Nas Bancas

Paulo Portas: "Bendito seja o amor"

Rita Ferro entrevista o carismático dirigente do CDS/PP numa conversa informal sobre ideias.

Joana Carreira
14 de fevereiro de 2011, 10:34

Ao fim de quase 30 anos de política activa e um tão grande mediatismo é quase insultuoso apresentá-lo. Ainda assim: chama-se Paulo Sacadura Cabral Por-tas, tem 48 anos e é solteiro. Filho de Helena Sacadura Cabral, economista, jornalista e escritora, e do arquitecto Nuno Portas, é irmão de Miguel Portas, economista, jornalista e político, e de Catarina Portas, jornalista e empresária, e ainda sobrinho-neto do aviador Artur Sacadura Cabral. Estudou no Colégio de São João de Brito e licenciou-se em Direito pela Universidade Católica Portugue-sa. Estreou-se no jornalismo aos 15 anos, co-mo estagiário na redacção de O Tempo, e foi redactor de A Tarde e do Se-
manário
, acompanhando Vítor da Cunha Re-go. Foi militante da Juventude Social Democrata desde 1975. Juntamente com Miguel Esteves Cardoso fundou O Independente, inovando drasticamente o jornalismo português, em moldes "libertários e cultos".
Foi professor universitário, deputado ao Parlamento Europeu, vereador da CML e ministro da Defesa. É dirigente do partido CDS/PP. Tem uma paixão por cinema e uma esclarecida admiração por Churchill. Sofisticado nos hábitos e gourmet deleitado, é um orador brilhante e o mais persistente desmistificador da ideologia marxista-leninista. Aqui há anos, prometeu-nos um livro. Exuberante, solar e positivo, conversou com Rita Ferro no hotel Tivoli Lisboa, em clima de total informalidade, mais sobre ideias do que sobre causas.

Paulo Portas
Paulo Portas
Nuno Miguel Sousa
- Trinta anos de combate te-naz sem desarmar é obra. Vai um balanço pessoal?

- Só fiz política quando tinha independência suficiente. Nunca dependi da política e só a farei enquanto achar que tenho mais a dar ao nosso país. E tenho a certeza de que farei outras coisas de que gosto, para além da política e depois da política: escrever romances, aprender escrita de cinema, alguma coisa em torno da arquitectura, aqui tem três paixões tão possíveis como a política.


- Sente que ter um irmão do outro lado da barricada o ajuda a olhar a sociedade com mais fraternidade?

- O Miguel e eu somos primeiro irmãos, a seguir irmãos e depois diferentes. Aliás: o Miguel, a Catarina e eu. Só se pode ser família assim, quando se aprende a tolerância em casa.


- A ditadura é inadmissível, mas a democracia é difícil de governar: demasiadas cabeças a ditarem sentenças cruzadas. A contemporização democrática pode comprometer a decisão justa?

- Rita, lembre-se sempre do que disse Churchill: a democracia tem imensos defeitos, mas ainda não se descobriu um sistema melhor.


Rita Ferro e Paulo Portas
Rita Ferro e Paulo Portas
Reuters
- Presumo que, no parlamento, a colocação do timbre seja importante. Mas os deputados precisam de gritar tanto? [risos]

- Percebo-a. Mas tente perceber os deputados da oposição: mas que raio de vida política é esta em que, de quinze em quinze dias, fazemos perguntas a um primeiro-ministro que não ouve nada do que se lhe pergunta e não responde a nada do que se lhe diz? Falando do CDS, acho que é justo reconhecer que tem bons deputados e deputadas, pessoas novas mas com uma vida profissional que fala por elas, pessoas que dizem o que pensam e pensam o que dizem.


- Uma coisa que enerva é assistir a verdadeiras batalhas campais na Assembleia e depois surpreender inimigos de tribuna às palmadinhas nas costas e a comerem camarões juntos. Reconhece que isto possa confundir? Que fique difícil distinguir 'o inimigo'?

- Claro! E já se perguntou porque é que isso acontece? Porque os dois maiores partidos são tão parecidos na substância que, depois, para se tornarem diferentes, recorrem muitas vezes a ataques pessoais, que tornam o debate político tão ácido como árido. Eu tenho a regra de separar o que é político do que é pessoal. Para convencer, não é preciso ofender. O que me leva a ter grandes diferenças políticas com quem até posso conversar com respeito.


Paulo Portas
Paulo Portas
Nuno Migueo Sousa
- Sei que não usa avental. Será a maçonaria e não o PS e o PSD o verdadeiro Bloco Central?

- Não uso, não. Escapa-me a razão que leva uma pessoa, numa sociedade aberta, a fazer parte de sociedades secretas. Cada um sabe de si e a minha educação é cristã.


- Admitindo que os povos têm características que os distinguem, e mesmo sabendo que um minhoto nada tem que ver com um alentejano, que traços identitários conservam os portugueses?

- Primeiro, é preciso perceber que a Pátria, como a família, é algo único que nos acontece: não a escolhemos, mas recebemo-la, e o nosso dever é entregá-la melhor à geração seguinte. Todos os povos, como todas as pessoas, têm coisas boas, e outras menos boas. Saber liderar uma Nação em crise é saber puxar pelas suas melhores qualidades, aquilo que, ao longo da História, nos resgatou das tempestades: quem no povo tem coragem, quem no trabalho é profissional, quem nas empresas arrisca, quem na educação é exigente, quem face à pobreza é generoso.


- Reconhece-se em si uma evidente vocação para a alegria. A alegria 'independe' da felicidade?

- É fácil perceber de onde vem a minha alegria: basta olhar para a minha mãe... E também acho que uma boa parte da nossa alegria está na capacidade de nos rirmos de nós próprios.


Rita Ferro e Paulo Portas
Rita Ferro e Paulo Portas
Nuno Miguel Sousa
- Sendo a política tão maltratada e desacreditada pela opinião pública, como consegue manter esse espírito?

- É verdade que a política está muito desacreditada. Mas porque será que a maioria das pessoas, às vezes sem se dar conta disso, acaba sempre a votar nos mesmos dois partidos? Pela minha parte, acho que os partidos não são clubes nem religiões. Servem ou não, consoante o mérito, o trabalho, o esforço e a razão. E também, senão principalmente, por saberem cumprir.


- Subsiste no político que é o jornalista que foi?

-
O Independente
começou com um extraordinário encontro, na livraria Buchholz, com o Miguel Esteves Cardoso, e nunca teria sido a inspiração que foi sem o Miguel Esteves Cardoso. Não me arrependo do sucesso do jornal, embora tenha aprendido com as coisas certas, e também com as coisas erradas que fiz nessa altura.


- Valéry disse "A política foi primeiro a arte de impedir as pessoas de se intrometerem naquilo que lhes diz respeito. Em época posterior, acrescentaram-lhe a arte de forçar as pessoas a decidir sobre o que não entendem." Não acha que estamos em plena segunda premissa?

- Rita, os portugueses foram literalmente enganados. Há um ano e meio disseram-nos que o défice era 5,6%, que as contas estavam em ordem, que a dívida não era problema e que o desemprego ficava nos 8%! Há um ano e meio, aumentaram os funcionários públicos, subiram os abonos de família, deram rendimento mínimo a torto e a direito e até iam dar um cheque aos bebés! Não é o povo que não entende, é um governo que mentiu.


Paulo Portas
Paulo Portas
Nuno Miguel Sousa
- Vê-se que adora trabalhar...

- Toda a vida gostei de trabalhar e trabalhei para ser independente desde miúdo. O trabalho é o valor social que eu respeito mais. Ou seja, se não fosse presidente do CDS, onde trabalho imenso, estaria certamente no ramo do trabalho máximo garantido...


- Um aspecto que me faz espécie: os escritores matam-se em barda. Os políticos, que são responsáveis directos pelo estado em que anda o mundo, duram mais do que pilhas Duracel. Às vezes, assistimos a ditadores a serem presos aos 90 anos, responsáveis por genocídios inomináveis, ainda de grimpa levantada. Que têm a mais ou a menos do que os artistas?

- Interessante comparação. Há uma certa relação entre génio e sofrimento, tal como ainda há - no século XXI! - uma relação entre tirania e impunidade.


- É demagógico dizer-se que o amor é a única energia inesgotável da Terra?

- Não, não é demagógico. Bendito seja o amor.


- E esse prometido romance, Paulo, que já pôs tanta gente a salivar?

- Um dia [risos]. Quando menos se esperar...


Nota: por vontade da autora, este texto não segue as regras do novo acordo ortográfico

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras