Nas Bancas

Ana Bacalhau: "Numa relação tem de haver diálogo e cedência"

Breve visita ao lado pessoal da vocalista dos Deolinda, casada com o contrabaixista da banda.

Joana Carreira
27 de fevereiro de 2011, 13:46

O fado colorido e ritmado a que Ana Bacalhau, de 32 anos, tem dado voz na banda Deolinda não conquistou só os portugueses: se os próximos concertos do grupo estão agendados para Santarém e Manteigas, os seguintes serão... em Londres e na Galiza. Um processo de internacionalização que se concretiza para uma banda que se pode considerar familiar: a vocalista é casada com o contrabaixista, José Pedro Leitão, e é prima dos outros dois músicos, Pedro da Silva Martins e Luís José Martins. Foi precisamente esse lado pessoal que quisemos 'espreitar' nesta entrevista.

- Consegue deixar o trabalho à porta de casa, tendo em conta que o seu marido faz parte da banda?
Ana Bacalhau - Sim, é algo bastante natural. A nossa postura sempre foi a de não misturar as coisas, aliás, até já aconteceu haver quem não soubesse que somos marido e mulher.

- Namoraram durante seis anos e casaram-se há três. Como tem sido?
- Tem sido maravilhoso. Temos passado muitas coisas juntos, temos crescido os dois, partilhado o mesmo sonho... É uma parceria musical e pessoal.

Ana Bacalhau
Ana Bacalhau
Mike Sergeant
- Neste caso, o facto de trabalharem juntos será uma mais-valia?

-
Exatamente. O meu marido sabe que tipo de trabalho é o de um músico, que tem de estar sempre muito disponível e, por isso, as ausências são compreendidas. Mas também gostamos de fazer coisas individualmente e achamos extremamente necessário para que haja um equilíbrio. E assim até sentimos saudades um do outro... A saudade é essencial em qualquer relação. Desde que estamos juntos, sinto-me uma pessoa melhor e julgo que numa relação tem de haver diálogo e cedência. Temos gerido bem as nossas personalidades e, mantendo a individualidade de cada um, conseguimos ser uma unidade.


- Editaram o segundo disco e têm vários concertos agendados, estão numa fase muito trabalhosa e promissora. Faz parte dos seus planos ser mãe?

-
Quero ser mãe, mas nesta fase ainda temos algumas batalhas pela frente, especialmente a nível internacional, onde estamos a ser mais conhecidos. Mas num futuro próximo, num ano em que estejamos mais tranquilos, com certeza que sim. O desejo já existe e pela minha idade também não posso adiar muito mais, mas terá de ser planeado.


Ana Bacalhau
Ana Bacalhau
Mike Sergeant
- É uma mulher de paixões?

-
Sim, mas tenho muitas paixões na vida: a música, a comunicação... Faço tudo sempre com muita paixão e só assim vale a pena fazer o que quer que seja.


- E como lidam com os fãs enquanto casal?

-
[risos] É tranquilo, não há ciúmes de qualquer espécie. Se calhar por as pessoas saberem que somos um casal respeitam e nunca ninguém foi mais atrevido. Também não somos ciumentos um com o outro, temos uma relação madura e de confiança.


- Considera-se uma mulher vaidosa?

-
Sim... com conta, peso e medida [risos]. Não sou demasiado vaidosa, mas gosto muito de roupa, de sapatos, de me pôr e ver bonita. Encaro a moda como uma forma de arte e expressão individual. Reportando para os Deolinda, também tentamos com as nossas roupas representar as músicas que fazemos. Vamos buscar elementos à tradição, mostrando-os de uma forma contemporânea, moderna e atual.


*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras