Nas Bancas

Sónia Balacó fala sobre a sua vida em Londres

A atriz vive sozinha em Inglaterra, onde chegou sem grandes alicerces, mas com uma grande vontade de vencer.

Joana Carreira
28 de janeiro de 2011, 10:17

Há cerca de três anos, Sónia Balacó, de 26 anos, decidiu trocar o conforto do lar em Lisboa pela atarefada e louca vida de Londres. Correu atrás de um sonho, lutou, e os resultados vão aparecendo. Prestes a ser lançada está uma longa-metragem, Against, da qual é protagonista, no papel de Sophie. Já disponível em Portugal está o novo jogo da saga James Bond, onde interpreta uma sensual sargento do exército. Mas muito está ainda para vir, acredita a atriz, que diz não ter muitas dúvidas de que o seu investimento na carreira vai dar ainda mais frutos.

- Em 2008 decidiu arriscar uma carreira em Londres, onde vive ainda. Como tem corrido essa aventura?
Sónia Balacó - Tem corrido muito bem. Parti em 2008, em 2009 fiz um espetáculo de teatro que correu muito bem e, entretanto, fiz uma personagem para o jogo de computador do James Bond, chamado Golden Eye, e tenho ainda uma longa-metragem por sair. O saldo é positivo.

- Contracenou com o Daniel Craig, o último James Bond...
- Na verdade, não, porque as gravações são feitas individualmente. Representei sozinha no meio de muitas câmaras, porque é um sistema diferente de gravar um filme. Parece até um pouco bizarro e antinatural. Mas conheci todos os outros atores, ele foi o único que nunca apareceu quando estávamos a gravar. Faz sentido... [risos]

- Foi um trabalho importante e compensador para si?
- Foi espetacular. Primeiro, pela experiência do motion capture, ou seja, um tipo de gravação diferente que capta todos os nossos movimentos. Depois, ver-me vestida daquela maneira, com uma série de sensores e uma roupa bem diferente. Por fim, descobrir que consigo fazer aquilo, porque não é fácil representar sem ter alguém à frente. Não tem nada que ver com o que estudei ou já fiz. E senti-me orgulhosa por ter sido escolhida por aquela empresa gigante que faz o James Bond.

Sónia Balacó
Sónia Balacó
Luís Coelho
- E foi um pouco o reconhecimento de que valeu a pena apostar em Londres...

- De alguma forma, sim. Ir para Londres foi um pouco uma loucura, porque não tinha contactos nenhuns na minha área. Demorei um ano a perceber como tudo funcionava, como arranjava um agente, como sabia dos
castings
... Só em 2009, quando fiz o espetáculo, é que comecei a dominar melhor o mercado. Aquele ano que passei a tentar perceber tudo, tendo já deixado a família, os amigos, em Portugal, não foi fácil.


- Foi difícil separar-se da família e dos amigos?

- Foi. Eu sempre quis ir, e nunca me arrependi. Mas saber que perdi momentos importantes, isso foi um pouco duro.


- O que combateu com muitas viagens a Portugal...

- [risos] Muitas, mesmo. Mas também muitas visitas de familiares e amigos em Londres.


- Também não deve ter sido fácil deixar o seu namorado ou, pelo menos, ficar mais longe dele...?

- Esse é um assunto de que preferia mesmo não falar.


- Mas concorda que, em geral, é difícil manter um relacionamento à distância?

- Hoje em dia existem muitas formas de comunicação... Há o Skype, as viagens não são assim tão caras... Quando há vontade, existem sempre soluções.


- Londres é uma cidade romântica?

- Sim, Londres é uma cidade muito bonita, se estivermos dispostos a suportar o frio e mentalmente preparados para não ter sol durante semanas. Existem programas lindos para fazer: as viagens de barco, as pontes...


Sónia Balacó
Sónia Balacó
Luís Coelho
- Como é a sua vida em Londres?

- Quando tenho
castings
, não faço mais nada, porque sou obcecada e fico a trabalhar dias a fio para as audições. Quando não tenho, estou a estudar, vou ao ginásio e vou muito a concertos e museus. Tento enriquecer-me ao máximo e ter uma vida cultural muito ativa. Até porque a cidade oferece isso, em Londres tudo acontece.


- E no campo pessoal, já fez muitas amizades?

- Agora sim, tenho amigos. Quando vim para Londres só conhecia uma pessoa que nem era minha amiga diretamente, mas amiga de amigos. Foi mesmo uma loucura. Agora tudo é diferente e saio imenso com eles. Moro na zona este, considerada a mais
cool
da cidade, e onde temos imensos programas sempre. Adoro, por exemplo, ir tomar o pequeno-almoço ao Broadway Market.


- E viver sozinha, como é?

- Bom, já fazia isso em Lisboa, porque os meus pais são de Peniche, pelo que não notei assim tanto essa mudança. O que me fez mais diferença foi deixar de ter carro. Sobretudo no início, porque depois habituei-me e aqui as coisas são diferentes e o metro é fantástico.


- E a comida? Por vezes o que se come em Inglaterra obriga a umas dietas mais frequentes, ou não?

- Nunca tive propriamente problemas com isso, porque a minha estrutura nunca me permitiu grandes dietas. [risos] Entretanto, tinha deixado de comer carne, mas tive de voltar a comer, porque a minha médica me obrigou, e isso foi mais difícil. Em Londres é muito difícil levar uma alimentação saudável e boa sem comer carne.


Sónia Balacó
Sónia Balacó
Luís Coelho
- Não comer carne foi uma decisão que segue a sua linha de pensamento no que diz respeito à defesa dos animais?

- Gosto de achar que sou bastante consciente da minha posição no mundo e penso imenso na forma como vivemos todos em comunidade, pelo que quando há coisas que não me agradam, não tenho problema nenhum em manifestar-me, que é o caso da defesa dos animais.


- Esse sonho de vencer em Londres trouxe também momentos maus, frustrações?

- A única maneira de conseguirmos vingar e ter sucesso como ator no estrangeiro é saber que muita coisa vai correr mal, mas temos que nos aguentar com isso. Eu tinha, e ainda hoje tenho, a certeza absoluta de que vai correr bem. É frustrante, claro, estar num
casting
, sabermos que podíamos fazer aquilo e acharem que não somos a pessoa certa. Agora acho que as coisas não vão correr mal, mesmo porque invisto constantemente e muito nesta minha opção. E porque me sinto cada vez mais confiante no meu trabalho, nas minhas capacidades enquanto atriz.


- Não tendo pessoas mais chegadas por perto, como consegue lidar com os momentos mais difíceis?

- O exercício físico costuma ajudar a descarregar as más energias. E trabalhando muito. Quando não estou bem, vou trabalhar, seja com textos ou a fazer exercícios. Sou uma pessoa muito reservada e introspetiva nesse sentido, acredito que a força vem de dentro, pelo que nos momentos mais complicados tenho tendência a manter-me sozinha.


- E a moda, desistiu mesmo dessa vertente?

- Sim, a moda acabou. Comecei muito cedo, aos 14 anos, por isso foram 11 anos a trabalhar na área. Diverti-me imenso, mas chega. Até porque a moda sempre foi o meu plano B. O meu sonho sempre foi ser atriz.


*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Palavras-chave

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras