Nas Bancas

Joana d'Ornellas e Vasconcellos e João Capucho completam-se nas suas diferenças

A 'designer' de interiores e o economista são pais de João Maria e Maria Francisca, que ficou em casa. Leonor, filha do irmão de Joana, esteve com os tios e o primo.

Joana Carreira
5 de fevereiro de 2011, 11:41
João Capucho
, de 41 anos, e
Joana d'Ornellas e Vasconcellos
, de 32, são o exemplo de que há relações em que as diferenças se tornam complementares e, consequentemente, o segredo do sucesso para um casamento. Juntos há sete anos e casados há cinco, a
designer
de interiores e o economista sentem que desde que foram pais de
João Maria
, agora com três anos, e de
Maria Francisca
, de sete meses, o tempo a dois é cada vez mais escasso e precioso. Por isso, aproveitam todos os momentos possíveis para estar juntos, como aconteceu por ocasião desta sessão fotográfica - que contou com a presença de
Leonor
, de três anos, filha do irmão de Joana -, realizada durante um fim de semana que o casal passou na serra da Estrela, a convite da CARAS e da Seat.


Joana dOrnellas e Vasconcellos
Joana dOrnellas e Vasconcellos
Luís Coelho
- Não chegaram a namorar dois anos antes de se casarem. Isso significa que quando se tem a certeza do que se quer não vale a pena perder tempo?

João Capucho -
Os namoros longos dão normalmente em casamentos curtos. [risos]

Joana d' Ornellas e Vasconcellos -
Julgo que quando uma pessoa dá um passo desses, dure o casamento muito ou pouco, é porque naquele momento está muito apaixonada. Conheço pessoas que namoraram 15 dias e estão casadas há anos, como conheço o inverso. Não há certezas de nada. Nós casámo-nos por impulso, foi o destino. [risos]


- Apesar de terem muitas diferenças, coincidem no facto de serem ambos muito enérgicos. Como lidam com tanta energia em casa?
-
O João às vezes diz-me que está cansado dele próprio. Mas até na energia que emanamos somos diferentes. [risos] Eu gosto de sair à noite, o João não, eu gosto de desporto, mas não sou obcecada, e ele é... Enfim, somos diferentes, mas entendemo-nos. [risos]


João Capucho e Joana dOrnellas e Vasconcellos com o filho João Maria e a sobrinha Leonor
João Capucho e Joana dOrnellas e Vasconcellos com o filho João Maria e a sobrinha Leonor
Luís Coelho
- Com dois filhos pequenos e uma vida profissional tão exigente, como lhes sobra tempo para os dois?

-
Temos uma pessoa em casa que nos ajuda, caso contrário seria impossível. Um casal em que ambos trabalhem e com dois filhos pequenos, queiramos nós ou não, acaba sempre por ter pouco tempo a dois. Eu não tenho feitio para ser mãe a tempo inteiro, pois já tentei e não deu resultado, por sentir falta de mim enquanto profissional. Não é que ame trabalhar tipo formiga de escritório, como o João, mas viver em função da casa, sem exercitar o cérebro, também não dá para mim.

João -
A gestão da nossa casa teve quase de ser vista de forma empresarial e é óbvio que fazemos sacrifícios e cedências para podermos ter alguém a gerir a nossa casa. Mas isso ajuda-nos a termos mais tempo a dois.


João Maria e Leonor
João Maria e Leonor
Luís Coelho
- E têm datas específicas para estarem só os dois ou aproveitam quando é possível?
Joana -
Aproveitamos quando é possível.

João -
Não dá para haver grande planeamento, pois além da minha atividade profissional, ainda sou dirigente desportivo, organizo o campeonato nacional de surfe, e isso ocupa-me muito tempo. Mas quando temos oportunidade, esforçamo-nos para que o tempo a dois seja de qualidade.


João Capucho e Joana dOrnellas e Vasconcellas com o filho João Maria
João Capucho e Joana dOrnellas e Vasconcellas com o filho João Maria
Luís Coelho
- Sentem então que é imprescindível cuidar da relação?
-
Claro que sim.

Joana -
Vou ser sincera, com o primeiro filho esqueci-me um pouco do meu marido e de ser mulher. Com o nascimento da Maria Francisca, tivemos de mudar a estratégia. Um casal deve falar e perceber quais os seus pontos fracos e recuperá-los. Chegámos à conclusão que os nossos filhos devem estar bem, a casa também, mas nós igualmente. Agora estamos a conseguir pôr o barco direito. [risos]


- Estão casados há cinco anos. Como tem sido?
- Com altos e baixos como todos os casais.


-
São pais autoritários ou permissivos?
João -
Na nossa casa há o polícia bom, a Joana, e o polícia mau, eu. Às vezes é-me difícil dizer que não, mas faz parte, e as coisas têm funcionado assim.

Joana -
Eu vacilo muito. [risos]


Joana dOrnellas e Vasconcellas
Joana dOrnellas e Vasconcellas
Luís Coelho
- A Maria Francisca não veio convosco, mas, em contrapartida, trouxeram a vossa sobrinha Leonor...

- A Leonor e o João Maria têm a mesma idade e adoram-se, divertem-se imenso juntos. Como a minha cunhada Leonor, mulher do meu irmão, também veio, foi muito bom, pois estes dias serviram para estreitarmos ainda mais os laços entre todos.


*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras