ligado à arte, mas os quatro anos que passou em Florença devem ter sido os mais determinantes para a sua definição artística...

Mariana Alves do Rio
- Sim, sem dúvida. Quando entrei, éramos dois portugueses no meio de pessoas de diversas nacionalidades. Neste curso acabamos por treinar uma espécie de matemática do desenho e da observação. Trabalhamos com um espelho e com um fio-de-prumo para fazermos medições e comparações. Foi esta a técnica que aprendi e treinei exaustivamente durante quatro anos e que aplico nos meus retratos e outras pinturas. A partir do momento em que se domina esta técnica, consegue-se desenhar tudo por observação. Depois, também foi uma experiência muito gira do ponto de vista cultural. Florença é um museu a céu aberto, parece que viajamos no tempo, e é uma cidade super-romântica. Estudar lá permitiu-me crescer bastante, porque estava longe dos meus pais e tive de me adaptar a viver com pessoas de todos os géneros e feitios...


Mariana Alves do Rio e com a filha, Luísa
Mariana Alves do Rio e com a filha, Luísa
João Lima
- E o que é que a sua pintura revela de si própria?

- Sou uma pessoa romântica e os meus retratos transmitem isso. A maior parte das vezes sou eu que tiro as fotografias que vou desenhar. Depois, interpreto aquilo que vejo e acabo por pôr amor em tudo o que faço. A arte deu-me uma maneira própria de ver o mundo e é uma paixão que me preenche.


- Foi difícil deixar Florença e começar o seu percurso profissional em Portugal?

- Foi, foi muito complicado... Cheguei, tive de procurar um ateliê e voltar ao meu mundo anterior, que não é tão sensível às artes. A maior parte dos meus amigos são gestores e não têm nada a ver com pintura... Foi difícil, mas aprendi imenso com estes obstáculos. A minha publicidade é o meu trabalho, como é o caso dos retratos dos infantes
Afonso
,

Maria Francisca
e
Dinis de Bragança
. Gostei imenso de os fazer e acho que captei a essência deles. Ficámos todos contentes com o resultado. Os retratos são o que mais gosto de fazer e coincide ser a parte mais comercial da pintura.


Mariana Alves do Rio e David Botelho de Barros com a filha, Luísa
Mariana Alves do Rio e David Botelho de Barros com a filha, Luísa
João Lima
- Voltou para Portugal e casou-se...

- Sim. Namorámos dois anos e meio e o primeiro ano e meio não foi fácil, porque ainda estava a estudar em Florença e sentia que uma parte importante da minha vida não estava lá. Mas o David foi lá várias vezes e nas férias eu também vinha cá... A maneira de ser do David e a forma como ele encara a vida têm muito a ver comigo. Complementamo-nos.

David Botelho de Barros
- Quando a Mariana voltou para Portugal, percebemos que éramos feitos um para o outro e passado pouco tempo pedi-a em casamento, porque percebi que ela era a mulher da minha vida. Somos ambos pessoas simples, simpáticas, damos valor à família e vivemos em perfeita harmonia. Sempre a admirei por este seu lado artístico e sempre a apoiei.


Mariana Alves do Rio e David Botelho de Barros
Mariana Alves do Rio e David Botelho de Barros
João Lima
- Dois anos depois, tiveram a Luísa. Foi fácil adaptarem-se a um bebé?

- Recomendo a toda a gente, mas os primeiros três meses são difíceis. Uma criança exige muita atenção e os pais acabam por se dedicar em exclusivo a ela, mas é normal. Temos é de estar atentos a isso. Se existir amor entre o casal, não é uma criança que acaba com uma relação.

Mariana
- Temos é de remar os dois para a mesma direção e caminhar juntos. Esta fase acalma e depois acabamos por nos encontrar de novo. Hoje em dia as pessoas têm muitas facilidades e às vezes esquecem-se de lutar pela relação.

David
- Uma criança também nos fortalece enquanto casal. Consigo ser um pai melhor se tiver o amor da minha mulher. A melhor forma de sermos felizes é estarmos juntos.


Mariana Alves do Rio
Mariana Alves do Rio
João Lima
- Ter mais filhos faz parte dos vossos planos?

Mariana
- Eu gostava de ter três, com pouca diferença de idades. Talvez daqui a um ano...


*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras