Nas Bancas

Luís Caetano: "A fantasia, na rádio, faz parte da sedução"

Rita Ferro conversa com uma das mais encantadoras vozes da Antena 2, agora também uma cara conhecida desde que apresenta, na TV, o 'Diário da Câmara Clara'.

Joana Carreira
27 de março de 2011, 16:49

A voz, familiar na rádio há 14 anos, começa finalmente a associar-se a quem lhe dá espessura: Luís Caetano, autor de programas e entrevistas culturais da Antena 2, editor e apresentador na televisão do Diário Câmara Clara, no ar há um ano.
Pelo incansável trabalho de divulgação da literatura portuguesa e estrangeira, assim como dos seus autores, já recebeu três prémios: Prémio Jornalista ou Imprensa de Edição da Revista Ler/Booktailors, em 2009; Pré-mio Pró-Autor da Sociedade Portuguesa de Autores, em 2009; e ainda Prémio Fahrenheit Rádio da União de Editores Portugueses, em 2007.
Casado e com dois filhos - Mariana, 13 anos, e Miguel, 11 - nasceu na Figueira da Foz há 41 anos e é licenciado em Ciências da Comunicação pela Universidade Autónoma de Lisboa. É um ho-mem tranquilo, que aproveita o silêncio das madrugadas para ler e documentar-se, e também um caso sério de charme, tanto pelo timbre como pela presença serena e desprendida, aparentemente surda à barulheira do mundo.
A somar, é ainda autor de do-cumentários, narrador de séries e enviado especial da sua antena para cobrir as edições da grande Feira do Livro de Frankfurt, dos Concertos Promenade de Londres e da Folle Journée de Nantes, bem como dos encontros Correntes d'Escritas, Literatura em Viagem e Escritaria.
Recebeu-me na Ler Devagar, em Alcântara, catedral de livros onde gosta de se perder por entre as estantes e lombadas, e de se distrair, nas horas vagas, dos interiores insonorizados dos estúdios. É praticante de ténis e frequentador de leilões de documentos e livros antigos.

Rita Ferro e Luís Caetano
Rita Ferro e Luís Caetano
Mike Sergeant
- Começando pela rádio: pode suceder que um programa cultural se bata em audiências com uma rubrica de entretenimento?

- Um bom programa cultural pode ganhar aos pontos a um programa de entretenimento banal. Mesmo não ganhando, muitos milhares de pessoas agradecem ter essa alternativa. Os métodos de medição de audiências são muito imperfeitos. Interessa-me mais a opinião crítica de uma pessoa com bom senso e bom gosto.


- Como se medem as audiências na rádio?

- Através de inquéritos regulares a um grupo de pessoas sobre as estações de rádio escutadas no dia e na véspera.


- Há tantos anos a entrevistar escritores encontraste algum traço comum entre eles?

- Pouco em comum, tirando serem habitualmente cordatos e disponíveis. Uns transmitem inquietude, outros, consolação. Há os que escrevem por amor e os que o fazem para ser amados. Os que chegam à literatura por talento inato e os que o conseguem por trabalho árduo...


- E as inseguranças? E a vulnerabilidade? E a fragilidade? E a bipolaridade? E as doenças de ego? E os surtos de desespero? E o desajuste social? Tudo isso não será pelo menos comum à maioria dos artistas? Ou não me digas que o 'temperamento artístico' foi chão que deu uvas?

- Credo! Em vez de café vou começar a oferecer psicofármacos aos meus entrevistados. Acredito que o ego continue vibrante, e isso é importante para o ímpeto criador. Mas acho que esse temperamento se democratizou, ou então há uma epidemia... Nos dias de hoje entra-se facilmente, e falsamente, no clube dos escritores e dos artistas.


- [risos] E filósofos? Já entrevistaste?

- Sim, o
Eduardo Lourenço
,
Slavoj Zizek
,
Daniel Innerarity
,
Miguel Real
,
António Cícero
...


Luís Caetano
Luís Caetano
Mike Sergeant
- Dirias que os filósofos são 'artistas'? Tem rasteira...

- O Innerarity, que é leitura de cabeceira de
Sócrates
e
Zapatero
, tem um excelente livro intitulado
A Filosofia como Uma das Belas Artes
, onde diz que se a filosofia não for arte, não consegue compreender a vida. Acho que a filosofia é a arte de pensar, sim, algo que começa a ser uma excentricidade.


- Boa! Quais foram os escritores/pensadores que mais prazer te deu entrevistar? Um português e um estrangeiro...

- O incomparável
José Saramago
e o maravilhoso
Luís Sepúlveda
, mas também o genial
Umberto Eco
.


- Duas linhas sobre o Eco, essa lenda...

- Até podes pedir duas páginas, Rita, tal a minha admiração por ele. É um homem do Renascimento, um olhar arguto, uma inteligência rara. Tem um humor refinado e defende o riso, essa capacidade libertadora que chamou ao seu grande romance,
O Nome da Rosa
. Um homem para quem Deus é a biblioteca. Também por isso gosto dele.


- Que disciplinas do teu curso te ajudaram mais no início da rádio?

- As que foram leccionadas pelo
Francisco Sena Santos
e o
Adelino Gomes
: Atelier de Rádio e Géneros Jornalísticos. São dois grandes profissionais.


- Quantos radialistas há em Portugal, tens ideia?

- Radialistas, algumas largas centenas, presumo. A assinar programas de autor, poucas dezenas, infelizmente. As rádios estão a ficar formatadas, especialmente por causa das
playlists
, ou seja, de um propósito de repetição incessante das mesmas músicas. Isso retira criatividade e variedade.


- Quando se trabalha só na rádio, como foi o teu caso du-rante tantos anos, cultiva-se o anonimato como forma de alimentar a fantasia do ouvinte e gerar em torno daquela voz uma espécie de mito? Noto que há colegas teus que fazem questão absoluta no anonimato...

- Sim, a fantasia é algo importante na rádio, e faz parte da sedução. Nesta era de rádios na Internet esse mistério é cada vez mais difícil. É divertidíssimo conhecer a imagem que os ouvintes fazem de nós. Mas também nós nos perguntamos quem são e como são os nossos ouvintes.


- Diferenças básicas entre o trabalho na rádio ou na TV?

- A rádio é um trabalho solitário, e por isso tem muito a ver comigo. Recebo
mails
e cartas endereçadas à equipa d'
A Força das Coisas
, ou da
Última Edição
quando, na realidade, a equipa sou eu. Televisão é uma máquina pesada e aí sim, um trabalho de equipa.


Luís Caetano
Luís Caetano
Mike Sergeant
- Ler por obrigação não se torna penoso?

- Não, porque tenho a possibilidade de escolher quem entrevisto. Leio o livro e logo de seguida encontro-me com o autor e procuro dá-lo a conhecer aos ouvintes. É um privilégio.


- Como está a correr o Diário Câmara Clara, na RTP2?

- Está a correr muito bem. Já completámos 300 programas, cada um com várias reportagens e destaques do que de melhor se faz na produção artística nacional, e o que de mais relevante a nível cultural o país tem para apresentar, de norte a sul. É uma equipa vasta e dedicada, que tem a coordenação geral da
Paula Moura Pinheiro
e a edição e apresentação a meu cargo e da
Inês Fonseca Santos
. É um programa que faz todo o sentido na RTP, e que tem tradição no serviço público. O
Acontece
abriu caminho.


- Porque é que a rádio paga tão mal?

- A rádio não atrai o mercado publicitário da mesma forma que a televisão, apesar de quase todos nós mudarmos de canal durante a publicidade. Muitas pessoas não têm o hábito de se sentar para ouvir um programa de rádio, mas tenho a certeza de que iriam gostar da experiência. E hoje os programas estão todos acessíveis na Internet, para escutar a qualquer momento.


- Noto que, na rádio, não há disparidades salariais gritantes como na TV...

- Na rádio não há estrelas. É mais democrática na remuneração. No que respeita às rádios de público mais jovem, há uma certa promoção dos apresentadores. Mas nada a ver com o que se passa na televisão, onde alguns salários são absurdos. Claro que, tratando-se de estações privadas, têm toda a legitimidade.


- Que sentimento dominante encontras nas feiras e eventos culturais que acompanhas?

- Entusiasmo. Tanto nos eventos literários como nos grandes festivais de música clássica. É gente que gosta da vida.


- Conta uma história engraçada ligada ao teu ofício.

- Na sei se será engraçada, mas uma das vezes que fui a Nantes para acompanhar a Festa da Música daquela cidade, nevava imenso, e o avião abortou a aterragem no último segundo. Quando se preparou para nova tentativa, liguei o gravador que trazia comigo... podia acabar ali, mas perder a oportunidade de uma boa reportagem é que não.


- És uma vocação. Vias-te a fazer outra coisa?

- Dirigir uma boa livraria ou um bom hotel. São lugares cheios de histórias. Ou então passar da cultura para a agricultura. Entre outras afinidades, têm ambas campo fértil.


Nota: por vontade da autora, este texto não segue as regras do novo acordo ortográfico

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras