Nas Bancas

Aurea revela-se fora dos palcos: "Sou uma sonhadora de pés bem assentes no chão"

A loira platinada que tem conquistado os 'tops' de música nacionais apresenta-se aos leitores da CARAS.

Joana Carreira
13 de fevereiro de 2011, 10:29

Aos 23 anos, Aurea Sousa, natural de Santiago do Cacém, no Alentejo, já é considerada uma das revelações musicais do ano de 2010. Apesar de sempre ter tido a música por companhia de eleição, nunca sonhou ser cantora, até ao dia em que alguém a ouviu cantar e acreditou que aquela voz, que ecoava numa sala em Évora, poderia um dia encher os palcos nacionais.
Depois de três anos a preparar o seu disco homónimo, a artista da Blim Records estreou-se e de imediato conquistou uma legião de fãs. Hoje, o seu álbum já é disco de ouro e a cantora, com o seu cabelo loiro platinado, já não passa despercebida na rua.
Se profissionalmente Aurea se sente realizada, o mesmo se pode dizer em relação à sua vida privada, pois tem um namoro feliz e estável com um músico cujo nome prefere não revelar. Foi sobre a sua vida dentro e fora dos palcos que a CARAS falou com a cantora alentejana, que se prepara para dar um grande concerto dia 31 de Março no cinema S. Jorge, em Lisboa.

Aurea
Aurea
João Lemos
- Hoje é cantora, mas em tempos acreditou que a sua vida poderia passar pela representação...

Aurea
- A música sempre foi algo muito presente desde que nasci. Aliás, o meu pai diz que assim é desde que eu estava na barriga da minha mãe, porque já nessa altura ele tocava para mim. Fui crescendo com a música, mas não tinha nem o sonho de ser cantora, nem atriz. O sonho de representar nunca existiu.


- Mas frequentou o curso de Teatro, na Universidade de Évora...

- Sim, mas primeiro entrei no curso de Linguística, em Lisboa. Estive cá um mês e pouco, mas não me revi nesse curso. Pensei que tinha de mudar, sair de Lisboa e ir para um sítio e para um curso que tivesse mais que ver comigo. Fui à Universidade de Évora, vi que havia o curso de teatro, concorri, entrei e comecei a apaixonar-me pelo teatro.


- Nessa altura não foi o seu talento para a representação que se destacou e sim a sua voz...

- Pois... Estávamos numa sala, num ambiente descontraído, e estava lá o
Rui Ribeiro
, que é um dos compositores do disco. Ele ouviu-me a cantar, na brincadeira, e gostou. Foi para casa e decidiu fazer uma música para mim. Tudo começou aí.


Aurea
Aurea
João Lemos
- Quando veio definitivamente para Lisboa, há cerca de dois anos, já era uma mulher. Ter crescido num meio muito mais pequeno teve mais vantagens ou desvantagens?

- Saí de casa com 18 anos. Cresci no Algarve, em Silves, para onde fui com dois anos. Conhecia toda a gente e era lá que tinha os meus sítios especiais. E foi complicado sair desse meio. Senti muito a falta dos meus pais e dos amigos. Gostei muito de ter tempo para crescer. Em Silves podia brincar na rua, não havia qualquer perigo. Tive um crescimento muito saudável.


- Pela maneira como fala, percebe-se que a família tem muito peso na sua vida...

- Sim, dou muita importância aos meus pais e ao meu irmão. Serei sempre uma menina da mamã! Amo a minha família. O meu irmão vive em Lisboa e posso estar mais vezes com ele, o que é ótimo! É sempre bom pedir conselhos ao irmão mais velho.


- Para se sentir segura, precisa de pedir a opinião às outras pessoas? Ou é independente?

- Sou um misto dessas duas coisas. Só tomo uma decisão depois de pensar muito sobre o assunto. Sou muito ponderada e não dou passos em falso. E é importante reunir-me com os meus pais e com o meu irmão e perguntar o que acham sobre determinada situação. Depois disso, penso e tomo a minha decisão. Sou uma sonhadora de pés bem assentes no chão.


Aurea
Aurea
João Lemos
- Optou por aparecer na cena musical com uma imagem muito glamorosa e com muitas características vintage. Porquê?

- Eu quero transmitir ao público quem é a Aurea através dessa imagem. A maquilhagem carregada e o cabelo loiro é a minha imagem do dia-a-dia. Eu já era assim e no palco tento ser a pessoa que realmente sou. Não estou a inventar uma personagem. E é uma imagem que se encaixa bem nos concertos e entre nós, banda.


- Neste disco, canta letras que falam de amores correspondidos e outras de desgostos. Revê-se nestas duas realidades?

- Sim. Também tive os meus desgostos de amor na adolescência. E chorei, como todas as meninas e meninos.


- Mas parece que o cenário mudou, porque tem uma relação estável e feliz...

- Exatamente. Estou feliz tanto pessoal como profissionalmente. Estou muito realizada.


- O seu namorado está fora do país. É fácil manter uma relação à distância?

- Quando as pessoas gostam uma da outra, manter uma relação à distância é fácil.


Aurea
Aurea
João Lemos
- O facto de o seu namorado trabalhar na área musical é uma vantagem?

- Claro que sim. Ele apoia-me imenso e sabe muito bem como é que este meio funciona. Eu também o apoio nas coisas que são importantes para a vida dele e para a sua carreira.


- Já há novos projetos ou este disco ainda é a sua prioridade?

- Ainda estou a viver muito este disco. E agora quero apostar nos concertos. Espero que 2011 seja preenchido com muitos espetáculos ao vivo.


*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras