Nas Bancas

Recém-casada e ao lado do marido, Martina Hingis fala da sua nova vida

A antiga campeã de ténis e o marido participaram na Atlantic Tour, um evento de hipismo que decorre na Herdade da Comporta.

Joana Carreira
17 de março de 2011, 12:40

Durante duas décadas, Martina Hingis, 30 anos, construiu uma carreira de sucesso no ténis, vencendo cinco Grand Slam e chegando ao número um do ranking mundial. Envolta em polémica, devido a um controlo antidoping positivo, a tenista abandonou os greens, refutando sempre essa acusação. Depois do ténis, a desportista suíça, que nasceu na Eslováquia, começou a competir no hipismo e foi precisamente nesse meio que conheceu o marido, também cavaleiro, Thibault Hutin, com quem se casou no dia 10 de dezembro último. Foi ainda em clima de lua-de-mel que a antiga tenista e o marido participaram na Atlantic Tour, um torneio de hipismo internacional que decorre na Herdade da Comporta.

- Não é a primeira vez que vem a Portugal. Gosta do nosso país?
Martina Hingis - Sim, muito. É um país maravilhoso, com pessoas simpáticas, ótima comida, bom vinho... E o clima é fantástico.

- Como é que uma antiga campeã do ténis mundial vem parar ao hipismo?
- Comecei a montar quando tinha 11 anos, fazia alguns saltos, mas só por diversão. Durante a minha carreira no ténis era difícil competir em mais alguma coisa. Quando fiz uma paragem no ténis, aos 22 anos, comecei a competir no hipismo, mas entretanto parei, porque voltei ao ténis. Depois, há cerca de um ano, regressei às competições hípicas.

Thibault Hutin e Martina Hingis
Thibault Hutin e Martina Hingis
Paulo Jorge Figueiredo
- Sente que desde que abandonou o ténis tem mais tempo para a sua vida pessoal?

- O ténis era a minha vida, mas sempre tive tempo para os meus
hobbies
, como os cavalos ou o esqui. Mas o ténis vinha sempre em primeiro lugar, os cavalos vinham a seguir, por prazer. No ténis, ganhei dinheiro, agora gasto-o. [risos]


- Foi difícil adaptar-se a uma nova realidade?

- Antes, acordava muito cedo, ia treinar, tinha um horário muito preenchido. Quando deixei o ténis, acordava e pensava:
"O que é que vou fazer?"
Foi um pouco assustador, mas só durante os primeiros três meses. Depois, temos de arranjar qualquer coisa que nos dê prazer.


- E, pelos vistos, o hipismo trouxe-lhe muitas coisas positivas, como o seu marido...

- Conhecemo-nos há um ano, num evento deste género. É bom partilharmos esta paixão, porque para o casamento funcionar temos de estar juntos e, por isso, viajamos sempre os dois. Para mim, isto é um
hobbie
, mas para o meu marido é a sua carreira e tento acompanhá-lo sempre que possível.


Thibault Hutin e Martina Hingis
Thibault Hutin e Martina Hingis
Paulo Jorge Figueiredo
- Casaram-se em Dezembro, em Paris, por isso ainda estão em de lua-de-mel...

- A lua-de-mel foi mais nas Maldivas. [risos] Tem sido bom estarmos sempre juntos. Quando nos casámos, já nos conhecíamos muito bem. Tem sido muito bom, porque temos algo para partilhar. Nunca estamos sozinhos.

Thibault Hutin
- A vantagem é que podemos estar sempre os dois. Recomendo vivamente o casamento, é uma oportunidade de sermos mais felizes e uma experiência muito gratificante.


- E querem ter filhos?

M.H.
- Agora queremos aproveitar a nossa vida a dois, porque a partir do momento em que tivermos filhos as nossas prioridades mudam. Mas, quando chegar a altura certa, ficarei feliz por ser mãe.


*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras